Category Archives: Bons Exemplos

Crônica/Saudade não tem Idade: Tempo de Escola* – Colaboração de Antonio Morais **

 

TEMPO DE ESCOLA

 

Sanharó - npssa praça nos anos 50 e 60...

Sanharó – npssa praça nos anos 50 e 60…

 

concluintes de 1966 ginasio de Sanharóalunos do Jenef Sanharó antigos

desfile-concluintes-19670001Padre-Heraldo-Cordeiro-de-Barros-e1351899990643

 

 

Normalistas de 1967 da Escola Nornal Emília Câmara de Sanharó

Normalistas de 1967 da Escola Nornal Emília Câmara de Sanharó

 

 

Um Bom Rapaz – Wanderley Cardoso.

 

As vezes lembro do tempo de escola, de quando as preocupações ou grandes problemas seriam no máximo tirar uma nota baixa na prova ou então chegar atrasado e encontrar os portões fechados. Lembro do clima de harmonia e do falatório na sala de aula, do engraçadinho da turma, das aulas de português, de matemática era que eu me dava bem, do jeito esquisito do professor de geografia, e da tão esperada aula de educação física.

Lembro como era gostoso quando batia o sinal do recreio e saímos correndo das salas, direto para o patio comer o lanche, comprado na cantina ou trazido de casa embrulhado no papel laminado e numa garrafinha térmica com suco.

Quando chegava a hora de ir para casa e batia o sinal, tínhamos a certeza tão gostosa de que alguém lá fora estava esperando pela gente.

Tempos depois, estamos nós aqui,adultos,cheios de incertezas, sem saber quem realmente somos. Nossos problemas e preocupações são bem maiores, nossas escolhas são decisivas temos de nos virar sozinhos e o pior é que ninguém mais espera por nós.

Tem horas que me encontro absorta e me pergunto aonde estão meus amiguinhos de escola? Como estão? Que rumos tomaram em suas vidas?

Nesse exato momento não faço ideia de quem sou, o que sei é que daqui a um tempo, um bom tempo, vou lembrar dos dias de hoje e ter a certeza de quem fui, assim como no tempo de escola.

* Autora: Martha Medeiros/Video Youtube

** Antonio Morais é Editor do blog do sanharol em Várzea Alegre-CE

Economia/Social: Banco do Povo Paulista Incentiva Micros Negócios *

Modalidade de financiamento ao microprodutor dispara 68% em 2013 e favorece a ascensão social no Brasil

Modalidade de financiamento ao microprodutor dispara 68% em 2013 e favorece a ascensão social no Brasil

“Minha Vaca, Minha Vida”: microcrédito tira família da pobreza

Modalidade de financiamento ao microprodutor dispara 68% em 2013 e favorece a ascensão social no Brasil

Um empréstimo de R$ 100 aqui, outro de R$ 1 mil acolá. De pouco em pouco, o microcrédito destinado aos microempreendedores alcançou em 2013 seu saldo em carteira recorde: R$ 4,8 bilhões. Do fim de 2012 ao do último ano, os financiamentos aos pequenos produtores subiram nada menos que 68%. Enquanto isso, os repasses aos consumidores, em tendência de queda desde 2010, recuaram mais 39% no ano passado – leia o “histórico”, mais abaixo. No total, entre microempreendedores e consumidores, o saldo em carteira do microcrédito subiu 42% em 2013.

Perto do saldo total do crédito direcionado no País, de R$ 1,2 trilhão no mesmo mês, o microcrédito é, de fato, “micro”. Mas é “macro”, no entanto, por sua função social.

O mercado de trabalho não supre toda a necessidade de vagas”, diz o presidente da Associação Brasileira de Entidades Operadoras de Microcrédito e Microfinanças (Abcred), Almir da Costa Pereira. “Por isso, um cliente típico de microcrédito produtivo é aquele que não tem condição de empregabilidade e busca como alternativa abrir um negócio próprio e se tornar um microempreendedor.”

Os microempreendedores urbanos mantêm, por exemplo, pequenas lojas, confecções, mercearias e salões de beleza nas periferias. Na zona rural do Brasil, quem recebe os financiamentos são produtores, normalmente, com mínimas condições de sair sozinhos das classes D e E.

A paranaense Beatriz Rocha, de 37 anos, está entre esses brasileiros. Mãe de três crianças entre 2 e 11 anos, mora num barraco de madeira de 20 metros quadrados, na cidade de Santo Antônio do Sudoeste, divisa do Paraná com a Argentina. Com um empréstimo de R$ 3 mil adquirido no banco Fomento Paraná, pôde comprar um freezer e uma vaca – de nome Ariana. Somada às outras duas vacas que já tinha comprado com ajuda do programa Bolsa Família, do governo federal, a dona de casa pôde iniciar pequena produção, vendida a uma cooperativa da região.

Para Antonio Mendonça, diretor executivo do Banco do Povo Paulista (BPP), ligado ao Governo do Estado de São Paulo, o microcrédito faz parte da “revolução social” observada no Brasil nos últimos anos. Embora ainda não seja possível calcular o tamanho do impacto do acesso ao microcrédito na inserção de mais de 40 milhões de brasileiros nas classes consumidoras desde a última década, ele não tem dúvidas da importância da modalidade. “O microcrédito é responsável por mudar a vida de muitas famílias”, diz.

O BBP realizou entrevistas com microempreendedores para avaliar seus serviços. De acordo com a pesquisa, 98,9% dos clientes entrevistados dizem que seus negócios melhoraram após tomarem microempréstimos; 79,2% tiveram aumento de faturamento; e outros 95,8% disseram que suas vidas melhoraram após os financiamentos.

O BBP oferece linhas de microcrédito entre R$ 200 e R$ 15 mil e dez minicursos voltados ao microempreendedor. Diz atender hoje 74 mil famílias em 514 municípios. Tem saldo em carteira de R$ 290 milhões, com recursos do Estado e dos municípios. “As parcerias são feitas com prefeituras de diversos partidos, aliados ou não“, diz Mendonça.

Histórico. Em 2007, início da série histórica do Banco Central, o microcrédito no Brasil era majoritariamente voltado ao consumo: 75% do total. E, embora o crescimento econômico do País tenha sido estimulado pela demanda desde a última década, a partir de 2011 o cenário do microcrédito mudou radicalmente. Hoje, 89% dos empréstimos é para microempreendedores.

O microcrédito ao microempreendedor é oferecido basicamente por Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscips de microcrédito); programas do governo federal (como o Crescer) e de governos regionais (como o Paraná Juro Zero e o Programa de Microcrédito Gaúcho); ou diretamente em bancos públicos ou privados.

Os financiamentos são de baixo valor – a partir de R$ 100. Os juros giram na casa dos 5% ao ano – bem abaixo do juro médio de 29% do ano passado. Na região Nordeste, onde o Banco do Nordeste consolidou o programa Crediamigo nos últimos 15 anos, por exemplo, o tíquete médio dos empréstimos em 2013 foi de R$ 1,2 mil.

Principalmente por meio da atuação das Oscips de microcrédito, os empréstimos incluem parcela da população excluída do sistema financeiro comum. É gente que não tem garantias de patrimônio ou renda. O compromisso de pagamento é baseado na confiança ou na atuação de grupos solidários (conhecidos que garantem o pagamento uns dos outros).

‘Microinadimplência’. Ao contrário do senso comum, esses empréstimos para quem quer (e tem) pouco dinheiro têm taxa de inadimplência igual ou menor que a do sistema financeiro em geral. Somados os consumidores e os microempreendedores, a inadimplência do microcrédito foi de 6,94% – em linha com a taxa de toda total de toda a economia brasileira em 2013, de 6,7%, de acordo com o Banco Central.

“No microcrédito produtivo orientado, temos profissionais agentes de crédito que acompanham os empreendimentos para oferecer o crédito acertado”, avalia Pereira, da Abcred. Dessa forma, “quem recebe o financiamento pode investir em algo que dará retorno”. A inadimplência média dos empréstimos feitos via Oscips de microcrédito gira em torno de 3%, calcula a Abcred.

A taxa de inadimplência (mais de 90 dias de atraso) do microcrédito ao microempreendedor em dezembro foi de 5,34%. Para o consumidor, o registro é bem menos favorável: 20,77% de taxa de inadimplência. Ou seja, a orientação produtiva gera maior compromisso com os pagamentos que empréstimos feitos para mero consumo.

* Fonte: MSN/Estadão

Movimento Cultural/Crônica – Ei! Psiu! Vai Brincar! – Por Francisco Aquino *

brincadeiras infantis

PSIU... VAI BRINCAR!

 

 

Vai menino brincar

Pois tens um mundo a conquistar

Deixa o celular e a tecnologia de lado e vai se relacionar.

Vai logo construir

Teus próprios brinquedos como: carros, fazendas, bonecos de barro, bola de meia e para de aperrear os pais pra tanto comprar.

Brinca menino sonhando com dias lindos, alegres e vivência maravilhosa por que tens o direito de se divertir.

Brinca de trinta e um alerta, barra bandeira, esconde, esconde,mocinho e bandido, apostando corrida e pulando corda, jogando peão, lançando pipa e bola de vidro(gude), cademia( amarelinha) e jogando bola com satisfação. E logicamente conversando bastante se exercitando para deixar de engordar pendurado na solidão de uma tela de computador a jogar sem ter exata noção de quem esta a teclar.

queimada brincadeiras de criançasoltanto peãoPula Sela brincadeiras

Vai menino brinca de médico,de industrial, de mecânico, de fazendeiro,de roda, de padeiro,de corrida, de cavalo de pau,de queimado,de futebol de botão, de bicicleta, de escola, de família contando historia que vai nutrindo a vida como uma verdadeira escola aprendendo para no presente e no futuro brilhar como uma pessoa de sucesso.

Veja menino quanto tens a realizar basta querer e lutar depois de sonhar e realizar para lembrar das boas brincadeiras da vida tão importante na sua construção para depois realizar –se como bons seres humanos bem sucedidos e felizes.

 

Francisco Chico Aquino sozinho de azul

 

* Autor: Francisco Aquino – Francisco de Assis Maciel Aquino é pesqueirense, professor, colaborador do blog OABELHUDO e comentarista esportivo

Comportamento/Igreja Católica: Vaticano Afasta 400 Padres Acusados de Abusar de Crianças *

 

 

Vaticano enfrenta com realismo o clamor da sociedade contra os pedófilos que estão no seio da igreja católica

Vaticano enfrenta com realismo o clamor da sociedade contra os pedófilos que estão no seio da igreja católica

 

Vaticano diz que cerca de 400 padres foram afastados por suspeita de pedofilia

 

 

 “As autoridades católicas devem ajudar a garantir que os clérigos que abusaram de crianças são acusados criminalmente”

O papa Francisco disse na quinta-feira (16) que os católicos devem senti“vergonha” pelos escândalos, mas as associações que juntam as vítimas dizem que ainda há falta de transparência e que não foi feito o suficiente para denunciar os abusos à polícia”.

 

Vaticano disse ontem (18) que cerca de 400 padres foram afastados durante o pontificado do papa Bento XVI, devido às queixas de crianças abusadas sexualmente por clérigos.

“Em 2012, foram cerca de 100, enquanto que em 2011 foram cerca de 300“, disse o porta-voz do Vaticano Federico Lombardi.

No entanto, a organização Snap, que junta vítimas de abusos sexuais por parte de membros da Igreja, disse em comunicado que essas medidas disciplinares não são suficientes e que “o papa deve afastar também os clérigos que encobriram crimes sexuais”.

As revelações dos crimes sexuais cometidos por membros do clero e o encobrimento pelos seus bispos começaram na Irlanda e nos Estados Unidos há mais de uma década e têm abalado a Igreja Católica.

Bento XVI, que renunciou o ano passado e foi substituído pelo papa Francisco, prometeu tolerância zero para os sacerdotes que cometeram os abusos e o Vaticano informou que recebeu milhares de relatos de abuso de dioceses locais.

Em uma ação inédita, uma delegação do Vaticano teve de dar, no início desta semana, respostas às Nações Unidas sobre o seu compromisso para acabar com os abusos sexuais de menores por padres diante da Comissão de Direitos da Criança, em Genebra.

O papa Francisco disse na quinta-feira (16) que os católicos devem sentir “vergonha” pelos escândalos, mas as associações que juntam as vítimas dizem que ainda há falta de transparência e que não foi feito o suficiente para denunciar os abusos à polícia.

“As autoridades católicas devem ajudar a garantir que os clérigos que abusaram de crianças são acusados criminalmente”, relatou o Snap em comunicado.

* Fonte: Agência Brasil/Vaticano

Movimento Cultural: A Vida – na Poesia de Robson Aquino *

“…São as curvas dissonantes
Que formam o nó da gravata”.

 

Paginas da nossa vida  em branco BKOG 1

Vida

 

 

 

A vida é lição difícil
Que a gente morre aprendendo
Sem um rumo definido
Vai devagar e correndo
E é nesse giro do tempo
Que a vida vai se escrevendo

 

Às vezes em letras miúdas
Em outras, bem evidentes
Falando de forma clara
Como os versos de um repente
Ou de maneira obscura
Mas sempre surpreendente

 

As páginas de nossas vidas
São escritas em desalinho
Por mais que se ajeite a letra
São tortuosos os caminhos
Que começam acompanhados
Mas sempre acabam sozinhos

 

É uma vela que queima
Num candelabro de prata
É rio que se aventura
Pelos mistérios da mata
São as curvas dissonantes
Que formam o nó da gravata

 

A vida é passo no escuro
Não ta isenta de tombo
É uma sela sem cilha
Solta em cima de um lombo
Liberdade ameaçada
Que resistia em quilombos

 

Mas, apesar de incerta
Permite a modulação
Alonga o pavio da vela
Alumia o estradão
Apruma a letras na linha
Facilitando a lição

 

 

Robson-Aquino-SDC12664-150x150

 

 

* Autor: Robson Aquino – Antonio Robson Maciel Aquino é sanharoense, colaborador do blog OABELHUDO, escritor, cronista, contista e poeta. É co-autor do livro Miolo de Pote e autor do livro Sanharó – Cinco Homens e um Caçuá de Discussão.

Movimento Cultural: O Prazer de Retornar – Francisco Aquino *

 

O PRAZER DE RETORNAR

coração nas nuvens

Como é bom sentir-se útil depois de lutar pela sobrevivência diária. Demonstrando um exemplo a ser seguido pela vida. Tendo a certeza de uma base sólida pautada na honradez e honestidade sendo um poço de amor, que vale a pena encontrar todos da família para descansar marcando a sua existência com sua importante presença de brilho peculiar.

Quanto prazer de voltar para o convívio dos seus depois de cumprir o seu dever e ter tranquilidade de um repouso tranquilo repleto de amor.

Como é lindo o voltar para o aconchego do lar e ver todos bem vibrando com seu retornar.

Cada pessoa necessita de ser amado e ter um bom suporte familiar que eleva a autoestima a cada retornar com brilhantismo no olhar e cabeça erguida tendo sensação do dever cumprido curtindo o retorno ao lar.

É essencial ter uma grande companheira que sabe apaziguar as arestas nos momentos tempestivos dando ótimo suporte de compreensão, carinho, respeito e amor quando precisar. Ser ajudado sempre em todas as horas mesmo diante dos maiores obstáculos ou diversidade da vida. Este apoio familiar não pode faltar para o viver feliz e em paz. Pois sentir-se acolhido revigora e dar prazer em lutar por uma sobrevivência digna. Assim o ser humano vive realizando-se para realizar sendo o alicerce da casa mostrando simplicidade, amor e paz. Vibrando com cada conquista pela vida e tendo o legitimo direito de sonhar e realizar grandes feitos pela a vida em pró do bem estar familiar.

 

Francisco Chico Aquino sozinho de azul

 

 

* Autor: Francisco Aquino – Francisco de Assis Maciel Aquino é pesqueirense, professor, cronista, contista, poeta e comentarista esportivo.

Vaticano: Papa Francisco Nomeia Dom Orani Tempesta o Novo Cardeal do Brasil *

 

 

Papa Francisco nomeia arcebispo do Rio de Janeiro como novo cardeal

 

Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, em 24 de dezembro de 2013 na catedral de São Sebastião, no Rio de Janeiro

Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, em 24 de dezembro de 2013 na catedral de São Sebastião, no Rio de Janeiro

 

 

O papa Francisco anunciou neste domingo a criação dos dezesseis primeiros cardeais eleitores – com menos de 80 anos – de seu pontificado, entre eles o arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani Tempesta.

Além do brasileiro, Francisco nomeou outros quatro novos eleitores latino-americanos, de Argentina, Chile, Haiti e Nicarágua, quatro italianos, dois europeus (um alemão e um britânico), um canadense, dois africanos (Costa do Marfim e Burkina Faso) e dois asiáticos (Coreia do Sul e Filipinas).

Francisco também nomeou outros três cardeais eméritos, sem poder de voto em caso de conclave para eleger um novo pontífice, de Itália, Espanha e Santa Lúcia.

O anúncio foi feito ao término do Ângelus dominical a partir da janela do Palácio Apostólico diante dos milhares de peregrinos presentes na Praça de São Pedro.

Dom Orani e o Papa Francisco durante a JMJ do Rio de Janeiro em 2013

Dom Orani e o Papa Francisco durante a JMJ do Rio de Janeiro em 2013

Os 19 novos cardeais receberão o barrete e o anel cardinalício no dia 22 de fevereiro no Vaticano, no primeiro consistório do pontificado de Francisco.

Dos 16 com direito a voto no conclave, doze são arcebispos a cargo de cidades grandes e apenas quatro trabalham na Cúria romana, a administração central.

O Papa argentino, que defende uma igreja pobre para os pobres, designou personalidades provenientes de comunidades esquecidas e periféricas, como ele mesmo define, entre eles os arcebispos de Haiti, Chibly Langlois, Costa do Marfim, Jean-Pierre Kutwa, e Burkina Faso, Philippe Nakellentuba Ouédraogo.

Os novos cardeais latino-americanos são o nicaraguense Leopoldo José Brenes Solórzano, arcebispo de Manágua, o argentino Mario Aurelio Poli, arcebispo de Buenos Aires e seu sucessor na liderança da igreja de seu país, e o chileno Ricardo Ezzati Andrello, arcebispo de Santiago do Chile, além do haitiano Langlois e do brasileiro Dom Orani Tempesta.

Entre os novos nomeados com direito a voto também figuram o italiano Pietro Parolin, ex-núncio na Venezuela e atual secretário de Estado, ou seja, número dois, o guardião do dogma, o conservador alemão Gerhard Ludwig Müller, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, e o italiano Lorenzo Baldisseri, secretário geral do Sínodo de Bispos, homem de confiança de Francisco, que prepara as grandes assembleias de bispos que serão realizadas em 2014 e 2015, e que deverão mudar a cara da instituição.

Outro italiano, Beniamino Stella, prefeito da Congregação para o Clero, também receberá o anel e o barrete cardinalícios.

Por fim, completam a lista de novos cardeais eleitores o britânico Vincent Gerard Nichols, o canadense Gérald Cyprien Lacroix, o sul-coreano Andrew Yeom Soo jung, o filipino Orlando B. Quevedo e o italiano Gualtiero Bassetti.

Já entre os três cardeais eméritos nomeados, que não poderão votar no conclave por terem mais de 80 anos, figura o espanhol Fernando Sebastián Aguilar, emérito de Pamplona e uma das figuras mais progressistas da igreja espanhola, exemplo de religioso que não entra nos jogos de poder existentes na Igreja.

Junto a ele receberá o título de cardeal emérito o italiano que foi o secretário pessoal de João XXIII, Loris Capovila, e Kelvin Edward Felix, arcebispo emérito de Castries, Santa Lúcia.

Com as novas criações, o número de membros do Colégio Cardinalício se eleva a 218, dos quais 122 são eleitores em caso de um conclave para eleger um novo Papa.

* Fonte: MSN

Imprensa: Sai Nova Lista de Jornalistas Premiados no Brasil – Por Vandeck Santiago *

 

grade de fotos de jornalistas premiados

 

Os mais vitoriosos de todos os tempos

– Região Nordeste

 

Saiu a nova edição do ranking dos jornalistas mais premiados do país, por região. É organizado pelo www.jornalistasecia.com.br (SP). Na listagem anterior os 5 primeiros lugares eram de PE. Agora mudou: são 2 do CE (incluindo o 1º lugar) e 3 de PE.

A matéria do site está aqui, com o gráfico completo e informações sobre as outras regiões: http://bit.ly/1hA39Bh

PE e CE São os dois Estados que mais investem em reportagem, no Nordeste. A principal diferença é que no CE as matérias são predominantemente feitas em equipe, enquanto em PE prevalece o jornalismo autoral (trabalhos feitos por um repórter; no máximo dois).

Essa característica “autoral” das reportagens feitas em PE começou a partir de um projeto iniciado pelo Diario de Pernambuco em 2004, de publicação sistemática de matérias publicadas em formato de caderno especial ou em série.
Esse projeto influenciou colegas de outros Estados – um dos que reconhecem isso está aqui na lista, em 6ºlugar: Wendell Rodrigues, da TV Correio (PB).

Não é que antes desse “projeto de publicação sistemática de reportagens do Diario” não houvesse reportagem em Pernambuco. Havia, mas não como hoje: os veículos não investiam tanto; eram esporádicas e não sistemáticas; eram feitas majoritariamente em equipe; os repórteres não tinham as condições que têm hoje para fazê-las; a profundidade obtida não era a mesma; não se tinha a variedade temática de agora e não se tinha o reconhecimento nacional que se tem hoje.

Um dia tudo isso será estudado.

Minha opinião é que a partir de 2004 começamos a escrever aqui o capítulo regional da imprensa brasileira.
Aos interessados neste novo estágio da imprensa pernambucana, no campo da reportagem especial, há duas matérias explicativas:

1) Uma da ABRAJI (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo):http://bit.ly/1d3VyY9 (“Pernambuco vive ‘cena jornalística‘, diz jornalista após Estado levar quatro prêmios Esso em 2009″)

2) A outra do Diário de Pernambuco, na cobertura de evento realizado na Fundação Joaquim Nabuco sobre os 200 anos da Imprensa no Brasil:http://bit.ly/1cSoXjC

Leia a Íntegra:

Veja a lista dos profissionais mais premiados em todos os tempos por região

Centro-Oeste

Nordeste

Norte

Sudeste

Sul

GRADE DE PONTOS

JORNALISTAS DO NORDESTE

 

jornalistas os 57 mais vitoriosos do NE

Vandeck Santiago

* Autor: Vandeck Santiago – Pesqueirense, jornalista especial do Diário de Pernambuco.

 – Fonte:  Jornalistas&Cia

Brasil: Conheça Melgaço a Cidade de Menor IDH do País. (Parte II) *

Brasil atrasado

Alice e as Maribeis - E que a saudade é grande, mas a missão delas é maior...

Alice e as Maribeis – E que a saudade é grande, mas a missão delas é maior…

Diário de Melgaço, parte 2:

Maribel & Maribel, as médicas cubanas

Alice Riff continua com suas aventuras em Melgaço, no Pará, cidade que recebeu quatro cubanos do programa Mais Médicos.

A série de reportagens é resultado do primeiro projeto de crowdfunding do DCM. Foi totalmente financiada por nossos leitores.

Alice está acompanhada de Thiago Carvalhaes, na câmara, e Thiago de Luccia, médico de família e comunidade.

Maribel Herrera e Maribel Saborit estão há quatro meses em Melgaço. Toda a cidade conhece as cubanas. Sabem onde elas moram, as cumprimentam nas ruas.

As “Maribeis” nao se conheciam antes de chegar aqui e agora dividem uma casa bem ajeitadinha, que fica em uma vila. Uma sala com cozinha integrada, a bandeirinha de Cuba no centro da mesa, e dois quartos, um para cada. As janelas estão sempre fechadas com o ar condicionado ligado, para aguentar o calor. Acabo de ver a temperatura: 36 graus.

Fui tomar um cafezinho na casa das Maribeis agora à tarde. As duas sofriam com a conexão de Internet – eu mesma já desisti. Tenho usado somente o telefone e as mensagens de texto. A internet é lentíssima, quase insuportável. Mas as duas eram persistentes. É o principal meio de comunicação. Elas disseram que 2 minutos de ligação para Cuba por telefone custam 10 reais, então ligam muito pouco.

Enquanto uma Maribel tentava enviar um email e me mostrar uma foto no Facebook, a outra preparava um café. “Forte. Aqui o café que eles tomam parece àgua quente com sabor de café. Não gostamos”. Concordei com elas. Estava com saudade do café forte…

Perguntei das comidas e elas disseram que, em geral, há tudo de que gostam, mas nenhuma das duas incorporou no dia a dia o açaí com farinha.

Completado um ano no Brasil, elas terão um mês de férias em Cuba. Conversando com elas sobre as famílias, percebi o quanto estão isoladas e o quanto acreditam no que estão fazendo. Não só as médicas, mas seus maridos e filhos, que as incentivaram.

Sempre com um sorriso no rosto, as Maribeis já me disseram algumas vezes da satisfação que é para elas contribuir com a saúde de um dos municípios mais pobres do Brasil e assim também contribuir com a saúde cubana. E que a saudade é grande, mas a missão delas é maior.

* Fonte: DCM – Autora Alice Riff

alice riff DCM

Sobre a Autora

 – Alice Riff é documentarista e jornalista. Formada em Cinema e Ciências Sociais. Se interessa pelos temas da cidade, seja em São Paulo ou num cantinho na ilha de Marajó.

Catolicismo: Papa Francisco promove “revolução suave” na Igreja *

Número de visitantes no Vaticano quase triplicou durante o papado de Francisco

Número de visitantes no Vaticano quase triplicou durante o papado de Francisco

Nos últimos nove meses, o papa Francisco quase triplicou o número de pessoas que estiveram presentes em eventos na Cidade do Vaticano.
Até 13 de março do ano passado, o então cardeal Jorge Mario Bergoglio imaginava que passaria o Natal seguinte já aposentado no bairro de Flores, em Buenos Aires, onde nasceu.

Mas hoje, aos 77 anos, ele leva consigo as esperanças e temores de mais de 1 bilhão de católicos.

O que explica o repentino e renovado interesse atual pelo catolicismo? A que anseios do povo o papa Francisco estaria atendendo?

Há nove meses, a Igreja Católica era assolada por acusações de irregularidades em sua burocracia e em seu banco, e sua reputação estava manchada por escândalos sexuais.
“A narrativa dominante a respeito da Igreja hoje é “papa pop star conquista o mundo’“, disse John Allen, do jornal americano National Catholic Reporter.

“Se isso não for uma revolução, ao menos em termos da percepção, então não sei o que (revolução) significa. “

Frases do papa Francisco

Sobre a homossexualidade: “Se uma pessoa é é gay e se está em busca do Senhor e tem boa vontade, quem sou eu para julgar?”

Sobre o aborto: “Não é ‘progressista’ tentar resolver problemas eliminando a vida humana… Essa defesa da vida não nascida está intimamente associada à defesa de todos os direitos humanos”

Sobre a fome:Com toda a comida que sobra e é jogada fora, poderíamos alimentar tantos. Se fôssemos capazes de parar de desperdiçar e começássemos a reciclar comida, a fome do mundo diminuiria muito”

Compaixão

Essa “revolução” tem ocorrido por meio de gestos, como a decisão de Francisco de incluir uma mulher muçulmana no grupo de jovens infratores cujos pés ele lavou na última Páscoa. Ou o abraço instintivo que deu em um homem que tinha o rosto desfigurado por uma doença. Ou sua recusa em viver no apartamento habitual do papa ou vestir as roupas suntuosas que seus antecessores, por tradição, vestiram.

Burocracia do Vaticano

Nem todos os católicos, no entanto, aprovam a nova abordagem do papa.
Para alguns tradicionalistas, a pouca disposição de Francisco de se aprofundar nas crenças da Igreja em questões como aborto, uso de anticoncepcionais e homossexualidade deixa muito espaço para valores laicos.

Narrativa

Será, então, que Francisco conseguirá reconstruir a fé cristã simplesmente mudando a “narrativa” sobre o catolicismo, sem uma reforma real nos ensinamentos?
John Allen vê o papado de Francisco como um tipo de experimento.
“Existe uma tendência na Igreja Católica progressista que diz que não precisamos mudar as doutrinas para recapturar o interesse do público”, disse.
“É preciso que as pessoas vejam o compromisso real com o florescimento humano que está no âmago dessas doutrinas. O que veremos sob a liderança de Francisco é que ele vai acrescentar uma encantadora face humana à mensagem clássica.”

Leia a Íntegra:

A ‘revolução suave’ do papa Francisco

Número de visitantes ao Vaticano quase triplica com Francisco

* Fonte: BBCBrasil/Robert Pigott – Analista de temas religiosos da BBC News