HOMENAGEM POÉTICA : TRIBUTO AO BOÊMIO/… Ao grande herói da madrugada/ Ao pássaro negro da alvorada… – Por Robson Maciel Aquino.*

 VIVA A BOEMIA !

 

 

"O boêmio que se preza / Não tem hora pra chegar..."

 

Tributo ao Boêmio

 

 

 

 

 

Abro as portas da minha poesia
Clamo aos deuses dos versos para entrar
A rainha da rima vou chamar
Dionísio confirmou sua vinda
Para essa homenagem justa e linda
Ao boêmio, o rei da alegria
Esse símbolo da nossa boemia
Hoje exemplo de pura raridade
Ergo um brinde à vossa majestade
 Com a taça que aos deuses eu serviria


 

Um galã pela arte da conquista 

Que namora o silêncio e a escuridão

Agarrado ao amigo violão

Tem no peito um porto de saudade

Onde ancoram mentiras e verdades

E se vão sonhos tão inacabados

Que seus versos entoam lagrimados

Essa busca incessante pela vida

São canções encharcadas em bebidas

São recursos em silêncio retomados

 

 

O boêmio é a cara do descuido 

Totalmente improvável e desatento

É capaz de sorrir de um lamento

E sofrer num instante de alegria

Não distingue o que é noite do que é dia

Usa os olhos dos outros pra chorar

E a voz do cantor para encantar

A morena que nunca lhe dá trela

Faz seresta em duas, três janelas

Mas nenhuma se abre pra escutar

 

Tem o dom do equilíbrio em corda bamba 

E a oratória etílica convincente

Jura ter o poder de um vidente

E se julga capaz de enfrentar

Qualquer um que quiser, naquele bar

Discutir sobre tema a escolher

Um filósofo a serviço do saber

A retórica em álcool retorcida

È formado pela escola da vida

Com lições tão difíceis de entender   

 

 

No seu copo presente o combustível

Que acelera sua imaginação

E é capaz de mexer sua emoção

Quando lembra seus amores perdidos

Em legítima defesa do oprimido

Dá uma ordem ao garçom impaciente

Traga um litro da melhor aguardente

Veja um prato que lembre uma despedida

Hoje eu quero cutucar a ferida

Até ela sair da minha mente

 

Boemia não é pra qualquer um

É preciso entregar-se a esse feito

Não pensar que o que faz é um defeito

Não ceder aos comentários invejosos

Só os grandes e, também, mais corajosos

Acham garras pra seguir essa lida

São batalhas que sempre são vencidas

Num terreno difícil de lutar

Seu quartel é a rua e é o bar

Sua arma a viola e a bebida

 

 

Eu termino aqui o meu tributo

Ao grande herói da madrugada

Ao pássaro negro da alvorada

Que despedindo da lua, beija o sol

A canção entoada em dó maior

Uma trilha sonora da viagem

Seu retrato em pedaço é a imagem

Que define a sua trajetória

Peço a todos o respeito a sua história

Que merece de nós essa homenagem 

 

 

* Autor : Robson Antonio Maciel Aquino.

 

NOTA DO BLOG

Acompanhando essa linda e evocativa poesia, o oabelhudo oferece aos diletos amigos e “fregueses” conceituados uma bela página musical, a valsa chamada – ABISMO DE ROSAS, de Dilermando Reis,executada ao violão pelo mesmo…

 

(foto e video do Google/Youtube)

Compartilhe esse texto com seus contatos:

9 Responses to HOMENAGEM POÉTICA : TRIBUTO AO BOÊMIO/… Ao grande herói da madrugada/ Ao pássaro negro da alvorada… – Por Robson Maciel Aquino.*

  1. João Roberto disse:

    Chega deu vontade de tomar uma.
    Bela homenagem os boêmios, Robson.
    Parabéns
    Abçs

  2. Ary Queiroz disse:

    Caro Dom Pablito, suas postagens, por demais ecléticas, permite que possamos nos deleitar sobre os mais variados temas.

    Ao cordelista Robson Antonio Maciel Aquino, minha homenagem vem com essa pérola que circula na internet:

    Os Dez Mandamentos do Boêmio

    1º) É de bom tom sempre guardar o nome dos garçons, afinal de contas é no ombro deles que vais chorar, ao som de “Nervos de Aço”, a inevitável, acachapante e humaníssima dor de corno.

    2º) Na saúde e na doença, a culpa será sempre do tira-gosto, ah, aquela calabresa, aquele torresmo, aquela azeitona me fez mal à beça… Jamais a culpa será da cachaça ou do uísque.

    3º) Boemia é como futebol, é ritmo de jogo, seqüência; se você a larga por uns dias, ela te pega na volta, mesmo que peças, suplicante, a tua nova inscrição.

    4º)A divisão do tempo da prosa, na mesa de um bar, deve obedecer ao seguinte critério: 50% sobre mulheres, 40% sobre futebol e 10% sobre as ressacas monstruosas, a nostalgia precoce das quedas. E que venham as próximas.

    5º) Procures sentar sempre nas primeiras mesas do botequim, se possível na calçada, pois todos os dias, alguma mulher irada sai de casa, revoltada com o consorte, e diz assim: “Hoje eu vou dar para o primeiro que encontrar”. Se bem colocado, o sorteado pode ser você, bravo boêmio.

    6º) Direito máximo do consumidor boêmio: desde que o freguês não se incomode com água e sabão nos pés, poderá ficar no recinto até a descida do portão de ferro.

    7º) É livre o “pindura”, data vênia, para fregueses com mais de cinco anos de casa, como reza a lei do usucapião.

    8º) Meu bar/meu mar… É permitido nadar no seco.

    9º) Andem sempre com o endereço e os seus nomes completos pendurados na correntinha do pescoço.

    10º) No país da impunidade, a saideira é como a lei, existe para ser desobedecida. Seu garçom faça o favor! Mais uma!

    Forte Abraço!

    • Dom Pablito disse:

      Grande Ary Queiroz.

      Como diria Roberto Carlos: “Que prazer, bicho!”. Nota-se pela sua sensibilidade que o poema veio em boa hora. Renove sua presença nesse “antro” de benfazejos, sempre que lhe aprouver.Esse tal de Robson é cria do oabelhudo. Ando negociando o passe dele em troca de Ariano Suassuna. A demora é somente a “torna” que tô pedindo. rsrsrsrsrsrs

      Valeu muito você aqui!

  3. valeria siqueira disse:

    lllliiiindddooooos adorei

  4. valeria siqueira disse:

    valeu amigo belos versos. Adooooorrreeeeii .

  5. WALTER JORGE DE FREITAS disse:

    Nelson Gonçalves, se vivo estivesse, teria completado 93 anos ontem. Você, Robson, está de parabéns por ter homenageado a BOEMIA, no dia do aniversário do cantor (E TAMBÉM BOÊMIO) que gravou o samba-canção A VOLTA DO BOÊMIO, que quase por acaso, transformou-se no hino oficial dos boêmios.

    VALEU!!!

    • Dom Pablito disse:

      Caro Walter.

      O amigo é do ramo e por isso tem tanto zelo pelas datas desses ícones, tipo Nelson e outros mais…Afora a boa coincidência, o nosso Robson foi felicíssimo na feitura dos versos. Também, formado nas mesas de bares e balcões de bodegas – (vide a de dona “Gulora”) não se podia esperar outra coisa dessa fera da poesia e do cordel.

      Há, aqui no blog, dezenas de bons trabalhos dele que podem ser pesquisados sem qualquer burocracia. Basta colocar o seu nome e clicar em PROCURAR. O que tiver, sai…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *