Movimento Cultural/Poemas: Carlos Sinésio em dois momentos *

Amor nevrálgico

 

 

 

O frio que corre pela espinha
é cinzento (cor de cinza de angico
quando queima na fogueira
do sol do meio dia no verão do sertão).

Parece com aquela emoção
de quem deu o primeiro beijo
ou sentiu o travo do umbu verde
que desbota o dente agrestino.

O frio gélido de inverno siberiano
é calor no coração apaixonado,
quando a mente não se engana
e pensa que o amor é correspondido,
sem carência de perfumarias e afins.

O frio emocional que desliza na espinha
é paixão adolescente que maturou
e se transformou em sentimento
apelidado de amor. Só isso.

 

Cinzas do nada

 

Um pé de parede,
um verso ao canto.
Um suspiro noturno,
um velho espanto.
Castiçais em prata,
velas apagadas…
Do nada,
sobraram cinzas.
Enquanto de tudo,
mais nada.

 

* Autor: Carlos Sinésio (novembro/2014). Carlos Sinésio Araújo Cavalcanti é pesqueirense, jornalista, colaborador do OABELHUDO, cronista, poeta e biógrafo.

Compartilhe esse texto com seus contatos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *