Crônica: NOSSAS EXPECTATIVAS – Por Walter Jorge de Freitas*

 

 

Nós, brasileiros, somos por natureza um povo sonhador. Mal acabamos de emplacar o ano de 2013, já começamos a alimentar novos sonhos e novas esperanças.

Os habitantes do Estado do Rio de Janeiro, abatidos por mais uma catástrofe, esperam por medidas capazes de minimizar seu sofrimento, mesmo sabendo que seus governantes são incapazes e insensíveis.

Os paulistanos, por sua vez, sonham com uma São Paulo livre das inundações e da violência urbana que lhes tiram a vontade de viver. O poder público, para variar, não está nem aí.

O recifense, não é de hoje, almeja morar em uma cidade limpa, menos violenta, com seus morros bem protegidos e desfrutando da tal mobilidade urbana tão prometida ao longo dos anos.

O pesqueirense, para não ser diferente, inicia o ano depositando suas esperanças na experiência do Dr. Evandro que pela terceira vez recebe a incumbência de governar o nosso município. Diante do acúmulo de problemas, ele e seus auxiliares devem eleger os mais urgentes e começar a agir em caráter emergencial.

Na nossa modesta opinião, seria oportuno criar uma comissão suprapartidária e sob a sua liderança, procurar ter um encontro com o governador Eduardo Campos, a fim de fazer algumas reivindicações e até cobranças, pois como se sabe, muito do que foi prometido, seja em campanhas ou em visitas oficiais, ainda não saiu do papel.

Estamos plenamente de acordo com aqueles que acham que o prefeito começou a sua administração de forma muito discreta e, como se diz nos meios futebolísticos, até meio-sonolenta. Deveria ter adotado medidas de impacto, pois existem mazelas que se não forem combatidas de imediato, correm sérios riscos de se institucionalizarem, o que sem dúvida, dificultará cada vez mais a sua solução.
Juntamo-nos à parcela da população que torce por uma equipe de governo mais enxuta, moderna, coesa e eficiente. Se Isto não ocorrer, dificilmente sairemos da situação em que nos encontramos.

Walter Jorge Freitas

 

Pesqueira, 21 de janeiro de 2013.

*Autor: Walter Jorge de Freitas/Comerciante, escritor, cronista e compositor.

Compartilhe esse texto com seus contatos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *