Livro/Homenagem : Famílias Pinto Bezerra & Foerster/Descendências – Por Paulo Elias Cordeiro Foerster *

O nosso passado está escrito,
jamais poderemos corrigi-lo.

 

Capa-do-livro-1-paulinho-Foersterdigitalizar0001-e1343776813183

 

 

 

Descendência de Joaquim e Águeda

 

Joaquim Pinto Bezerra,. casado com Águeda Maria da Conceição, eram pais de:

F.1.Manoel Pinto Bezerra
F.2 Antonia Pinto Bezerra
F.3 Maria Pinto Bezerra
F.4 Elisa Pinto Bezerra
F.5 Olindina (Olinda) Bezerra Pinto
F.6 Firmina Pinto Bezerra.

F.1 Manoel Pinto Bezerra

Casado com Maria Avelina Cavalcanti, sempre residiram em Pesqueira, porém há registros dele morando na rua Comendador João Alves em Sanharó, nos anos 1924/1925, período em que suas filhas Raimunda, com 8 anos e Maria da Glória com 7 anos, frequentaram a Escola Pública Estadual Mista de Sanharó. Não resta dúvida que Manoel Pinto é a personagem mais contraditória deste ramo familiar.

Rompia tradições e costumes da época, pessoa desprendida, sem apego aos bens materiais, e que procurava viver o presente sem se preocupar com o futuro. Era comum, nos últimos anos de vida, se deslocar a pé de Pesqueira para Sanharó, Divisão e para fazenda Queimada da Onça em Arcoverde a fim de visitar as irmãs. Faleceu Manoel Pinto em 05.01.1954 nos braços do seu sobrinho Paulo Foerster, por quem tinha um carinho todo especial. Naquela época o filho Joaquim dava-lhe o necessário desvelo de que era necessário.

N1. 1 Joaquim Pinto Neto

A presente biografia é de autoria de Djair Pinto Bezerra.

Chegou à Pesqueira muito jovem, vindo de Sanharó. A escola da vida e a dedicação ao trabalho deram-lhe o diploma de competência e integridade com louvor merecido.

Preocupava-se com o desenvolvimento de Pesqueira. A conclusão de uma obra que beneficiaria a comunidade reacendiam-lhe o entusiasmo e os brios, sentia-se como se estivesse saldando uma dívida com o seu povo.
O permanente zelo e probidade com a coisa pública, administrando-a com competência advinda do labor diário, contribuíam para que lhe fossem confiadas múltiplas tarefas, todas realizadas com critério, esmero e seriedade, evidenciando, sempre, seu espírito criativo e o grau de conhecimento prático.

Seguia a risca os dispostos do Código de Obras do Município não permitindo que seus dispositivos fossem infringidos. O trabalho, portanto, foi sua devoção diária, um marco em sua personalidade. Trabalhou durante 35 anos na Prefeitura de Pesqueira, dos quais, 30, exercendo o cargo de administrador de obras públicas.

Sem subserviência ou adulação, independente de correntes políticas ou quaisquer fatores de injunção pessoal, servia a comunidade, a prefeitura e não aos políticos.

Numa época em que a estrutura organizacional da Prefeitura não contava com uma secretaria de obras, participou da supervisão e execução das seguintes obras: Rádio Difusora de Pesqueira, Grupo Escolar Rui Barbosa, Colégio Comercial Municipal; Matadouro Público Municipal; Escola João XXIII; Mercado Público Municipal; Canal do Bairro de São Sebastião; Açougue Público Municipal; Praça Comendador José Didier; Praça Jurandir Britto de Freitas; pavimentação das Avenidas: Joaquim de Britto; Dom Adalberto Sobral; Ésio Araújo; Barão de Cimbres; Largo de São Sebastião; das Ruas: Dr. Lídio Paraíba; Manoel Tenório de Brito e Paes Barreto, entre outras obras.

Casou-se com Tertulina Araújo Pinto e dessa união nasceram três filhos: Djair, Silvio Romero e Carlos Murilo.

N.1.1 Joaquim Pinto Neto casado com Tertulina de
Araújo Pinto (Tula).

Bn.1.1.1 Djair Pinto Bezerra C.c. Wanda Coutinho
Pinto;
Tn.1.1.1.1 Wandja Pinto Bezerra;
Tn.1.1.1.2 Sônia Pinto Bezerra;
Tn.1.1.1.3 Nadja Pinto Bezerra C.c. Amaro
Pinheiro Barbosa;
Qn.1.1.1.3.1 Mayara Bezerra
Qn.1.1.1.3.2 Nathália Bezerra Barbosa;
Tn.1.1.1.4 Djair Pinto Bezerra Junior C.c. Dione
Lopes;
Qn.1.1.1.4.1 Kamila Pinto Lopes;
Tn.1.1.1.5 Wandilson Pinto Bezerra C.c.Rosemere
Alves da Fonseca;
Qn.1.1.1.5.1 Rodrigo Bezerra da Fonseca;
Qn.1.1.1.5.2 Fernanda Bezerra da Fonseca
Tn.1.1.1.6 Erikson Pinto Bezerra C.c. Izadora
Araújo de Figueiredo;
Qn.1.1.1.6.1 Maria Eduarda de Figueiredo
Bezerra;
Tn.1.1.1.7 Edenilson Pinto Bezerra C.c. Francisca
Marleide Alves Cunha;
Qn.1.1.7.1 João Vitcor Alves Pinto Bezerra;
Qn.1.1.7.2 Pedro Augusto Alves Pinto
Bezerra;
Bn.1.1.2 Sílvio Romero Pinto Bezerra C.c Auxiliadora
Tenório de Brito (Cila);
Tn.1.1.2.1 Sílvio Romero Pinto Bezerra Junior C.c.
Fabiana Rodrigues;
Qn.1.1.2.1.1 Fernando Antonio Bezerra
Rodrigues;
Qn.1.1.2.1.2 Gabriel Bezerra Rodrigues;
Tn.1.1.2.2 Maria de Jesus Pinto Bezerra C.c. Ciro
Brito de Miranda;
Qn.1.1.2.2.1 Rodrigo Pinto Bezerra Brito de
Miranda;
Qn.1.1.2.2.2 Patrícia Pinto Bezerra Brito de
Miranda;
Tn.1.1.2.3 Silvana Pinto Bezerra ex – C.c.
Fernando Robério Passos Teixeira
Filho;
Qn.1.1.2.3.1 Fernando Robério Passos Teixeira
Filho;
Qn.1.1.2.3.2 Gabriela Pinto Bezerra Teixeira
Filho;
Bn.1.1.3 Carlos Murilo Pinto Bezerra C.c. Maria das
Montanha Cordeiro Freire;
Tn.1.1.3.1 Luiz Felipe Freire Pinto Bezerra –
faleceu aos quatro anos;
Tn.1.1.3.2 José Otávio Freire Pinto Bezerra C.c.
Joana Tavares de Barros ;
Tn.1.1.3.3 Thiago Freire Pinto Bezerra casado
com Lílian Valéria Guerra da Silva;
Tn.1.1.3.4 Ana Carolina Freire Pinto Bezerra C.c.
Alberto Soter Arruda Silva;
Qn.1.1.3.4.1 Júlia Soter Pinto Bezerra Arruda
Silva;
N.1.2 Rita Pinto Bezerra C.c. Mirabeaux Cavalcanti;
Bn.1.2.1 Iran Cavalcanti ex- C.c.Marlene Fragoso
Tn.1.2.1.1 Luciana Fragoso Cavalcanti C.c.
Marcos Luiz Guimarães;
Qn 1.2.1.1.1 João Vitor Cavalcanti Guimarães;
Qn.1.2.1.1.2 Júlia Cavalcanti Guimarães;
Luciana Fragoso Cavalcanti em
segundo matrimônio C.c. com
Moacir Roberto de Araújo;
Tn.1.2.1.2 Paulo Marcelo Fragoso Cavalcanti ex
C.c. com Kátia Amazonas;
Qn.1.2.1.2 1 Iran José Amazonas Cavalcanti;
Paulo Marcelo C.c. Segundo
matrimônio C.c Adriana Bersone
da Silva Almeida;
N.1.3 Maria da Glória Pinto Bezerra (Mara) C.c. José
Calisto – S. g. porém adotaram Maria Lúcia que
que casou com Valdomero;
N.1.4 Madalena Pinto Bezerra C.c. Domício Vieira;
Bn.1.4.1 José Valdomero Pinto Vieira C.c. Maria Lúcia
Alves;
Tn.1.4.1.1 Katúsia Chistiane Alves Vieira C.c……..
Qn.1.4.1.1.1 Lui Phillipe Alves Vieira;
Tn.1.4.1.2 Luisonn Pietro Alves Vieira;

N.1.5 Raimunda Pinto Bezerra C.c. Manoel Benício de
Freitas
Bn.1.5.1 Evaldo Pinto Bezerra de Freitas ex-casado
com Maria Quitéria Rodrigues de Oliveira;
Tn.1.5.1.1 Evaldo Pinto Bezerra de Freitas Junior;
Tn.1.5.1.2 Ellen Thais Rodrigues de Freitas
Evaldo Pinto Bezerra de Freitas, em
Segundo matrimônio,. C.c. Delcenir
Oliveira Crelier de Freitas
Tn.1.5.1.3 Ewald Crelier de Freitas
Bn.1.5.2 Valdelice Pinto Bezerra de Freitas (Nice) C.c.
JúlioCésar Queiroz Correia;
Tn.1.5.2.1 Júlio Cesar Queiroz Correia Junior C.c
Simone de Oliveira Fernandes;
Tn.1.1.5.2.2 Raphael César de Freitas Correia;
N.1.6 Heleno Pinto Bezerra – S.g
N.1.7 Julita Pinto Bezerra – S.g.

F.2 Antonia Pinto Bezerra

Casada com Antonio Basílio. Não tiveram descendentes, como filho adotaram Francisco (Chico) Basílio. O Casal residia na Fazenda Cachoeira, próxima ao Distrito Divisão, hoje pertencente aos herdeiros de Pedro Aprígio.

F.3 Maria Pinto Bezerra

Casada com Manoel Vitor Alves, residiram na fazenda Bela Vista, atualmente propriedade de Ranunfo Cabral Viana. Com a morte do marido, segundo os comentários, devido ao calor emanado das pedras, por ocasião da feitura dos tanques (caldeirões) nas Fazendas Pé de Serra (Canaã) e Bela Vista, Maria Pinto Bezerra casou-se pela segunda vez com Manoel Marcolino, originário da região de Garanhuns e passaram a residir em Belo Jardim.

F.4 Elisa Pinto Bezerra

Casada com Cícero Monteiro de Melo, que já era viúvo, e ao casarem herdaram Fazenda Queimada da Onça, município de Arcoverde onde passaram a residir. Cícero era filho de João Monteiro e Rita.

Foi da Fazenda Queimada da Onça, onde o Rio Ipojuca teria a sua nascente que veio o primeira muda de umbu cajá para a Fazenda Canaã e daí se disseminou para outras fazendas da região de Sanharó.

N.4.1 Bernadete Pinto Monteiro C.c. Pedro de Brito
Freire;
Bn.4.1.1 Vitorino José Freire Neto C.c. Maria
Vandelucia dos Santos;
Tn.4.1.1.1 Andréia Santos Freire C.c. Cosme;
Tn.4.1.1.2 Adriana Santos Freire C.c. Zeli;
Tn.4.1.1.3 Alane Santos Freire;
Tn.4.1.1.4 Pedro Vitor Santos Freire;
Bn.4.1.2 Ana Isabel Brito Freire C.c. João Eudes
Rafael dos Santos;
Tn.4.1.2.1 Ana Elisa Brito Freire;
Tn.4.1.2.2 Lucas Rafael Freire;
Bn.4.1.3 Maria do Socorro Monteiro casada com
Antônio de Pádua …….;
Tn.4.1.3.1 João Pedro Freire;

F.5 Olindina Bezerra Pinto – pequena biografia

Olindina foi casada com Paul Joseph Foerster (Paulo José Foerster) e do casal nasceram dois filhos: Paulo Foerster e José Foerster. Conforme consta na certidão casamento de nº 336, livro B 02, datada de sete de fevereiro de 1917, do Cartório de Registro Civil de Sanharó, Paulo José Foerster era filho, de Merser Foerster e Helena Foerster. Informação essa que diverge ao conteúdo da certidão de casamento religioso, que transcrevemos lptis literis:

Casal Olindina e Paul Foto009  Paul Joseph soldado do exército alemão Foto005 Casal Wetti e Richard Foto006

(Olindina e Paul Joseph Foerster/ Paul então soldado alemão e Wetti e Richard)

Aos sete de Fevereiro de mil novecentos e dezessete, em Sanharó, feitos as denunciações do estylo, sem impedimento algum servatis servandis e perante as testemunhas: Joaquim Francisco de Assis Aquino e Manoel Alves Vitor, Frei Ambrosio, assistiu ao recebimento matrimonial de Paulo José Foerster e Olindina Bezerra Pinto, elle filho legitimo de Maximiliano Foerster e Hedviges Foerster, ella filha legítima de Joaquim Pinto Bezerra e Agueda Maria da Conceição.O nubente é natural de Budapest da Hungria, era residente na província de Silesia na Alemanha, e reside há dois anos e ceis meses, na Diocese de Olinda e actualmente na freguesia da Piedade no Recife, ella é desta freguesia de Pesqueira. Do que para constar fiz lavrar este assento que assigno. Vig° Frutuoso Rolim de Albuquerque.

Livro de Matrimônios 1902 Jul – 1919 Nov. Registro 16. Página 156. Paróquia de Santa Águeda – Pesqueira.

Seguindo os relatos de familiares, Paulo José Foerster teria nascido em Budapeste, Hungria, sendo porém a sua cidadania alemã, fato que pode ser comprovado com os registros constantes da Certidão e casamento religioso e recentemente pesquisados.

Olindina e os filhos: Paulo e José

Olindina e os filhos: Paulo e José

Paulo José Foerster possuía apenas uma irmã Wettika ou Wetti, casada com Richard que era químico e não deixaram descendentes. Wetti residiu durante vários anos a rua Gartenstraße, 8, II, cidade de Görlitz, situada na fronteira da Alemanha com Polônia, período em que se comunicava, através de cartas, com seus parentes de Sanharó. Transcrevemos abaixo parte de um texto de uma das suas últimas correspondências, provavelmente logo após a o término da II Guerra Mundial.

Os irmãos Paul e Wetti Foerster

Os irmãos Paul e Wetti Foerster

“Aqui ainda está destruído, sobretudo Görlitz (cidade). Está em estado deplorável, e como cidade não pertence a nenhum município. A cidade foi dividida em três partes. Nós somos da Região da Silésia, pertencemos a Polônia, que não nos liga. É um sofrimento. E por cima dos cúmulos, do outro lado do rio Neisse fica o polonês. De lá recebíamos: frutas, legumes e carne, mas isso desapareceu completamente. Desde de um ano e meio não recebemos dinheiro do banco e por isso fora da habitação que temos, perdemos tudo: jóias, relógios, etc. tudo se foi. E ainda tínhamos de ficar onde estávamos. Nossos parentes da Silésia tiveram de abandonar tudo que já pertenciam a várias gerações. Do lado do seu pai, portanto parentes de Bad Ladek, tinham lá um sanatório com 60 quartos, estão pobres, pobres mesmo e estão do outro lado na Westfalia, mas temos esperança que com o passar do tempo tudo ficará melhor”.

Bad Ladek (Ladek Zdrój) fica na região da Silésia e atualmente pertence à Polônia. Ao pesquisar sobre a história de Bad Ladek, encontramos registros que após o término da II Guerra Mundial a população alemã, ali existente, foi obrigada a se retirar da cidade. Daí a razão, da provável citação da tia Wetti, que os parentes tiveram que abandonar tudo e foram para o outro lado da Alemanha – Westfalia. O sanatório citado também por ela equivale na atualidade a um hotel, possuía fonte de águas térmicas, e era bastante utilizado na época para lazer e tratamento de saúde.

O último contato da tia Wetti com os familiares de Sanharó, foi em 1951, quando fomos presenteados com cadernos de desenhos e um quadro bordado em tela, os quais mantenho como lembranças.

 

Ao eclodir a 1º Grande Guerra em 1914, encontrava-se Paulo José Foerster (Paul Joseph Foerster), a bordo de um navio, em trânsito pelo Recife e toda a tripulação foi aprisionada. Esta versão era contada por seu filho Paulo Foerster, porém como neto tive a oportunidade de pesquisar nas edições do Jornal Diário de Pernambuco, publicadas no período do mês junho de 1914 a 15 de dezembro de 1914 e não foram encontrados nenhum registro do fato, apesar de sua importância para o momento vivenciado.

Há registros históricos que em 1914 foram retidos no porto do Recife os navios alemães Blücher, Cap. Vilano, Eisenach, Gundrun, Henry Woermann, San Nicolas, Sierra Nevada, Tijuca e Walburg. Posteriormente, em represália aos afundamentos de navios mercantes nacionais por submarinos do Império Alemão, a frota retida no Brasil foi confiscada pelo governo brasileiro, através do Decreto nº 12.501 de 02 de junho de 1917. Provavelmente entre os navios retidos no Recife estava a embarcação que Paul Joseph Foerster foi tripulante.

Não foi possível apurar as razões que levaram Paulo José Foerster a se fixar no Recife, e não seguir junto com os demais tripulantes aprisionados. É fato que ele trabalhou na produção de móveis em uma fábrica situada nas proximidades da rua do Lima, que era de propriedade do seu compatriota e futuro compadre, Sr. Auler. Talvez essa relação tenha contribuído para que ele não acompanhasse os demais tripulantes.

Ao viajar à Pesqueira, onde produziu os altares laterais do Convento de Francisco e da Igreja de Cimbres, conheceu Olindina com quem se casou em 1917, com 29 anos de idade.

Durante a primeira grande guerra mundial residiu na Fazenda Lagoa Verde, onde mantinha a produção de móveis sacros, como os altares laterais da igreja de Cimbres e os laterais do convento de Pesqueira Os descendentes de João Avelino Bezerra dispõem em seu poder de um oratório fabricado por Paulo José Foerster.
Ao término da guerra passou a residir novamente no Recife, na atual rua do Lima, e trabalhar na fábrica do seu compadre Auler (padrinho de seu filho José).

.

A sua breve passagem no Recife, não lhe impediu que fizesse parte da diretoria do recém fundado Santa Cruz Futebol Clube. Faleceu prematuramente às 12h do dia 19.03.1923, na rua desembargador Martins Pena n° 277, no Recife, cuja certidão de óbito foi assinada pelo Dr. Paulo Fernando Netto, que deu como causa da morte câncer no intestino. O sepultamento foi realizado no Cemitério Público de Santo Amaro, tendo os restos mortais (ossos) transladados posteriormente para Sanharó, onde se encontram no jazigo na Matriz local.

Olindina, após a morte do seu marido voltou em companhia dos filhos a residir com os pais na fazenda Pé de Serra.

Após sua morte em 1970, a nora Anilda Cordeiro Foerster encontrou em um dos seus missais, uma dedicatória recente com o seguinte frese: “Paulo, meu eterno amor”.

Sem dúvida esta é uma prova de amor ao seu ex-marido que falecera há 50 anos e apesar de jovem e bonita, não se dispôs a constituir nova família em respeito ao ex-marido passou a usar vestimentas na cor preta, até os últimos momentos de sua vida.

Como católica praticante recebia e hospedava em sua casa (atual residência de Sônia Foerster) por vários dias ou semanas os padres, bispos que vinham celebrar missas, realizar festividades ou mesmo passar férias em Sanharó.

Recentemente, ao pesquisarmos os ancestrais de Olindina, nos deparamos com várias divergências em sua Certidão de Nascimento. Para a nossa surpresa, Olindina foi registrada em 15.04.1911, no Cartório de Registro de Pesqueira como Olinda Bezerra Pinto, tendo nascido em 09.01.1894. Os familiares sempre conviveram com o nome Olindina e celebravam a data de nascimento 04.01.1894. Documentalmente, Olindina ou Olinda possuía dois nomes distintos. Certidão de nascimento Olinda e certidão de casamento Olindina.

Paulinho Foerster fazendo discruos APMV Imagem019 (1)

* Autor: Paulo José Elias Foerster : É Médico Veterinário, escritor, membro da APMV – Academia Pernambucana de Medicina Veterinária, e cronista.

Compartilhe esse texto com seus contatos:

2 Responses to Livro/Homenagem : Famílias Pinto Bezerra & Foerster/Descendências – Por Paulo Elias Cordeiro Foerster *

  1. Elba Thais Rodrigues de Freitas disse:

    Bom dia!
    Adorei sua pesquisa…
    Sou Elba Thais filha de Evaldo Pinto de Freitas.
    Por favor aonde poderia comprar este livro?
    Vc poderia indicar o local?
    Obridada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>