Daily Archives: 9 de janeiro de 2013

(Homenagem) – Do Baú do “Prefeito” da Casa do Estudante de Pernambuco – Por Leonides Caraciolo*

FESTA DA MOCIDADE

Festa da Mocidade. A principal renda, á época, da Casa do Estudante de Pernambuco.

Festa da Mocidade. A principal renda, á época, da Casa do Estudante de Pernambuco.

 (Publicado em 14 de setembro de 2009)

 

A FESTA DA MOCIDADE constituía o evento de entretenimento popular de fim de ano do Recife, com o melhor parque de diversão do Nordeste. Era uma promoção da Casa do Estudante de Pernambuco, no Parque 13 de Maio, onde a geometria dos amplos jardins favorecia a sua realização. A primeira festa realizou-se em 1936, sob a presidência do acadêmico José Braz de Lucena, o segundo presidente da CEP. Tronou-se com o tempo uma tradição consagrada pela população, não só do Recife, mas de todo o Estado. A sua receita liquida dava para complementar a manutenção de quase um semestre da Casa. Era um acontecimento tão marcante que na solenidade de abertura contava com a presença do governador do Estado. O jornal n° 30, ano III da ACEP publica uma foto em que vemos o Governador Cordeiro de Farias na solenidade de abertura do evento estudantil. O livro; As Vinhas da Esperança – Memórias de um Xepeiro, de Waldênio Porto traz uma foto do Governador Agamenon Magalhães na primeira fila do teatro da Festa.
O ex-xepeiro Walter Ramalho, da Academia Pesqueirense de Letras e Artes, em artigo para ACEP-notícias, escreve “Toda a cidade falava na promoção (da Festa da Mocidade), muita gente do interior que vinha à Capital a lazer ou a negócios, trazia em seu programa já delineado uma visita à festa, a tentar gozar o que ali tinha de melhor: os parques de diversões sempre com alguma novidade como o tira-prova, os jaus enormes, o polvo, além daqueles brinquedos já consagrados: as barracas de guloseimas e de prendas; o teatro, onde se apresentavam as companhias de revistas com as mais celebres vedetes e rainhas do rebolado do Sul, contratadas pelos próprios xepeiros que, por conta disso, não deixavam de tirar a sua lasquinha”.

O êxito dessa promoção foi de tal porte que atraiu a atenção da Casa do Estudante do Brasil, cuja direção enviou representantes para observá-la e levar a experiência para o Rio de Janeiro.
Não se pode falar da Festa da Mocidade sem que a ela não se associe o nome de Gaspar Regueira Costa que, ao lado de Livino Virgínio Pinheiro e Lourenço Barbosa – Capiba, com a sua Jazz Banda Acadêmica e outros mais, contribuíram de forma notável para construção do Edifício da CEP e consolidação da Casa como instituição.

Conheci esse cidadão extraordinário que foi Gaspar Regueira Costa, já como empresário da Festa da Mocidade e proprietário do Parque Shangai, do qual era diretor técnico e sócio, o espanhol Angel Arrilaga. O Shangai também fazia as festas das Neves em João Pessoa e Círio de Nazaré em Belém do Pará entre outras praças do Norte e Nordeste. Havia entre alguns xepeiros de oposição um ambiente de restrição a Gaspar, tanto assim que quando fui candidato à presidente da Casa, fiz constar no programa de trabalho um item que fazia referência a uma nova orientação para a XXIV Festa da Mocidade, apenas com o intuito de dar uma satisfação àquele segmento eleitoral de oposição. Mas, posteriormente, constatei que Gaspar não merecia qualquer tipo de restrição. Sempre demonstrou simpatia e amor pela CEP, da qual foi presidente, realizando uma das brilhantes administrações. Ele sabia conciliar muito bem os dois lados: o do ex-xepeiro e o do bom empresário, que era. Nunca percebi nele como empresário uma atitude menos digna ou lesiva aos interesses cepianos. Fazia suas propostas de exploração da Festa da Mocidade com clareza e dignidade, cumprindo á risca o que era pactuado. Faço este registro por uma questão de justiça. Tenho nos meus arquivos uma cópia de uma proposta apresentada por Gaspar, quando eu estava na presidência da Casa, para realização, em conjunto das XXV Festa da Mocidade e da Feira Nacional de Amostra. A Feira, também era um evento idealizado por Gaspar, sob o patrocínio da CEP, que não obteve o sucesso e a duração da sua congênere. Foi muito efêmera.

A FESTA DA MOCIDADE realizava-se no coração do Recife no Parque 13 de Maio, construído pelo prefeito Novais Filho, com apoio do interventor Agamenon Magalhães, para a realização do III Congresso Eucarístico Nacional, em 1938, evento que contou com a presença de cardeais, arcebispo e bispo de todo pais e de representante do Vaticano, sendo o arcebispo de Olinda e Recife, Dom Miguel de Lima Valverde. Na época o Parque 13 de maio era um dos espaços verdes mais agradáveis e bucólicos do Recife.

Enquanto a FESTA DA MOCIDADE se realizou no Parque 13 de Maio sempre foi coroada de pleno êxito, entrando em decadência até a sua extinção total, após um quarto de século, quando se mudou o local do evento para o subúrbio de Casa Amarela. A mudança deu-se sob o patrocínio do Estado, alegando que iria precisar daquela área e que dotaria a Casa do Estudante de Pernambuco de subsídios específicos para a sua manutenção. Isso ficou na promessa e a Casa perdeu a sua maior fonte de renda.

Estive na Comissão Organizadora da festa por duas vezes, primeira como um dos seus membros, em 1961, e a segunda como presidente em 1962 em decorrência de ser presidente da Casa.
Para um estudante pobre e oriundo de uma pequena cidade do Estado, presidir a Festa da Mocidade foi uma experiência valiosa e estimulante. Além dos problemas corriqueiros da administração da Festa, vi-me envolvido em questão deveras complexas. Um delas foi que, por força contratual, teria de opinar na escolha do espetáculo a ser apresentado no teatro da Festa. O teatro, segundo a descrição de Waldênio Porto, era todo feito de madeira, por um carpina chamado Ascendino, que morava para os lados da rua Imperial. Tem uma parte coberta e com cadeiras. É separado da outra, sem teto, por baixo cerca. Aí se assiste de pé”.

Para manifestar a concordância da CEP na escolha do espetáculo a ser apresentado em 1962 na Festa da Mocidade, viajei ao Rio de Janeiro e a São Paulo, acompanhando Gaspar e seu assessor Walter de Oliveira, expert no assunto. Foi graça a essa viagem que o Recife viu pela primeira vez, em espetáculo, mulheres com os seios descobertos. Era o teatro de revista de Walter Pinto, com a peça Tem Bububu no Bobobó, a sensação do momento no eixo Rio/São Paulo. As coristas formavam um elenco de mulheres novas, lindas e de seios rígidos e bem esculpidos. A vedete central do espetáculo era uma argentina de arrebentar corações, que deixava a platéia de queixo caído, principalmente a primeira fila do teatro, que era ocupada de graça por xepeiros, em virtude de cláusula contratual. Os ingressos para essa primeira fila, nem é preciso dizer, eram disputadíssimos, pois, os xepeiros além de assistir mais de uma vez o espetáculo, levavam amigos e familiares procedentes do interior.

O importante da FESTA DA MOCIDADE era a sua renda liquida, a principal fonte de receita da CEP para a sua manutenção, sendo que o maior percentual proviam dos jogos de azar, dentro destes o bingo proporcionava mais da metade dessa receita. Escolhia-se um diretor do bingo que fazia toda fiscalização e nomeava os seus auxiliares, na minha gestão, designei o colega Mário Lafaiette, sertanejo de Monteiro-PB.
Constituía sempre um problema obter-se a licença para o funcionamento das barraquinhas de jogo. Todos os anos, formava-se uma comissão para conseguir do Secretário de Segurança Púbica, do Estado, a autorização para o livre funcionamento dos jogos. No ano em que fui presidente fez-se necessário falar diretamente com o Governador que era na época Cid Sampaio, que aceitou a nossa argumentação e autorizou a instalação das barracas de jogos no recinto da Festa. A nossa argumentação baseava fundamentalmente em que a FESTA DA MOCIDADE já se tornara uma tradição de fim de ano no Recife, com suas inocentes barraquinhas, e que sua renda se destinava para a manutenção da Casa do Estudante de Pernambuco.
Para segurança da Festa e, em particular, para garantia dos jogos, o policiamento ficava sob o comando do sargento Marcha Lenta, amigos dos xepeiros, que a Comissão da Festa sempre pedia a sua designação.

NOTA DO BLOG

O nosso estimado colaborador traz à baila um dos maiores eventos públicos dos anos 50 e 60 na cidade do Recife – A Festa da Mocidade. Quem a viu certamente reconhece nesses seus escritos, visto através de um  caleidoscópio, a grandeza da festa e suas nuances. Onde corria solto o biriba e o 21, também era um leito de cultura com peças teatrais de dramas, humor e música. Ora, como conter o ímpeto de tantos xepeiros de olhos abuticados nos seios nus  e empinados das coristas sulistas e as suas desenvolturas? Quantos de nós somente conhecemos a festa de passagem, quando muito.  O parque 13 de maio está lá como a querer comprovar que por ali desfilaram jovens que mais tarde se tornaram homens importantes nas mais diversas funções e atividades. Obrigado Leonides. É, sem dúvida, mais uma excelente contribuição aos nossos fiéis leitores.

Leonildes Caraciolo - p

* LEONIDES DE OLIVEIRA CARACIOLO – Ex-Presidente da Casa do Estudante de Pernambuco, Engenheiro Civil, Escritor, Membro das Academiasde Letras e Artes de Pesqueira e de Belo Jardim. É um grande colaborador do blog.

Postado por Dom Pablito

BRASIL / POLÍTICA :Eduardo Campos baixará tom das críticas ao governo Dilma*

 

Aparentemente está tudo bem. Dilma sabe das intenções de Eduardo...

Aparentemente está tudo bem. Dilma sabe das intenções de Eduardo…

 

Apesar de continuar trabalhando para viabilizar sua candidatura à Presidência da República em 2014, o presidente do PSB e governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PE), deve baixar o tom das críticas que tem feito à política fiscal do governo federal.
Mesmo sendo entusiastas da candidatura própria, governadores e prefeitos do PSB não querem se indispor, por ora, com o Palácio do Planalto, de quem dependem para conseguir dinheiro para obras e programas, além de renegociação de dívidas. Pelo menos em 2013.

O PSB permanece na base aliada, ocupando dois ministérios, enquanto avalia as chances de uma candidatura própria em 2014. Neste cenário, Campos faz um jogo de morde e assopra em relação à presidente Dilma Rousseff, que ontem voltou a Brasília, depois de passar 12 dias de férias na base naval de Aratu, em Salvador. Dilma, por sua vez, corteja o aliado e seu partido, na tentativa de convencê-los a desistir da ideia de enfrentá-la nas próximas eleições.

Nesse cortejo, Dilma nem sempre acerta. No mês passado, sondou o governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), sobre a volta de seu irmão, Ciro Gomes, para a Esplanada dos Ministérios. Ciro ocupou a pasta da Integração Nacional no governo Lula e gostaria de ir para o Ministério dos Transportes, atualmente com o PR. A eventual entrada de Ciro na equipe de Dilma é considerada uma afronta por Campos. A relação do presidente do PSB com os irmãos Gomes é péssima desde que Campos implodiu a pré-candidatura presidencial de Ciro, em 2010.

Seria uma declaração de guerra para o Eduardo — diz um integrante do PSB, pertencente ao grupo de Campos.

O governador de Pernambuco havia adotado, desde o final de novembro, um discurso crítico à política de desonerações promovida pelo governo federal, que tem impacto na receita de estados e municípios. Além de criticar o governo por lançar mão de instrumentos que não seria mais eficazes para aquecer a economia, ele vinha atacando a forma como o governo implementou sua política de desonerações, privilegiando setores e regiões do país.

Diante do ensaio de voo solo de Campos, Dilma tem feito um esforço para se aproximar do aliado. Ela o recebeu para jantar no Palácio da Alvorada, no início de novembro, logo após as eleições municipais, quando PT e PSB romperam a aliança em Recife e em Fortaleza. Repetiram o encontro em almoço no último sábado, em Salvador.

Apesar do esforço de Dilma, Campos se ressente de não ter com ela uma relação próxima como tinha com Lula. O governador de Pernambuco queria ter sido ouvido, por exemplo, sobre a redistribuição dos royalties do petróleo. Mas esse não é o estilo de Dilma, conhecida pela centralização das decisões e pela falta de gosto pela política.

Se, por um lado, pretende evitar críticas ao governo federal, Campos usará este ano as propagandas regionais de seu partido na televisão, em todos os estados, para nacionalizar seu nome.

*Fonte: (O Globo)

JORNAL DO OABELHUDO – Panorama Geral (A Posse e Outras Notas)

SITUAÇÃO ATUAL DA BARRAGEM DO BITURY

PREOCUPA A TODOS NÓS

Barragem do Bitury em foto atual de Avanildo Valentim

Barragem do Bitury em foto atual de Avanildo Valentim

 

POSSE DE PREFEITO, VICE E VEREADORES

 

Prefeito  Fernandinho e a sua esposa Aurineide e o vice Artur com maria Luzia.

Prefeito Fernandinho e a sua esposa Aurineide e o vice Artur com maria Luzia.

Prefeito Fernandinho Fernandes e o seu discurso de posse.

Prefeito Fernandinho Fernandes e o seu discurso de posse.

Vice-prefeito Artur Guimarães quando discursava na sessão de posse.

Vice-prefeito Artur Guimarães quando discursava na sessão de posse.

Transcorreu no acanhado recinto da Câmara de Vereadores de Sanharó – Casa Severiano de Assis Aquino, a posse dos eleitos no pleito de 7 de outubro. Prefeito Fernando Edier de Araújo Fernandes, vice-prefeito Artur de Oliveira Guimarães Neto e dos 11 vereadores: Ary Sergio, Taciana, Ricardo Didier, Dezo Almeida, Adriano, Luciano Fernandes, Paulinho Valentin, Vinicius Barros, Antonio Holanda e Yuri Brito.

Vereadores no momento da posse.

Vereadores no momento da posse.

Diferentemente das demais câmaras, a de Sanharó, privilegia o vereador mais idoso para dar posse aos demais. Sendo assim, Antonio Holanda foi quem presidiu a cerimônia e cumpriu o Regimento da casa.

Na falta de um cerimonial, o evento foi tocado na base do improviso. Só havia uma cópia do que se podia chamar de roteiro e abriu-se mão do locutor. Antonio Holanda, talvez por nervosismo ou desatenção, atrapalhou-se muitas vezes. Dos 11 vereadores, 8 discursaram. O correto seria um da situação e outro da oposição. É assim em lugar quando se organiza esse tipo de evento.

A eleição da Mesa foi num clima de cordialidade. Aliás, cordialidade até demais. Estranhei o fato dos três vereadores que se dizem “de oposição”, votarem no candidato indicado pela situação. Esse tipo de unanimidade já está comprovado, não leva absolutamente a nada. Vide o último pleito da câmara. Creio que os oposicionistas deveriam ter marcado posição, mesmo perdendo. Deixaram passar uma boa oportunidade e se não fosse o discurso do vereador Lielson, teriam sido confundidos com os “da casa”.

O vereador Ricardo Didier, titubeou. Instigado a falar, amarelou e quando resolveu, o presidente já havia encerrado a sessão.

Não entendi, também, o porquê de não ter havido a Transmissão de Cargo entre o prefeito que saía e que entrava. Ora, isso não é conveniência, é norma ou praxe.

Prefeito Cesar Freitas no seu discurso de despedida. Precaução!

Prefeito Cesar Freitas no seu discurso de despedida. Precaução!

 PRECAUÇÃO

O prefeito Cesar Freitas fez seu discurso de despedida e teve o cuidado de fazer um reparo, devido às palavras do vereador Ary Sergio, quando alertou para Fernandinho, sobre as “graves dificuldades que lhe aguardavam, devido á escassez de recursos”. Na sua fala, Cesar chamou a atenção para dizer que o município era “perfeitamente governável” e que se “problemas existissem seriam de natureza conjuntural e não de herança que estivesse ele deixando...”

Em seguida falaram o vice e o prefeito, ora empossados, prometendo muita união e zelo com o trabalho e o erário.

Panorâmica do recinto da Câmara na hora da posse dos vereadores.

Panorâmica do recinto da Câmara na hora da posse dos vereadores.

RESUMO DA ÓPERA

Tirando o excesso de informalidade e os vexames dados na condução dos trabalhos, somente uma coisa há de se considerar pior: a falta do Hino Nacional Brasileiro. É inadmissível que numa cerimônia dessa envergadura, não se execute o nosso Hino.

SECRETARIA DE SAÚDE E O CONSTRANGIMENTO

Habituada a não respeitar e nem acatar ordens do irmão, então prefeito, a ex-secretária de saúde, não foi muito acolhedora com o novo secretário – Pedro Marinho. Além de não repassar as tarefas como deveria, apenas determinou a uma subalterna que o fizesse. O que mais constrangeu foi o fato de dizer que “a chave da secretaria ficará na casa de mamãe, quando quiser é só ir lá apanhar”. O novo secretário aturdido com a receptividade, procurou e novo prefeito que de imediato foi à secretaria e fez o seguinte: determinou que a chave ficasse com o secretário ou pessoa por ele indicada e mais; mandou trocar todas as fechaduras. Resumindo: “manda quem pode, obedece quem tem juízo”.   

 

FESTA DO BECO

 

Mais um ano de grande festa. Sob a coordenação dos irmãos: Artur, Lindberg e Linconl, a Festa do Beco de 2012, sobrou de alegria. Louve-se o esforço dos coordenadores que se esmeraram em arregimentar um bom número de patrocinadores e com isso, proporcionaram uma festa e tanto. O número de participantes beirou os 100 e o velho Beco ficou deveras congestionado, mais alegre e feliz. Para 2013 o “major Benito e o “sargento Joelson escolheram um novo trio: Ledinho – Domingos Sávio Mascarenhas Lêdo, Bambino – André Richarde Soares Muniz e Diego de Chico – Diego França Freitas.

 Por falar nos “bombos” notei que são os novos manda-chuvas nas hostes da câmara de vereadores.

ANIVERSÁRIO DE LUZIA

No sábado, 05, Luzia e Artur receberam amigos e familiares para a comemoração do aniversário de Luzia. Maria Luzia de Brito Guimarães. Noitada alegre, serviço impecável, como de praxe e tome música e bebidas até a madrugada. Ausentes os dois filhos do casal – Léo e Arturzinho abriram um vácuo com a falta dos jovens no ambiente. Foram escassos, mais foram bem representados pelos menos jovens que levaram o seu caloroso abraço a aniversariante. Linda a “declaração de amor” de Artur quando cantou a música – Como é Grande o Meu amor por Você.

Valeu mesmo! Para o ano tem mais…

CARNAVAL DE SANHARÓ

Gente, o carnaval vai ser daqui a trinta dias. O tempo é curto e a exigência tem que ser menor ainda. Duas coisas para chamar a atenção dos organizadores: o banho de bica. Não há a menor razão de acontecer. Chega de desperdício! O tempo é de absoluto cuidado com gasto de água. Estamos entrando numa fase cruel e, salvo a chegada de muita chuva, essa “ação” teria que ser descartada.

A outra é estabelecer uma melhor racionalidade na quantidade de atrações no palco principal. Poderia haver um rodízio e com isso contemplar bairros da periferia.

Ainda não ouvi falar no famoso Baile Municipal. Creio que haverá e a expectativa é muito grande.

 

A PARTIDA DE ZEZITO (Alecrim)

laço de luto

 

Semana passada recebi um telefonema de Artur Guimarães convidando-me pra irmos ao enterro de Zezito. José Francisco Batista, aos 69 anos finalmente, descansou de uma longa e cruel enfermidade. Resistiu o quanto pode.

Zezito, para os mais jovens, foi um grande craque do nosso Grêmio Lítero Esportivo de Sanharó. Jogava muito e calado. Quase mudo. De nada reclamava e corria como poucos. Foi titular do grêmio por muitos anos. Jogou ao lado dos nossos grandes craques e atravessou muitas gerações. Não recordo se já foi expulso de campo, seja por qualquer motivo. Era combativo e viril mais era leal. Resmungava em campo, mais era incapaz de travar discussão com quem quer que fosse. Parou de jogar muito tarde. Era primo de Tixa, outro gigante dessa nossa famosa equipe.

Lamentei não ver a Bandeira do grêmio cobrindo seu caixão. Gostaria de chamar a atenção da atual diretoria do grêmio, sempre atenta aos seus grandes ídolos, para que sempre seja escalado alguém para acompanhar nossos heróis, principalmente, nessas horas tão angustiantes, mais que têm um simbolismo muito especial.

Aos familiares de Zezito, o nosso especial apreço.

 

Oscars-2013

 

Filmes cotados para o Oscar 2013: Veja a lista

Dois meses antes da cerimônia do Oscar de 2013, a BBC mostra que filmes têm maiores chances de conquistar o prêmio máximo e avalia suas chances de faturar estatuetas em outras categorias.

Pelas regras da Academia de Filmes e Artes e Ciências até dez filmes podem ser inscritos como finalistas para a categoria de melhor filme, quando as demais indicações forem anunciadas, no próximo dia 10 de janeiro.

Leia matéria completa na BBC Brasil.

Os piores filmes de 2013. Veja lista

 

Apesar de sucessos como ”Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge” e ”Os Vingadores” , o cinema amargou alguns fracassos em 2012. Seja pela bilheteria abaixo do esperado ou pelas produções de gosto duvidoso, alguns filmes simplesmente não decolaram. Veja relação completa no IG cinema

iG compilou os 13 piores filmes do ano. iG São Paulo

Veja relação completa no IG cinema

 

Fóssil de Dinossauro é encontrado em Pesqueira

Osso retirado do Fóssil...

Osso retirado do Fóssil…Achado em Mutuca(Pesqueira)

Agricultores com Ossos do que se pode prever sejam de animais pré-históricos.

Agricultores com Ossos do que se pode prever sejam de animais pré-históricos.

 

 

Pesquisadores da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) encontraram no distrito de Mutuca, a 18 quilômetros de Pesqueira, um fóssil de mais de 70 milhões de anos que pertence a um dinossauro carnívoro da família dos megalosauros (grande réptil). Os estudiosos acreditam que a peça é considerada a primeira evidência de que répteis deste grupo viveram também no Brasil.

O fóssil, pedaços de ossos que compõe o crânio e membros inferiores, foi achado por moradores de um sítio das redondezas que, amedrontados, avisaram a pesquisadores da universidade. Mas a conclusão da análise do fóssil ainda não foi divulgada, e partes do achado serão levados para os laboratórios.

O fragmento foi encontrado na região do município de Pesqueira, a 214 quilômetros do Recife, no pequeno distrito de Mutuca. Situada numa região montanhosa, a área já foi estudada por biólogos e estudantes de paleontologia, mas até hoje nada tinha sido encontrado.

A região, segundo moradores e curiosos do assunto, pode conter área repleta de sedimentos como fósseis de dinossauros, de mamíferos e outros répteis pré-históricos.

As informações ainda não são precisas, mas as famílias dos pequenos agricultores que vivem em Mutuca afirmam “nunca terem visto coisa igual”.

Fruto da imaginação de alguns e do trabalho sério de técnicos da área, o fato é que muitas pessoas já se dirigem ao local para ver os fósseis do “Dinossauro de Pesqueira”.  

*Fonte: REDAÇÃO INFORME PE (Flávio J Jardim)

Congresso entrega-se à preguiça – por Everardo Maciel

 

Impressiona muito o contraste entre a atitude assumida, neste final de ano, pelos congressistas norte-americanos e brasileiros.

