CRISE NA ECONOMIA MUNDIAL : BRASIL ESTÁ BEM, MAS NÃO ESTÁ IMUNE…

Brasil está preparado para crise, mas

não está imune, diz Mantega.

 

 

Ministro disse que não haverá aumentos de salários na administração pública e que, se houver exagero na desvalorização cambial, governo vai atuar nos derivativos

 

 

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que, apesar de o Brasil estar preparado para enfrentar um quadro econômico mais complexo no cenário internacional, o País não está imune.

Segundo o ministro, se houver exagero na desvalorização cambial, o governo vai atuar com maior força nos derivativos como já começou a atuar. Segundo ele, se faltar crédito para o comércio do Brasil com o exterior, o País tem reservas para suprir as necessidades. Ele disse ainda que, se faltar crédito no mercado interno, os bancos privados estão sólidos e o Brasil tem também os bancos públicos que outros países não têm.

“Armamentos não faltam“, disse Mantega em uma entrevista coletiva, após reunião de coordenação com a presidente Dilma Rousseff sobre a situação da crise internacional.

O ministro comparou a crise atual a um estágio de 2,2 na escala Richter, enquanto em 2008 a crise era de 8,8. Ele reconheceu que houve uma deterioração do quadro, mas ponderou que o governo está agindo para minimizar o impacto. Mantega não quis antecipar medidas, mas acrescentou: “Temos fiscal, temos reserva monetária muito maior do que tínhamos antes. Ataque cambial não vai haver aqui”.

Ele avaliou que, nos países avançados, a crise não terminou mas sim mudou de face. “Ela continuou”.

Mantega, deu a senha de como será a ação do governo para o enfrentamento do agravamento da crise internacional: fortalecimento da situação fiscal. O ministro prometeu todos os meses um resultado fiscal melhor. “Prometo a cada mês uma surpresa no fiscal. Cada vez ter um resultado melhor, como já tivemos no mês passado, melhor do que todos esperavam“, disse.

O ministro disse que o governo vai fortalecer as empresas brasileiras. “O perigo não é no Brasil. O Brasil é um dos países que está melhor preparado para enfrentar essa crise”.

O ministro disse que o governo vai ter que tomar mais medidas para impedir que a economia brasileira seja atacada por oportunistas e outros desesperados que vão ter por aí. Ele traçou esse quadro porque, na sua avaliação, os Estados Unidos vão continuar com a política de afrouxamento monetário e adotar o chamado quantitativo 3. Segundo ele, essa política monetária mais frouxa é ruim porque ela vai provocar uma “agudização da guerra cambial“, com os países tentando desvalorizar as suas moedas. “E vamos tomar mais medidas”, disse Mantega.

O ministro disse que esse quantitativo 3 é um dos perigos agora porque os americanos, na falta de outros instrumentos, vão continuar despejando crédito e liquidez no mercado. Na sua avaliação, isso só vai desvalorizar o dólar e não vai resolver o problema. “Parece que eles não têm outra alternativa, enquanto o Congresso estiver resistindo e, para nós, é ruim esse quantitativo 3“, disse.

Sem aumento de salários

Mantega afirmou que não haverá aumentos de salários na administração pública federal neste momento porque é preciso zelar para que haja um bom resultado fiscal. “Não admitiremos aumento de gastos de qualquer natureza. Isso é muito importante neste momento e é o que nos distingue de outros países”, disse.

BbcBrasil

Compartilhe esse texto com seus contatos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *