HOMENAGEM – IVANILDO MACIEL – 80 Anos de Vida e de Música. *

IVANILDO MACIEL DA SILVEIRA

 

80 Anos de Sonoridade Musical

 

 

Ivanildo Maciel em 1975, então integrante da Orquestra Dedilhada.


 

O Dicionário cravo Albin da Música Popular Brasileira tem catalogado o nome de muitos expoentes que compõem o seleto grupo de músicos, cantores, instrumentistas, em geral. Lá encontram-se os dados abaixo sobre esse sanharoense, nascido em 08 de agosto de 1932, filho de Francisco de Assis Maciel e de Maria de Lourdes da Silveira Maciel. Além de Ivanildo o casal teve outros 04 filhos: Ivonete, Luzinete, Rubem e Lídio.

Em 04 de outubro de 2009, esse blog postou uma entre homenagens que já prestou a esse musicista excepcional, da autoria do seu amigo, escritor e engenheiro Leonides Caraciolo.

Para iniciar a falar de Ivanildo Maciel, vejamos o que disse ao seu respeito o ex-deputado e ex-prefeito do Recife, Gilberto Marques Paulo:

“Um dia, famoso maestro veio ao Recife para fazer avaliação de alguns músicos, visando à formação de uma orquestra, diz Marques Paulo. Vários foram os candidatos e um verdadeiro festival de currículos: cada um mais rico do que o outro. Após os testes individuais, o maestro faz um pequena entrevista:

– O senhor estudou musica aonde?

– As respostas eram das mais esnobes. Eu estudei em Paris – dizia um, com o peito estufado.

Outro, com pele bem cuidada, cabelos esvoaçantes, caindo sobre a testa, falava, quase gritando, não só para o examinador, mas para toda a platéia: Eu estudei música em Viena. O desfile continuava: Nova Iorque, Amsterdan, Berna etc.

Chega a vez de um rapaz muito simples ser testado como clarinetista. Um show. Ele não apenas leu, com extrema facilidade a partitura, como fez variações. O maestro, impressionado, fez-lhe a pergunta chave:

– Qual o método que o senhor adota?

É o método de Sanharó, senhor, aprendido com o mestre Dudu.

Este episodio narrado por Gilberto Marques Paulo é revelador da simplicidade de Ivanildo Maciel, um talento musical extraordinário.
Toca bandolim,clarinete, flauta e saxofone. Professor de clarinete e saxofone no Conservatório Pernambucano”.

CRONOLOGIA

1950 – Sai de sua terra natal, Sanharó, e vai para o Recife, onde íntegra a Jazz Acadêmica de Pernambuco.
1955 – Muda-se para São Paulo. Atua em diversas orquestras na capital paulistana.
1956 – Volta para o Recife, entra para a Orquestra Paraguary da rádio Jornal do Commercio. No mesmo ano gravou com essa Orquestra na Mocambo o frevo “Barbosa Filho no Frevo”, de Guedes Peixoto.
1957 – Grava com a orquestra de frevos Mocambo, de Nelson Ferreira o frevo de sua autoria “Apavorado”.
1962 – Grava o primeiro disco, pela Mocambo, com os maxixes “O Gavião Calçudo” de Pixinnguinha, “O rebolado de Sinhá”, de sua autoria e Sacy, o baião “Crioulo”, de Moreira Filho e o maxixe “A chegada de Anba Lucia”, gravado individualmente e também com o seu conjunto. No mesmo período atua na TV Jornal do Commercio.
1963 – Muda-se para o Rio de Janeiro, onde integra a Banda do CORLO DE Bombeiro. Permanece no Rio de Janeiro até 1968 onde participa de diversas orquestras:Orquestra Arco Íris, Orquestra Maestro Carioca, Orquestra do Maestro Guio de Morais. E durante um ano atuou no Copacabana Palace.
1969 – Retorna ao Recife onde se torna o primeiro clarinetista da Orquestra Sinfônica do Recife. Ainda no Recife faz parte da Orquestra Armorial e como bandolinista, da Orquestra de Corda Dedilhada e com esta grava um LP pela Funarte, reeditado em CD e apresenta-se para o presidente Geisel no Itamaraty (Brasília).
1972 – Entra para o Conservatorio Pernambucano como professor de clarinete e saxofone.
1973 – Faz parte da Orquestra Armorial, sob a regência de Cussy de Almeida.
1975 – Com a Orquestra Dedilhada vai a Portugal e França.

Naquela oportunidade, nós, eu e meu enxerimento, achamos por bem de adicionar algo do nosso conhecimento e dissemos o seguinte:

Providencial e muito bom o feliz texto que Leonides nos brinda nesse domingo que se mostrava, tão enfadonho. Oabelhudo volta aos anos 80, quando o maestro Isaac Karabtchevsly, promoveu uma excussão da Orquestra Sinfônica Brasileira e na qual o nosso Ivanildo Maciel da Silveira, fazia parte, intregrando o naipe de clarinetistas. Ocorre que, em Florianópolis, o violonista adoeceu e isso iria causar um sério transtorno ao maestro, de vez que no programa constava uma peça de Paganini cuja introdução é feita em 08 compassos executados exclusivamente por um violão.

O que fazer? Foi aí que alguém lembrou-se de que na orquestra havia um instrumentista cuja notoriedade poderia assumir tal responsabilidade. Esse versátil musicista era nada mais, nada menos de que o nosso conterrâneo. Sem se fazer de difícil, mas, com muita humildade, respondera ao maestro Isaac que poderia não estar à altura do que ele esperava. Entretanto, aceitaria o desafio. Havia tempo apenas para um breve ensaio.

À noite, teatro Álvaro de Carvalho, completamente lotado, abrem-se as cortinas, silêncio absoluto. O canhão de luz focaliza um único músico: o nosso estimado Ivanildo Maciel, inicia-se o concerto como se fora um violonista afamado. Divinamente perfeito. Sola os oito longérrimos compassos (segundo ele mesmo me contou). Em seguida entra a orquestra e complementa toda a bonita peça clássica. É esse o “cara” que por esse e por muitos outros exemplos nos orgulha e nos fascina. Nunca esqueceu este nosso torrão natal.

Numa curta viagem à Paris, integrando o voo do frevo, a aeronave ao sobrevoar a Cidade Luz, ele olhou-a, encantado e pensou, falando alto: “até parece com a minha Sanharó!”. O estilista Marcilio Campos, não se conteve e perguntou: “mais o quê. Aqui tem gente de Sanharó. Oh lugar de gente enxerida! Todos caíram na maior gargalhada…

Biografia

Compositor. Instrumentista. Regente. Multiinstrumentista. Toca bandolim, clarinete, flauta e saxofone. Professor de clarinete e saxofone no Conservatório Pernambucano.

Dados Artísticos

Em 1950 mudou-se para o Recife onde foi integrante da Jazz Band Acadêmica de Pernambuco. Em 1955, mudou-se para São Paulo onde atuou em diversas orquestras.Em 1956 voltou para o Recife onde atuou na Orquestra Paraguary da Rádio Jornal do Comércio. No mesmo ano gravou com Orquestra Paraguary na Mocambo o frevo “Barbosa Filho no frevo”, de Guedes Peixoto. Em 1957 a Orquestra de Frevos Mocambo de Nelson Ferreira gravou de sua autoria o frevo “Apavorado”. Em 1962 gravou o primeiro disco, pela Mocambo, com os maxixes “O gavião calçudo” de Pixinguinha, “O rebolado da Sinhá” de sua autoria e Sacy, o baião “Crioula” de Moreira Filho e o maxixe “A chegada de Ana Lúcia”, gravado individualmente e também com seu conjunto. No mesmo período atuou na TV Jornal do Commercio. Em 1965 mudou para o Rio de Janeiro, onde integrou a Banda do Corpo de Bombeiros. Na lista de músicos dessa famosa Banda está lá o 3.098 – Ivanildo Maciel da Silveira. Permaneceu no Rio de Janeiro até 1968 onde participou de diversas orquestras: Orquestra Arco Íris, Orquestra Maestro Carioca, Orquestra do Maestro Guio de Morais. Durante um ano atuou no Copacaba Palace. Em 1969 retornou para o Recife onde se tornou primeiro clarinetista da Orquestra Sinfônica do Recife. Ainda no Recife fez parte da Orquestra Armorial e como bandolinista, da Orquestra de Cordas Dedilhadas. Com a Orquestra de Cordas Dedilhadas gravou um LP pela Funarte, reeditado em CD, do qual constam as composições “Adeus dedilhadas”, composta em parceria com João Lyra, e “Marcelinho no frevo”. Em 1989 Orquestra Rio de Violões regravou “Marcelinho no frevo”

Obras

A chegada de Ana Lúcia
Adeus dedilhadas (c/ João Lyra)
Apavorado
Gilson no choro
Marcelinho no frevo
O rebolado da sinhá (c/ Sacy)

Discografia

(1962) O gavião calçudo/O rebolado da sinhá • Mocambo • 78
(1962) A chegada de Ana Lúcia • Mocambo • 78
(1962) Crioula/A chegada de Ana Lúcia • Mocambo • 78
(1962) Mambo quente/Gilson no choro • Mocambo • 78

No link abaixo outra homenagem do oabelhudo.

http://oabelhudo.com.br/?p=12296

* Fontes: oabelhudo/Leonides Caraciolo/Dicionário Cravo Albin.

Compartilhe esse texto com seus contatos:

13 Responses to HOMENAGEM – IVANILDO MACIEL – 80 Anos de Vida e de Música. *

  1. fernando santana disse:

    Parabéns, pela riquíssima homenagem a esse ilustre conterrâneo, homem humilde de coração BOM!musicista de grande categoria, que orgulha à todos nós sanharoenses!!!

  2. ARTUR disse:

    Onde posso encontrar o CD que contém a musica “o rebolado da sinhá “ gravado em LP em 1962 por IVANILDO MACIEL E SACY e que atualmente, foi provavelmente, regravado em CD em homenagem aos 80 anos de vida e música de IVANILDO?

    • Dom Pablito disse:

      Caro Artur. Vou repassar a sua pergunta ao filho de Ivanildo (Ivanildinho) que certamente poderá responder. O blog agradece pela sua participação.

  3. Ivanildinho disse:

    Paulinho, em nome da nossa família agradecemos a belíssima homenagem. Tenho muito orgulho de ser filho desse ícone.

    • Dom Pablito disse:

      Caro Ivanzinho. Ainda faltou dizer muito mais desse grande artista da música, Ivanildo.Vamos em frente. Quem sabe você queira fazer um trabalho bibliográfico sobre o seu mestre e nosso maestro.

  4. Carlos Elder disse:

    Paulinho,
    Homenagem mais do que merecida ao grande músico e pessoa!!!
    Destaco o CD com solos de bandolin que ele gravou, bem como a música “Marcelinho no Frevo”, de sua autoria. Merece a medalha de ouro!!!
    Abraços,

  5. Fernando Geraldo Freitas disse:

    Parabéns, Paulinho, pela linda e justa homenagem ao GRANDE MESTRE de quem sou fã incondicional, assim como dos seus filhos. Aliás, aproveito o ensejo para agradecer-lhe pelo valioso presente que me deu. Agora posso dizer que sou proprietário de uma obra de arte intitulada “VALSAS BRASILEIRAS”? (Corrija-me, por favor, se por acaso não for esse o título),de autoria desse ícone IVANILDO MACIEL DA SILVEIRA. Mais uma vez, obrigado!

  6. Fernando Geraldo Freitas disse:

    Parabéns, Paulinho, pela linda e justa homenagem ao GRANDE MESTRE de quem sou fã incondicional, assim como dos seus filhos. Aliás, aproveito o ensejo para agrader-lhe pelo pelo valioso presente que me deu. Agora posso dizer que sou proprietário de uma obra de arte intitulada “VALSAS BRASILEIRAS”? (Corrija-me, por favor, se por acaso não for esse o título),de autoria desse ícone IVANILDO MACIEL DA SILVEIRA. Mais uma vez, obrigado!

  7. Joel Bezerra Lêdo disse:

    Paulinho:

    A lembrança enviada por E-mail, talvez, tenha sido preciptação minha, pois, tinha certeza, que voçê iria postar alguma coisa sobre o mesmo. Ontem, estivemos reunidos com seus familiares no “Macunaíma” e prestamo-lhes uma homenagem.Talvez, amanhã estaremos presente na Seresta no Empório, oportunidade em que, poderemos fazer outra homenagem ao garotinho.

    • Dom Pablito disse:

      Caro Joel. Quando fizemos a postagem foi exatamente às 23:59 hrs. Quase que perdia a data real. Valeu a homenagem o garotinho do placar merece…

  8. WALTER JORGE DE FREITAS disse:

    O Blog está de parabéns pela bonita e merecida homenagem. Estive presente numa oportunidade em
    que ele foi homenageado no Teatro de Santa Isabel.
    Foram momentos de grandes emoções para Ivanildo e para os seus amigos. VALEU!

  9. Paulinho, parabéns pela grande homenagem ao nosso querido sanhadorense IVANILDO MACIEL. Tive a oportunidade, entre outras, de vê-lo atuando com maestria os seus instrumentos musiciais, ao lado do nosso saudoso Tonhé. É justa essa homenagem quando IVANILDO chega aos 80 ANOS. Ivanildo Maciel, é uma das reservas morais de SanHaró e da nossa região, tanto quanto no sentido musical. Como homenagem e em reconhecimento a esse Homem de tantos talentos, estou colocando essa reportagem do OABELHUDO no mural do meu facebook. Parabéns, IVANILDO!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *