CONTO : “Zoião apenas ria…”. Amigo é pra essas coisas…- Por Marco Aurélio F Soares.

AMIGO É PRA ESSAS COISAS…

 

 

Marco Soares

 

 

Zoião saiu de sua cidade no interior do Nordeste e danou-se para São Paulo. Lá trabalhou que nem um cavalo e resolveu voltar para a sua terrinha quando os anos começaram a lhe pesar. Queria viver seus momentos finais rodeado dos seus parentes e amigos de infância e juventude. A mulher por lá falecera e os filhos já tinham seus lares, de modo que lhe pareceu que o momento era mais que propício.

Logo que ele chegou a notícia se espalhou pela pequena cidade e Zeca, amigo de infância, apressou-se em convidá-lo para um almoço em sua casa. Neste almoço ele encontrou Tonhão, convidado especialmente por Zeca, que sabia da amizade que este dedicava à Zoião nos tempos de juventude. Entre goles de uísque, puseram-se a conversar. Zoião falou que trabalhou trinta e cinco anos em São Paulo, a maior parte na LIGHT – a companhia energética de lá, na época.

Tonhão ponderou: “Você está certo Zoião, boa aposentadoria, os filhos todos no seu cada qual, tem mais é que aproveitar a vida. Vocês estão convidados para almoçar na próxima semana lá em casa”. Zeca emendou: “É… muitos vão, mas poucos voltam vitoriosos. Nem todo mundo tem a sua sorte, Zoião. Você foi inteligente em ter vindo: São Paulo está ficando cada dia mais complicado para se viver, o melhor mesmo é você usufruir o que tem por aqui”. Zoião apenas ria.

Na semana seguinte lá estavam eles novamente tomando uísque da melhor qualidade. Farra longa, entremeada de muitas risadas: Zoião era uma pessoa alegre, contadora de causos, muito agradável.

Na hora da despedida Zeca e Tonhão o intimaram: “na próxima semana é sua vez”. Zoião, meio desconcertado, disse: “Olha, sinceramente eu não posso retribuir por enquanto seus gestos de amizade, porque tenho que viver com as pequenas economias que fiz em São Paulo e com o que me coube do acordo que fiz com a LIGHT, o que não é muita coisa”. Zeca e Tonhão perguntaram simultaneamente: “Você não está aposentado?”. Zoião, desanimado, respondeu: “Ainda faltam treze anos, exatamente o tempo que eu trabalhei como camelô”. Despediu-se e foi embora.

Zeca se voltou para Tonhão e, furioso, comentou: “É um f.d.p, deixou um emprego bom para vir vagabundear aqui às nossas custas”. Tonhão não perdeu o humor e, resignado, falou: “Amigo é pra essas coisas…”

Compartilhe esse texto com seus contatos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *