POESIA/CORDEL : Meu Velho Ipojuca.”Teus cardumes de caritos/Tuas piabas prateadas…” – Por Robson Maciel Aquino.

Meu velho Ipojuca

 

A velha ponte o leito semimorto do Ipojuca...Pelo menos o poeta, ainda o respeita! (foto de Marco Aurélio-oabelhudo)

 

Ainda hoje me lembro
E gosto de me lembrar
O Ipojuca a banhar
Os nossos pés pequeninos
Éramos todos meninos
Debaixo daquele sol
Na minha mãe, Sanharó
O rio, nós e o lugar

 

O calor, de tão intenso,
Fazia o rio suar
E a gente ali, a brincar
Furando o velho Ipojuca
Com as braçadas malucas
Flecheiros quase perfeitos
Às vezes lascando os peitos
Gritava “É meu, somente meu, esse mar!”

Lá na pedra de Lalai
Os saltos ornamentais
Bunda ginástica, mortais
Diversas categorias
Era saltar pra alegria
Vencendo todos os medos
E afogando os segredos
Se encharcavam de paz

 

A sombra da velha ponte
Tingindo em negro suas vestes
Meninos que só a peste
De cima, pulavam juntos
Uma floresta de juncos
Matéria que Zé Latão
Fazia esteira e colchão
Até isso, tu nos destes

 

Divertido era no rio
Galinha d’água jogar
A pedra a assobiar
Quando pulava e descia
Na cocha verde, macia
Pinotavam nossas vistas
Qual mão de um violonista
Imitando o seu bailar

 

Meu camarada Ipojuca
Como tu eras bonito
Teus cardumes de caritos
Tuas piabas prateadas
Brilhando ao serem fisgadas
Pelos anzóis traiçoeiros
Ainda guardo o teu cheiro
Ainda ouço teu grito

 

Descansa em paz, meu amigo
Quem dera te ver sorrindo
Com teu jeito de menino
Com tuas curvas de moça
Brilhantes barros de louça
Que mãos jeitosas moldavam
Em artes se transformavam
Pro mundo ficar mais lindo

Eu só queria acordar
Rever àquela beleza
E tudo fosse certeza
Que tudo voltasse a ser
Um rio livre a correr
Longe de quem o machuca
Viva meu velho Ipojuca,
E a nossa mãe natureza!

 

Autor: ANTONIO ROBSON MACIEL AQUINO.

 

NOTA DO BLOG

 

O emérito colaborador Robson Aquino é também autor do livro – SANHARÓ, Cinco Homens e um Caçuá de Discussão – que logo, logo estará sendo lançado oficialmente em nossa cidade…Quem sabe, até antes do Velho Ipojuca desaparecer…

 

Compartilhe esse texto com seus contatos:

7 Responses to POESIA/CORDEL : Meu Velho Ipojuca.”Teus cardumes de caritos/Tuas piabas prateadas…” – Por Robson Maciel Aquino.

  1. João Roberto disse:

    Muito boa, Robson.
    É triste a situação degradante na qual se encontra o velho Ipojuca. Um esgoto a céu aberto. Quase morto. Muito diferente do tempo que ainda existia os poços de Lalai e Raimundo, locais de encontro dos viciados em banho de rio. Aquilo tudo hoje é merda pura
    Abçs

  2. André Muniz disse:

    Meu velho Ipojuca teu espelho já não brilha … são os versos de outro grande poeta, Petrúcio Amorim, também enfeitiçado pela beleza desse rio … Parabéns Robson pelo brilhantismo dos seus versos

  3. Carlos Elder disse:

    Robson,
    Valeu por mais essa bela poesia!!!
    Registrei no arquivo.
    Abs.

  4. JOZINALDO VITURINO DE FREITAS disse:

    Os irmãos Aquino botam para quebrar. Valeu Robson.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *