Category Archives: Bons Exemplos

Pesqueira/Canetadas: Para Micheline…Minha Filha… – Por Jurandir Carmelo *

CANETADAS

Para Micheline, minha filha

 

 

 

 

 

Pesqueira/PE, 12/11/2014 > Canetadas (Por Jurandir Carmelo. Não pensei que voltasse a escrever as minhas canetadas)

 

Para Micheline, no aniversário de um (1) ano da sua careca, ocorrido ontem... O tempo passa, caminha em frente. Era uma tarde de novembro de 2013, pelas 16 horas, exatamente do dia 11. É passado, portanto, um ano. Gilcéia e Eu chegávamos à casa de Micheline, onde a encontramos cabisbaixa, no início das sessões de quimioterapia, com uma expressão de tristeza que nos bateu alma e coração. De repente, Ela coloca as suas mãos nos seus cabelos e as faz escorregar. Abre-as, e as estende para frente. Estão as suas mãos cheias de seus claros e lisos cabelos, e exclama: “Meu Deus, já perdi os peitos, agora vou ter que perder os cabelos…”. Bateu forte, muito forte! Dessa vez quase que não seguro as lágrimas, o choro. O coração apertava, a alma parecia ter sumido, as pernas tremiam, era uma verdadeira situação de tragédia.

Pedi a Deus: Ajuda-me senhor, salva a minha filha… Ela precisa de forças e Eu estou fraco. Mostra-me um caminho. Passei pouco tempo com ela, diante a situação que se nos apresentava. Disse à Gilcéia: vamos embora! Seguimos direto para casa, segurando choro, lágrimas, pernas, buscando abrandar alma e coração.

Chegamos em casa… Aí não segurei mais, nem pernas, nem choro, nem lágrimas, nem emoção, nem tristeza, nem nada. O coração batia apressado, querendo pular, sair, parar, sei lá! De repente, sento-me à mesa e peço a Gilcéia: Por favor, coloque-me uma dose de uísque dupla, sem gelo, sem nada. Gilcéia pergunta: você vai beber... Lembrei do velho Lunga: não, vou lavar o rosto... Sentado á mesa virei o uísque… o danado desceu queimando.

No início destas notas, quem a ler, vai perceber que eu afirmei, pedindo a Deus: “ Ajuda-me senhor, salva a minha filha...”. Ela precisa de forças e Eu estou fraco. Mostra-me um caminho… Ainda à mesa, já mais calmo (O uísque é de um efeito impressionante nesses momentos… CALMANTE MESMO). Com a segunda dose já posta, com gelo dessa vez, abro a minha agenda e me deparo com o cartão de visita do meu amigo e cabelereiro José Aluízio, o Ivo Cabelereiro. Foi Deus quem mandou, com certeza. Tanto assim, que exclamei repetidas vezes, em voz alta: Obrigado meu Deus! Obrigado meu Deus! (…)

Gilcéia, olha para mim, sem nada entender, e diz: o que foi, você está mais corado, graças a Deus. Ligue para Ivo e peça a ele para vir aqui agora, trazendo a máquina zero… Pouco minutos chega Ivo, com a sua máquina zero. Diga doutor?… O que houve? Passe a máquina, tire tudo, não quero um fio de cabelo na minha cabeça… E assim foi. Tão logo terminou, levanto-me da cadeira, aí senta-se Gilcéia. Ivo, vamos cortar o meu também… Dona Gilcéia, Eu não trouxe as tesouras, etc. Não dá para fazer o seu cabelo agora. Como é comum às mulheres, elas só pedem uma vez, na segunda oportunidade, as danadas mandam, ordenam… Dona Gilcéia, o seu cabelo… Passe a máquina Ivo... E Ivo passou a máquina, deixando-a, igualmente, careca. Foi um grande alívio que senti, algo que vem de Deus quando com ele nos encontramos, quando nele cremos… Mas, o gesto maior, no caso, não foi meu, enquanto Pai, foi da Gilcéia, minha companheira e boadrasta, como as meninas a chamam …
Animado por ter encontrado uma maneira de chegar perto de Micheline com uma resposta para aquele instante que ela estava vivendo, tomei mais uma de uísque e descemos, Gilcéia e eu…

OS MÓRMONS…

Havíamos deixado a casa de Micheline e Flávio, algumas horas antes… A diferença de tempo, apenas os cortes dos cabelos e as doses de uísque… O carro para em frente à casa deles… Descemos e batemos na porta… Ouvimos Micheline dizer, ainda, com a voz embargada: “Flávio vê quem é? Ele olha pelo olho mágico e diz: Acho que é aquele pessoal dos MÓRMONS… É um casal de carecas… Abre, veja o que é? Quando Flávio abre, ele não nos reconheceu, mas Micheline foi logo dizendo: “Meu Deus, ficaram doidos... “Gil, teu cabelo...”. Nos abraçamos e aí eu chorei, pela primeira vez eu chorei na sua frente… Vimos, Gilcéia e eu a mudança no semblante de Micheline… Surgiu uma força dentro dela… Disse-lhe: O seu cabelo vai cair, mas vai crescer de novo, porque você vai se curar… Deus é Grande, não vai nos faltar...

Ela não esperou cair, resolveu passa a máquina. E aí está ela, vencendo e vencendo, melhor dizendo, segundo os seus médicos, venceu o câncer. Venceu o câncer de mama sem fechar o seu escritório de advocacia, participando das audiências, trabalhando os processos, redigindo as suas petições, atendendo aos seus clientes, cuidando da casa, do marido Flávio, da filha Valentina… E o mais bonito de tudo: fazendo palestras, dando entrevistas, lutando contra o câncer de mama. Passando lições às mulheres, com cuidado, com carinho, com amor, com valentia, afirmando sempre da necessidade de que cada uma se TOQUE. Se TOQUE e procure o médico… Que lindo minha filha…. Parabéns! Nós te amamos!

* Autor: Jurandir Carmelo –  Jurandir é pesqueirense, advogado, colaborador assíduo do blog OABELHUDO, cronista, e defensor intransigente coisas e causas da sua Pesqueira. É acima de tudo – bom pai…

Pernambuco/Cultura: Spokfrevo Orquestra Conquista Nova York de vez *

 

 / Foto: Ricardo B. Labastier / JC Imagem

MAESTRO Spok / ENTREVISTA

Spok Maestro :

“O frevo entrou em  Nova

Iorque Pela Porta da Frente “

O músico Faz hum Balanço da Segunda turnê da SFO Nos EUA

 

 

“Eu quero é o frevo em Nova Iorque”, preconizou o compositor Carlos Fernando, numa entrevista concedida ao Caderno C, em 1982. O frevo tocou em Nova Iorque 30 anos depois, timidamente, é certo, na primeira turnê americana da Spokfrevo Orquestra, que, em 2012, passou por mais cinco cidades dos EUA. Domingo, a SFO encerrou em St Louis, Missouri, a segunda turnê pelos Estados Unidos,com quatro concertos, numa das salas mais requintadas do país, ano Lincoln Center, e se apresentou em outros quatro estados, num total de dez shows, e ainda confirmou participação no Rock in Rio USA, em maio de 2015. 

No ônibus, que levava a orquestra de Iowa ao Missouri, para o final da Turnê USA 2014, o maestro Spok, via Gmail, concedeu entrevista sobre a turnê, a importância de entrar  no mercado americano com uma música que até no Brasil ainda é pouco conhecida, os próximos planos da orquestra, terminando a conversa, com versos improvisados em decassílabos, mostrando sua veia para a cantoria de viola, uma de suas paixões.

JORNAL DO COMMERCIO – Spok, qual o balanço que você faria desta segunda turnê americana?

 SPOK – O resultado está sendo excelente, combinando palcos consolidados como a Berklee School of Music em Boston e o Jazz at Lincoln Center em Nova Iorque, com locais menores como Iowa City. Independente do lugar, a reação das pessoas tem sido sempre excelente.

 JC – A turnê de 2012, foi mais ou menos o começo desbravamento de um mercado fechado. Nao apenas fechado, mas bastante seletivo. Como vocë compararia as duas turnês?

 Spok – Eu diria que a primeira turnê foi um ensaio pra uma jornada que está ainda começando. Nessa segunda, tivemos oportunidade de tocar em palcos extremamente importantes, como os mencionados anteriormente. Acho que demos uma passo a frente de um caminho ainda longo a ser percorrido.

JC – A orquestra já esteve até na China, Índia, participou de eventos importante, e de grandes festivais na Europa. Mas lembro você comentando que seria realizar o grande sonho ter acesso ao mercado da música nos Estados Unidos.

 Spok – Sem dúvida, tocar nos EUA sempre foi um sonho meu e de todos da orquestra. Aqui é o berço do jazz, das escolas que sempre estudamos e admiramos, então, tocar para uma plateia acostumada a ver apresentações instrumentais e causar o impacto que acreditamos estar causando é maravilhoso. Carlos Fernando dizia que o frevo deveria chegar a Nova Iorque. Eu entendo o que ele quis dizer. Acho que desta vez, acho que o frevo foi pra Nova Iorque pela porta da frente.

 JC – Wynton Marsalis, foi quem abriu as portas para a SFO nos EUA. Não lhe pareceu que a primeira turnê foi como se ele pretendesse que a orquestra fizesse uma espécie de estágio, tocando em lugares menos badalados?

 Spok – Não sei se isso foi uma intenção de Marsalis, mas é fato que, para a montagem da segunda turnê, recebemos uma carta de recomendação dele e do Jazz at Lincoln Center, o que nos abriu muitas portas para o fechamento das datas que estamos fazendo. O respaldo de uma instituição como a dele foi fundamental, porque, como você mesmo disse, o mercado americano é muito fechado e seletivo. Desta vez, tocamos numa das salas principais do Jazz at Lincoln Center e pudemos ensaiar lado a lado com a Orquestra da casa e de Marsalis. Inclusive, estávamos ensaiando na sala ao lado da deles e fomos convidados para assistir ao ensaio, assim como eles iam nos assistir no intervalo. Tudo isso é muito bacana. O mesmo aconteceu nos dias do show – estávamos tocando simultaneamente em salas no JALC e sempre nos cruzávamos, e tivemos oportunidade de conversar. Os músicos da orquestra do Lincoln Center e Wynton Marsalis chegaram a tocar para nós no backstage. E estamos felizes em poder recebê-los no Recife, o que vai acontecer em abril de 2015, fechando o ciclo.

(O trompetista sanharoense Niraldo Melo e Nova Expressão Fazer o Instrumento consagrado músico Wynton Marsalis)

JC – Então os quatro shows no Lincoln Center foi como se a SFO marcasse seu lugar no circuito musical americano?

Spok – Eu não diria que tanto assim, mas com certeza abriram-se várias janelas. Tivemos uma excelente repercussão na mídia, com crítica positiva de mais de meia página no New York Times, fomos vistos por músicos como George Coleman e Will Calhoum, isso tudo é uma prova que estamos conquistando nosso espaço e despertando curiosidade sim no circuito americano, mas não diria que já temos um lugar marcado, seria muita pretensão de nossa parte achar que sim.

 JC – Mas vocês já começaram tocando para uma plateia seleta, de músicos e estudantes da Berkelee, foi uma estreia emblemática. Como a plateia de especialistas reagiu diante do frevo da SFO?

 Spok – É muito curioso ver a reação inicial das plateias americanas, até as mais especializadas, ao nosso show. Nossa formação é de uma big band, então eu acho que eles esperam ouvir um tipo de música que não é a que nós tocamos. Quando começamos as apresentações, com dois frevos fortes (Spokiando eMoraes é Frevo), a impressão que eu tenho é que as pessoas ficam surpresas. Tipo, “meu Deus, isso é uma big band, mas que música é essa? De onde veio?” À medida que o show progride, notamos que as pessoas vão interagindo mais com a música, ao mesmo tempo que a orquestra vai ficando mais à vontade. Especificamente sobre a apresentação na Berklee, foi muito emocionante para nós, que sempre sonhamos em tocar e estudar em uma instituição como aquela. Após a apresentação, fomos abordados por diversos professores que vieram perguntar sobre o frevo.

Maravilhoso a sensação ouvir de todas das pessoas que assistem às apresentações e nos abordam depois do show dizendo que estão com vontade de ir ao Recife conhecer o frevo. Esse despertar da curiosidade é muito bacana e importante.

JC – A orquestra costuma receber convidados nos shows no exterior, mas como foi receber um gigante do jazz, como o trombonista Wycliffe Gordon? Ele apreendeu o frevo de cara, ou precisou de algumas aulas pra entender o espírito da coisa?

 Spok – Antes de qualquer coisa, assim que soubemos que iríamos tê-lo como convidado no nosso show, foi uma felicidade geral, todos sempre fomos fãs dele. Músicos como Wycliffe Gordon não precisam de muita coisa pra pegar o espírito de qualquer tipo de música. É um caso de um talento diferenciado, de um cara que não precisa de muitas “aulas” pra aprender nenhum tipo de música. Agora, a colaboração entre ele e a orquestra foi maravilhosa. Um músico com a estrada e o talento que ele tem, nos leva a descobrir novos horizontes da liberdade musical, de que não é preciso necessariamente ser metódico para se enquadrar num gênero específico, mesmo no frevo. Ele é o tipo de músico que preza pela liberdade, no momento que ele entendeu a linguagem, ele vai embora sozinho. E um músico do naipe dele não precisa de muitos ensaios pra chegar nesse ponto. No show foi assim: ele nos levava e a gente levava ele. Incrível.

* Fonte: JC / Caderno C

Homens/Novembro Azul: Próstata – Diagnóstico Precoce Cura *

 

Diagnóstico precoce cura

 

 

Hoje é dia do lançamento oficial da campanha Novembro Azul, que alerta para a prevenção e combate ao câncer de próstata, o segundo tipo mais frequente no Brasil entre a população masculina. Até sexta-feira, o Jornal do Commercio trará uma página, no caderno de Cidades, com informações sobre o assunto.

 

 

“A próstata é traiçoeira.” A frase é do farmacêutico-bioquímico Clenz Lira, 58 anos, diagnosticado, em 2011, com câncer de próstata. Argumentos para ele entender que a glândula não merece confiança são fruto da sua própria experiência de vida. “Não tinha o costume de ir ao urologista porque nunca havia sentido nenhum desconforto. De repente, meu pai foi a uma consulta e me aconselhou a ir também“, conta. Na ocasião, o especialista avaliou os valores do PSA (antígeno prostático específico) e fez o exame de toque retal, constatando que havia uma pequena alteração, sendo interessante realizar uma maior investigação. “Não dei muita importância ao que o médico disse já que a alteração do exame tinha sido muito sutil. Além disso, dias depois, meu pai teve um AVC e a saúde dele ficou comprometida. Esqueci-me de mim e me dediquei a cuidar dele.” Foi nesse tempo que a doença se instalou.

No fim de 2010, sentindo fortes dores na região lombar e nos ombros, por sugestão de um amigo, Clenz fez exames de sangue para tentar descobrir o motivo do desconforto. E ele tomou um susto ao ver o resultado: a dosagem do PSA estava acima de mil quando, em 2008, o valor tinha sido cerca de seis. “Não desconfiava de forma alguma que pudesse estar com a doença. Achava que as dores nos ombros e coluna eram por conta do cansaço no trabalho“, falou, explicando assim o porquê de considerar a próstata traiçoeira. “A sensação que tive foi de traição. Em 2008, o PSA estava um pouco alterado e, logo depois, rapidamente, a doença já estava espalhada pelo meu corpo. Deixo um alerta a todos os homens para que deem atenção à próstata e que não ocorra com eles o que aconteceu comigo. Não tenho mais chance de cura, o que se está fazendo é prolongar minha vida”, diz Clenz que continua em quimioterapia e com metástase óssea.

A história de Clenz é uma de muitas que chegam diariamente aos consultórios dos urologistas. Sem pedir licença, a doença chega de fininho. Não avisa. Quando os sinais aparecem é porque o câncer já está num estágio avançando. “Diferente de outras patologias, o câncer de próstata é assintomático. Quando está na fase inicial, é uma doença silenciosa”, afirmou o urologista Guilherme Lima. Na fase avançada, os principais sintomas são dor óssea, dores ao urinar e presença de sangue na urina ou sêmen.

Lima explicou que o diagnóstico da doença é dado a partir da realização destes três exames: dosagem de PSA (verificado através da coleta do sangue), toque retal e ultrassonografia da próstata. Este último sendo solicitado apenas em alguns casos.

“O PSA é uma substância que a próstata produz. Através da dosagem podemos perceber como está o funcionamento da glândula. Importante é ressaltar que a alteração no PSA não é algo específico do câncer de próstata. Outras doenças na próstata (prostatite e hiperplasia prostática benigna) podem modificar seus valores. Então, é importante que as pessoas saibam que ter um PSA acima ou abaixo do valor normal não quer dizer que a pessoa está ou não com a doença“, informa. Lima explicou que aproximadamente 15% dos pacientes podem ter câncer de próstata mesmo com valores de PSA dentro da normalidade. “Por isso, embora seja um exame útil, o PSA sozinho não oferece um diagnóstico seguro.”

O valor da dosagem normal do PSA varia com a idade e o tamanho da próstata. “Não existe um valor padrão. Mas, de um modo geral, dizemos que o ponto de corte de normalidade seria 4. É preciso que haja a interpretação do urologista no caso concreto”, esclarece o médico.

O outro exame que deve ser feito é o do toque retal, realizado no próprio consultório médico. “Não é preciso que o paciente faça algum preparo específico antes de sua realização“, diz. Temido por muitos homens, Lima tranquiliza. “É um exame rápido e indolor. O tempo de duração vai depender do que o examinador estiver encontrando. Mas dura aproximadamente dez segundos.” Ele explica que, a depender do médico, é feito com o paciente deitado de lado na maca.

É através do exame de toque retal que o médico consegue detectar qualquer alteração na próstata, como endurecimento e presença de nódulos suspeitos. De acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia, deve ser realizado por homens acima dos 50 anos ou a partir dos 45, se fizerem parte do grupo de risco.

O outro exame solicitado é a ultrassonografia da próstata. “É um método que não serve para diagnosticar o câncer. Ele é complementar. Vai ajudar a definir o tamanho e o volume da próstata”, disse Lima. Também pode ser solicitada a biópsia da próstata, feita com sedação. É um exame ambulatorial, pedido apenas nos casos de maior suspeita.

 

Saiba mais sobre os

exames diagnósticos

 

Toque retal

Utilizado para diagnosticar anormalidades da próstata. O exame de toque retal é indolor e rápido. Tem duração aproximada de dez segundos. Feito com luva e gel, o especialista utiliza o dedo indicador para sentir a próstata.

PSA

É a dosagem de uma proteína do sangue por meio de exame de sangue. O valor limite do PSA (antígeno prostático específico) aceitável é abaixo de 4 ng/ml, porém, podem existir tumores com PSA abaixo deste valor.

Ultrassom transrretal

Pode ser usado para orientar a biópsia da próstata. Também pode ser útil na determinação do volume prostático e para avaliar a extensão local da doença.

* Fonte: JC/Cidades

Eleições 2014: Carta de Renata Campos a Aécio Neves *

 

João Campos e a Carta de Renata;

Um dos momentos mais emocionantes do ato no Internacional, neste momento, foi a leitura de uma carta da viúva de Eduardo Campos, Renata Campos, lida por João Campos, filho mais velho de Eduardo. O texto fala dos sonhos de Eduardo e os compromissos dele com o Pais.

 

Exiba IMG_2841.JPG na apresentação de slidesExiba IMG_2854.JPG na apresentação de slides

“Bom dia a todas e a todos,

Nossas primeiras palavras são de gratidão ao povo pernambucano, pela confiança, pela bela vitória no dia 5 de outubro. Expressamos nossos sentimentos nas urnas e reconhecemos um caminho. Não desistimos do Brasil. Nosso muito obrigado ao povo Pernambucano!

Para nós, esse foi um ano muito duro. Perdemos nosso Eduardo, nosso Dudu, nosso pai, nosso líder, nosso guia. Ele tinha um grande sonho: tornar o Brasil um pais mais justo, mais humano, mais equilibrado, onde as pessoas estivessem em primeiro lugar. Dedicou sua vida à construção desse sonho. Ele sabia que, para chegar nesse novo Brasil, era preciso um novo caminho.

Infelizmente, quis o destino que o caminho que sonhávamos não se tornasse possível.

Hoje, temos duas possibilidades: continuar como estamos ou trilhar um caminho de mudança. O Brasil pede mudanças. O governo que ai está tornou-se incapaz de realizá-las. Continuamos acreditando nos mesmos valores, continuamos com os mesmos sonhos. Só será possível mudar o Brasil se tivermos capacidade de unir e dialogar, respeitando as diferenças. É preciso reconhecer os avanços que tivemos, as contribuições de todos, mas é fundamental organizar a casa, arejar.

Aécio, acredito na sua capacidade de dialogo e gestão. Sei que não é a primeira vez que seu caminho cruza com o de Eduardo. Lembro que, lá trás, em momentos importantes da história, o caminho do seu avô Tancredo cruzou com o de Dr. Arraes. Sei que também eram diferentes, mas souberam se unir pelo bem do Brasil. Em vários momentos, quando era necessário, você e Eduardo sabiam sentar e dialogar, encontrar caminhos.

Eduardo tinha bandeiras muito claras, e se quisermos mudar o Brasil é preciso levar adiante seus ideais: as reformas pelas quais ele tanto lutou, o pacto federativo, saúde mais 10, o Pacto pela Vida, uma educação de qualidade com escolas em tempo integral, passe livre, um desenvolvimento com sustentabilidade, entre outras.

Penso, Aécio, que hoje é um dia muito importante na sua caminhada, aqui no Nordeste, em Pernambuco, estado que sempre foi palco de lutas libertárias, que tem um povo generoso, com força e coragem. Estado que tem a cara de Eduardo e Arraes. Daqui você vai levar a garra e a energia desse povo, que serão fundamentais e essenciais para construção de um novo Brasil. Um Brasil que se respeite, reconheça suas diferenças, que saiba combater as desigualdades, criando oportunidades para todos. Só assim seremos capazes de construir uma nação justa, soberana, livre, fraterna e equilibrada, como Eduardo tanto sonhou.

Somos nordestinos, pernambucanos, e queremos juntos, construir a nação brasileira!

 

Siga em frente, Aécio! Boa sorte! Que Deus nos proteja! Obrigada.”

 

* Renata Campos

 

– Fonte; Equipe de Imprensa 40

Nobel da Paz: O Mundo está mais Justo e mais Nobre *

 

 

Paquistanesa e indiano

ganham o Nobel da Paz 2014

 

A ativista adolescente paquistanesa Malala Yousafzai, de 17 anos de idade.

 

(Foto: Luke MacGregor/Reuters A ativista adolescente paquistanesa Malala Yousafzai, de 17 anos de idade.)

A ativista adolescente paquistanesa Malala Yousafzai e o presidente da Marcha Global contra o Trabalho Infantil, o indiano Kailash Satyarthi, ganharam o Nobel da Paz 2014, informou nesta sexta-feira o Comitê Nobel da Noruega.

O prêmio foi concedido pelo Comitê “por sua luta contra a repressão das crianças e dos jovens e pelo direito de todas as crianças à educação”.

Nos países mais pobres do mundo, 60% da população é menor de 25 anos, lembrou o júri para afirmar que o respeito aos direitos das crianças e dos jovens é “um pré-requisito para um desenvolvimento global em paz”.

No caso de Kailash Satyarthi, o Comitê destacou seu “grande valor pessoal” que, “na tradição de Gandhi”, o levou a liderar protestos e manifestações, todas pacíficas, para denunciar a exploração infantil.

“Contribuiu além disso para o desenvolvimento de grandes convenções internacionais dos direitos das crianças”, ressaltou, ao argumentar a concessão do Nobel da Paz.

No caso de Malala Yousafzay, que já aparecia como uma das favoritas para ganhar o prêmio em 2013, o Comitê ressaltou que, “apesar de sua juventude, já lutou por vários anos pelo direito das meninas à educação e mostrou com seu exemplo que crianças e jovens também podem contribuir para melhorar a sua própria situação”.

“Ela fez isso nas mais perigosas circunstâncias. Através de sua luta heroica, se transformou em uma porta-voz e líder a favor do direito das meninas à educação“, acrescentou o júri.

Ao premiar um hindu e uma muçulmana, um indiano e uma paquistanesa, o Comitê também apostou em uma “luta conjunta a favor da educação e contra os extremismos”.

Também foi lembrada a importância do trabalho de todas as pessoas e organizações que atuam contra a exploração infantil. Segundo os números divulgados, é estimado que haja cerca de 168 milhões de crianças que trabalham no mundo, 78 milhões a menos que no ano 2000.

Nascido em 1954 em Vidisha, na Índia, país onde ainda reside, Kailash Satyarthi (foto) é presidente da ONG Marcha Global contra o Trabalho Infantil. Liderou em 1998 uma mobilização civil contra o exploração infantil que reuniu cerca de 7,2 milhões de pessoas e que deu lugar ao nascimento da ONG.

A paquistanesa Malala Yousafzay, nascida em 1997, em Mingora, ficou gravemente ferida há dois anos quando o ônibus escolar em que era transportada foi atacado. Foi transferida para o Reino Unido devido ao temor por sua segurança e foi submetida a várias intervenções.

Malala se tornou nos dois últimos anos um ícone da luta pelos direitos das meninas à educação e foi escolhida em 2013 pela revista Time uma das pessoas mais influentes do mundo.

* Fonte: MSN/Notícias

Movimento Cultural/Recife: O IRB está entre os 25, Mais Importantes do Mundo *

 

 

INSTITUTO RICARDO BRENNAND

IRB, ENTRE OS MAIS IMPORTANTES

MUSEUS DO MUNDO

 

 

Na sua página da Internet de ontem, o jornal “O Estado de S. Paulo” anuncia o INSTITUTO RICARDO BRENNAND (Recife) entre os melhores museus de todo mundo, segundo avaliação dos leitores e usuários do site TripAdvisor:

Brasil tem dois museus entre os 25 melhores do mundo; veja ranking

INSTITUTO RICARDO BRENNAND e o INHOTIM foram bem avaliados pelos usuários do site TripAdvisor

Dois museus brasileiros estão entre os 25 melhores do mundo segundo um prêmio do site de viagens TripAdvisor. O Instituto Ricardo Brennand, no Recife, ficou em 17º lugar, enquanto Inhotim, em Minas Gerais, ficou na 23° posição. O instituto recifense está acima do Louvre, em Paris, um dos mais famosos do mundo, que atingiu a 19°posição. O Art Institute of Chicago garantiu o 1° lugar mundial.

O Travelers’ Choice Museus 2014, que reconhece os melhores museus do mundo de acordo com a opinião dos 280 milhões de usuários mensais do site, será anunciado globalmente nesta terça-feira, 16. No total, 509 museus foram classificados.
TripAdvisor/Divulgação:

Instituto Ricardo Brennand é um dos melhores museus do mundo

Na América do Sul, o Instituto Ricardo Brennand e Inhotim ficaram em 1° e 2° lugar, respectivamente, superando os resultados de 2013. No ano passado, a instituição mineira aparecia apenas em 3° lugar, atrás do Museu do Ouro, em Bogotá, e do Museu Larco, em Lima. O Instituto Ricardo Brennand nem constava nos melhores do continente. Entre os dez melhores, ainda aparece o Museu da Língua Portuguesa em 4°, a Pinacoteca de São Paulo em 7°, o Museu do Futebol em 9° e o Catavento em 10°.

A cidade de São Paulo teve cinco representantes entre os top 10 brasileiros.

Veja os rankings:

MUNDO

1) Art Institute of Chicago (Chicago, Estados Unidos)
2) Museo Nacional de Antropologia (Cidade do México, México)
3) State Hermitage Museum and Winter Palace (São Petesburgo, Rússia)
4) The Getty Center (Los Angeles, Estado Unidos)
5) Galleria dell’Accademia (Florença, Itália)
6) Musée d’Orsay (Paris, França)
7) The Metropolitan Museum of Art (Nova York, Estados Unidos)
8) The Acropolis Museum (Atenas, Grécia)
9) Museo Nacional del Prado (Madri, Espanha)
10) Yad Vashem Holocaust Memorial (Jerusalém, Israel)
11) The National WWII Museum (Nova Orleans, Estados Unidos)
12) National Gallery (Londres, Inglaterra)
13) Vasa Museum (Estocolmo, Suécia)
14) National Gallery of Art (Washington, Estados Unidos)
15) British Museum (Londres, Inglaterra)
16) Hagia Sophia Museum (Istambul, Turquia)
17) INSTITUTO RICARDO BRENNAND (RECIFE)
18) Galleria Borghese (Roma, Itália)
19) Musée du Louvre (Paris, França)
20) The Rijksmuseum – National Museum (Amsterdã, Holanda)
21) Smithsonian National Air and Space Museum (Washington, Estados Unidos)
22) The Museum of Qin Terracotta Warriors and Horses (Xi’an, China)
23) Inhotim (Brumadinho, Brasil)
24) Museum of New Zealand – Te Papa Tongarewa (Wellington, Nova Zelândia)
25) Museo del Oro (Bogotá, Colômbia)

BRASIL

1) Instituto Ricardo Brennand (Recife)
2) Inhotim (Brumadinho)
3) Museu da Língua Portuguesa (São Paulo)
4) Pinacoteca do Estado de São Paulo (São Paulo)
5) Museu do Futebol (São Paulo)
6) Museu Imperial (Petrópolis)
7) Catavento Cultural (São Paulo)
8) Museu de Ciências e Tecnoligia da PUCRS (Porto Alegre)
9) Museu da Gente Sergipana (Aracaju)
10) Museu da TAM (São Carlos)

 

* Fonte: Estadão/Por Mônica Reolom – O Estado de S. Paulo 16 Setembro 2014 | 07h 00

Brasil/Opinião: Cristovam Buarque: Quais as consequências da violência na escola para a educação no país ? *

 

Escola é violenta com aluno,

diz Cristovam Buarque

 

 

Para Buarque, para solucionar problema da violência no curto prazo "só colocando valium na merenda"

Para Buarque, para solucionar problema da violência no curto prazo “só colocando valium na merenda”

 

 

 

“…Os próprios professores são tratados como seres sem importância, que ganham salários baixos…”

Um dos grandes defensores da educação como instrumento de transformação do Brasil, o senador Cristovam Buarque considera que o problema da violência na rede pública de ensino do país é gerado principalmente por causa da desvalorização da escola como instituição.

Em entrevista exclusiva à BBC Brasil, Cristovam afirma que a escola no Brasil “está sem moral”. “A escola desvalorizada gera violência, e a violência desmoraliza ainda mais a escola. Os jovens sabem que saindo com o curso ou sem, de tão ruim que são os cursos, não vai fazer diferença, porque o curso não agrega muito na vida dele. Os alunos não veem retorno na escola”, explica.

O tema da violência em sala de aula foi destacado por internautas ouvidos pela BBC Brasil como um assunto que deveria receber mais atenção por parte dos candidatos presidenciais e vem gerando acirrados debates em posts que publicamos nos últimos dias nas nossas páginas de Clique Facebook, Clique Twitter e Clique Google+.

Ministro da Educação do governo Lula entre 2003 e 2004, Cristovam Buarque chegou a se candidatar à Presidência em 2006 levantando como principal bandeira a “revolução na educação de base”. Ele acredita que só ela poderia resolver de vez o problema da violência e fazer com que a escola voltasse a ser respeitada no país.

BBC Brasil – Como o senhor define o problema da violência nas escolas do Brasil? Por que ele acontece?

Cristovam Buarque – A sociedade brasileira é uma sociedade muito violenta hoje, então as pessoas se sentem no direito de agir violentamente, às vezes, até não necessariamente com agressão física, mas com palavras.

As escolas estão rodeadas de traficantes, a violência do meio influencia. O outro é o fato de que a escola não é uma instituição valorizada e, ao não ser valorizada, as crianças também entram na mesma onda da não valorização, se sentem no direito de quebrar os vidros, se sentem no direito de levar as coisas pra fora.

Aqui mesmo na UnB (Universidade de Brasília), eu vi a enciclopédia britânica sendo rasgada, porque o aluno em vez de tirar o xérox da folha que ele precisava, arrancou a página e levou. Os próprios professores são tratados como seres sem importância, que ganham salários baixos. Além disso os jovens sabem que saindo com o curso ou sem, de tão ruim que são os cursos, ele sabe que não agrega muito na vida dele. Os alunos não veem retorno da escola.

BBC Brasil – Quais as consequências da violência na escola para a educação no país?

Cristovam Buarque – A escola desvalorizada gera violência, e a violência desmoraliza ainda mais a escola. Os professores hoje estão fugindo, porque o salário é baixo e há muito desrespeito com relação à profissão deles. Quando a gente analisa o concurso para entrar na universidade, o vestibular, os últimos cursos na preferência dos vestibulandos são pedagogia e licenciatura, isso gera um clima de desvalorização.

Leia a Íntegra:

Leia MaisEscolas, alunos e professores ‘não falam mesma língua’

* Fonte: Renata Mendonça  –  Da BBC Brasil em São Paulo

Sanharó: Prefeito, que tal construir um Centro de Convivência de Idosos? – Por Marco Soares *

PROPOSTA PARA O

CENTRO DE CONVIVÊNCIA DE IDOSOS

 

“Fernandinho Fernandes, prefeito de Sanharó: Podemos aproveitar o terreno da Av. Jurandir de Brito onde foi demolido um colégio, por razões mais que justificadas, e fazer pelo menos um Centro de Convivência de Idosos”.

 

 

Terreno da antiga quadra e a sobra da demolição do colégio que nunca funcionou

Terreno da antiga quadra e a sobra da demolição do colégio que nunca funcionou

terreno PMS 4 WP_001654terreno PMS 2 WP_001656

Município NÃO dispõe de NENHUM equipamento para as pessoas da 3ª idade

Município NÃO dispõe de NENHUM equipamento para as pessoas da 3ª idade. Poderia ser nessa local, antes que invadam…

 

 

 

Na cidade de João Pessoa foi inaugurado um condomínio com 40 unidades habitacionais (com área de 54m²cada) totalmente adaptado às necessidades das pessoas idosas. O local ainda possui vigilância, praça, pista de caminhada, redário, sala de atendimento médico, centro de convivência e horta.

O condomínio foi visitado neste final de semana por Eduardo Campos e Marina Silva. Eduardo considerou que iniciativas como a desenvolvida pelo governo da Paraíba devem ser levadas para todos os municípios brasileiros.

“O Brasil precisa respeitar o idoso brasileiro, com políticas públicas que valorizem a aposentadoria, que aumente a assistência do SUS para a pessoa idosa, oferta de medicamentos que corroem a maior parte da renda, porque grande parte da renda do idoso é gasta com medicação (…) A CIDADE MADURA, criada aqui na Paraíba, tem que ser levada como modelo para todo o País, para garantir uma atenção humanizada aos idosos, que precisam de moradia, de convivência social e de ter uma vida digna”.

Fernandinho Fernandes, prefeito de Sanharó: Podemos aproveitar o terreno da Av. Jurandir de Brito onde foi demolido um colégio, por razões mais que justificadas, e fazer pelo menos um Centro de Convivência de Idosos.

Prontifico-me a negociar o projeto com os arquitetos de Sanharó para doá-lo ao município; a Prefeitura se incumbe de obter os recursos para a obra e, depois de concluída, ofereço-me para administrá-la da forma desprendida que sempre me caracterizou (a movimentação financeira e responsabilidades decorrentes ficarão a cargo da Prefeitura).

Vossa Excelência topa?

 

 

marco soares

 

* Autor: Marco Soares – Marco Aurélio Ferreira Soares – é sanharoense, engenheiro civil, professor, colaborador PIONEIRO do OABELHUDO, cronista, contista, poeta e escritor, já tendo lançado 6 livros. marcosanharo@yahoo.com.br

Educação/Pernambuco: Governa premia através do BDE – Bônus de Desempenho Educacional*

 

Governo de Pernambuco premia

servidores da educação e eleva

qualidade da rede pública estadual

 

 

 

14 das 17 Geres receberam premiação por obtenção de êxitos...

14 das 17 Geres receberam premiação por obtenção de êxitos…

 

 

 

Com desempenho superior a 70%, a rede pública de educação de Pernambuco celebra, nesta quinta-feira (31/07), a superação das metas estabelecidas no ano de 2013. O reconhecimento dos bons resultados veio através da liberação do Bônus de Desempenho Educacional (BDE), que já está em sua quinta edição. Este ano, o Governo de Pernambuco, através da Secretaria de Educação, premiou 19 mil servidores da educação, num investimento total de R$ 60 milhões, por meio do BDE.

Foram contempladas 14 das 17 Gerências Regionais, área que obteve o desempenho escolar na casa dos 80%. Com 100% das metas atingidas, as escolas do Sertão do Araripe lideram o ranking pernambucano. A regional do Sertão Central, de Salgueiro, ficou em segundo lugar, com 90%; em terceiro, ficou a regional Recife Sul, com 89%. A premiação individual, que será depositada na conta dos servidores no dia 21 de agosto, varia de R$ 624,12 a R$ 4,691.

Para o secretário de Educação e Esportes, Ricardo Dantas, a cerimônia, que aconteceu no Palácio do Campo das Princesas, é a celebração do avanço na qualidade da educação de Pernambuco. “Também é importante ressaltar que a maioria das premiações praticadas em outros estados da Federação mede apenas o cumprimento de tarefas. “Aqui, nós reconhecemos o resultado desse trabalho no alunado”, disse Dantas, explicando que esse é o grande diferencial do BDE para os demais mecanismos de premiação. É importante ressaltar que as metas são estabelecidas de acordo com a realidade da região e também de cada unidade educacional. “Nós temos a consciência que cada escola tem realidades e desafios diferentes”, completou Dantas.

Para Maria Jucileide de Alencar, que é gestora da regional do Sertão do Araripe, o segredo para os bons resultados é “o esforço dos profissionais”. “Essa premiação representa a força dos pernambucanos e que nós sempre podemos mais“, disse Jucileide. A gestora da regional Recife Sul, Marta Lira, completou dizendo que o trabalho em equipe é fundamental para o sucesso. “Através de um trabalho de alinhamento com as escolas, nós ouvimos alunos e professores para chegar a um denominador comum”, explicou Marta, lembrando que a sua gerência, localizada na Capital, contempla 88 unidades educacionais.

Sobre as três regionais que não atingiram as metas, o secretário garantiu que os números também são positivos. “O levantamento aponta que as gerências que não conseguiram bater a meta obtiveram resultados razoáveis, com percentual próximo da meta”, disse Dantas, explicando que essas escolas vão receber um apoio pedagógico diferenciado. “Além de reconhecer o trabalho realizado pelos servidores, nós monitoramos a qualidade da educação pública no Estado”, disse o secretário, explicando o sistema está “alinhado com a gestão adotado pelo Governo de Pernambuco, que valoriza o funcionário público”, finalizou.

* Fonte: Secretaria da Casa Civil/Secretaria de Imprensa de Pernambuco
Foto: Eduardo Braga/SEI

Movimento Cultural/Poesia: O Poeta – Por Gera Santana *

fernando pessoa o poeta fingidor

O poeta

 

 

O poeta não olha… Vislumbra!
O poeta não fala… Declama!
O poeta não vê… Alarga horizontes!
O poeta não anda… Flutua!
O poeta não imagina… Sonha!
O Poeta não planta… Semeia!
O poeta não realiza… Embeleza!
O poeta não faz… Cria!
O poeta não gosta… Ama!
O poeta não faz sexo… Atinge a plenitude!
O poeta não tem limites… É além, muito além!
O poeta não canta… Encanta!
O poeta não abraça… Envolve!
O poeta não ri… Ilumina!
O poeta não chora… Verte cristais!
O poeta não sente… Ele é o sentimento!
O poeta não morre… Desloca-se pra outras vidas!

Nesta e em todas as vidas
O poeta está sempre ao lado de Deus!

 

Gera Santa discursando na APLA

 

* Autor: Gera Santana  –  José Geraldo Tenório Santana é pesqueirense, professor, colaborador do OABELHUDO, cronista, poeta, radialista e cerimonialista.