Lá, os parlamentares se dispuseram a trabalhar, ininterruptamente, no mês de dezembro, (inclusive no dia 31) e em 1º de janeiro, buscando uma saída para o chamado “abismo fiscal” (fiscal cliff), com elevado potencial de efeitos perversos sobre o nível da atividade econômica mundial.

Ainda que não se tenha logrado uma solução definitiva para a complexa combinação de corte de gastos e de impostos, o episódio valoriza a responsabilidade dos parlamentares e, sobretudo, a capacidade de negociação entre o Executivo e o Legislativo daquele país, sob a égide do consagrado princípio da harmonia e independência dos poderes.

LEIA A ÍNTEGRA DO ARTIGO:

Congresso entrega-se à preguiça, por Everardo Maciel

Everardo de Almeida Maciel

 

*Autor: Everardo Maciel, pesqueirense é ex-secretário da Receita Federal

 

 

Juíza Vera Müller: “No Brasil,

pensamos que só a cadeia resolve”

A juíza aposentada Vera Regina Müller, uma das pioneiras no Brasil na defesa de penas alternativas. Foto: Sergio Amaral/CartaCapital

A juíza aposentada Vera Regina Müller, uma das pioneiras no Brasil na defesa de penas alternativas. Foto: Sergio Amaral/CartaCapital

 

A juíza aposentada Vera Regina Müller é uma das pioneiras no Brasil na defesa de penas alternativas. Apaixonou-se pelo tema no início da década de 1980, quando conheceu a realidade britânica: de cada cem penas aplicadas no Reino Unido, 80 são alternativas. Müller implantou penas alternativas no Rio Grande do Sul, sua terra natal, em 1985. Em 2000, faria o mesmo na Central Nacional de Penas e Medidas Alternativas (Cenapa) do Ministério da Justiça, que comandou no fim do governo de Fernando Henrique Cardoso.

Com o julgamento do “mensalão”, mais do que nunca o debate sobre as penas alternativas volta à tona, mas o assunto guarda duas ironias: se o governo do PSDB foi o responsável por tê-las implementado no País, não deixa de ser, no mínimo, curioso que o partido agora defenda, com unhas e dentes, o encarceramento dos condenados.

Por outro lado, o PT, que gostaria de ver José Dirceu, José Genoino e outros colegas de partido cumprir penas alternativas, em vez de presos, diminuiu a verba federal para o setor nos últimos anos. A juíza explica sua visão do tema na entrevista abaixo:

“No Brasil, pensamos que só a cadeia resolve”

A ÁGUA E O SEU APROVEITAMENTO

Rio Jordão. Águas batizaram Jesus e hoje  alimentam os canais que atendem ao povo judeu.

Rio Jordão. Águas batizaram Jesus e hoje alimentam os canais que atendem ao povo judeu.

Rio Jordão – Se o governo federal tivesse se inspirado em Israel, já teria coberto há muito tempo toda a região Nordeste com adutoras. O país está encravado no meio de um deserto e o seu índice de precipitação pluviométrica é mínimo: 200 milímetros por ano. Mesmo assim sua população não sofre com a falta d’água porque todo o país é irrigado com água do rio Jordão.(Inaldosampaio)

DINHEIRO SOBRANDO

O festaço – A crise que aflige as pequenas prefeituras não chegou, felizmente, à de Gameleira, pobre município da Mata Sul. A nova prefeita Yeda Augusta Santos Oliveira (PTB) contratou 12 bandas para as festas do mês de janeiro a um custo total de R$ 420 mil. Só com Forró do Muído, Mastruz com Leite, Limão com Mel e Forró dos Plays a prefeitura gastará R$ 237 mil.

FAZENDA MANDA FECHAR COLETORIAS

O Secretário da Fazenda, Paulo Câmara, fechou as coletorias de Santa Maria da Boa Vista, São José do Egito, Limoeiro, Pesqueira, Bezerros, Lajedo, Escada e Igarassu porque elas não serviam mais. Os servidores não tinham o que fazer porque o contribuinte pode realizar seus negócios pela internet. (Folha de Pernambuco)

Dom Pablito

Editor Geral