Category Archives: Comportamento

Brasil: Como se faz uma “fábrica de Doenças? * – Colaboração de Lidinho Cintra

COMO A MEDICINA DA

DOENÇA FUNCIONA

 

cachetes

 

 

 

 

Aos 30 anos, você tem uma depressãozinha, uma tristeza meio
persistente: prescreve-se FLUOXETINA.

A Fluoxetina dificulta seu sono. Então, prescreve-se CLONAZEPAM, o Rivotril da vida. O Clonazepam o deixa meio bobo ao acordar e reduz sua memória. Volta ao doutor.

Ele nota que você aumentou de peso. Aí, prescreve SIBUTRAMINA.

A Sibutramina o faz perder uns quilinhos, mas lhe dá uma taquicardia incômoda. Novo retorno ao doutor. Além da taquicardia, ele nota que você, além da “batedeira” no coração, também está com a pressão alta.

Então, prescreve-lhe LOSARTANA e ATENOLOL, este último para reduzir sua taquicardia.

Você já está com 35 anos e toma: Fluoxetina, Clonazepam, Sibutramina, Losartana e Atenolol. E, aparentemente adequado, um “polivitamínicos”
é prescrito. Como o doutor não entende nada de vitaminas e minerais, manda que você compre um “Polivitamínico de A a Z” da vida, que pra muito pouca coisa serve. Mas, na mídia, Luciano Huck disse que esse é ótimo. Você acreditou, e comprou. Lamento!

Já se vão R$ 350,00 por mês. Pode pesar no orçamento. O dinheiro a ser gasto em investimentos e lazer, escorre para o ralo da indústria farmacêutica. Você começa a ficar nervoso, preocupado e ansioso (apesar da Fluoxetina e do Clonazepam), pois as contas não batem no fim do mês. Começa a sentir dor de estômago e azia. Seu intestino fica “preso”. Vai a outro doutor. Prescrição: OMEPRAZOL + DOMPERIDONA+LAXANTE “NATURAL”.

Os sintomas somem, mas só os sintomas, apesar da “escangalhação” que virou sua flora intestinal. Outras queixas aparecem. Dentre elas, uma é particularmente perturbadora: aos 37 anos, apenas, você não tem mais potência sexual. Além de estar “brochando” com frequência, tem pouquíssimo esperma e a libido está embaixo dos pés.

Para o doutor da medicina da doença, isso não é problema. Até manda você escolher o remédio: SILDANAFIL, TADALAFIL, LODENAFIL ou VARDENAFIL, escolha por pim-pam-pum. Sua potência melhora, mas, como consequência, esses remédios dão uma tremenda dor de cabeça, palpitação, vermelhidão e coriza. Não há problema, o doutor aumenta a dose do ATENOLOL e passa uma NEOSALDINA para você tomar antes do sexo.

Se precisar, instila um “remedinho” para seu corrimento nasal, que sobrecarrega seu coração.

Quando tudo parecia solucionado, aos 40 anos, você percebe que seus dentes estão apodrecendo e caindo. (entre nós, é o antidepressivo).

Tome grana pra gastar com o dentista. Nessa mesma época, outra
constatação: sua memória está falhando bem mais que o habitual. Mais uma vez, para seu doutor, isso não é problema: GINKGO BILOBA é prescrito.

Nos exames de rotina, sua glicose está em 110 e seu colesterol em 220.
Nas costas da folha de receituário, o doutor prescreve METFORMINA + SINVASTATINA. “É para evitar Diabetes e Infarto”, diz o cuidador de sua saúde ( ? ! ).

Aos 40 e poucos anos, você já toma: FLUOXETINA, CLONAZEPAM, LOSARTANA, ATENOLOL, POLIVITAMÍNICO de A a Z, OMEPRAZOL, DOMPERIDONA, LAXANTE “NATURAL”, SILDENAFIL, VARDENAFIL, LODENAFIL ou TADALAFIL, NEOSALDINA (ou “Neusa”, como chamam), GINKGO BILOBA, METFORMINA e SINVASTATINA (convenhamos, isso está muito longe de ser saudável!). Mil reais por mês! E sem saúde!!!

Entretanto, você ainda continua deprimido, cansado e engordando. O doutor, de novo. Troca a Fluoxetina por DULOXETINA, um antidepressivo “mais moderno”. Após dois meses você se sente melhor (ou um pouco “menos ruim“). Porém, outro contratempo surge: o novo antidepressivo o faz urinar demoradamente e com jato fraco. Passa a ser necessário levantar duas vezes à noite para mijar. Lá se foi seu sono, seu descanso extremamente necessário para sua saúde. Mas isso é fácil para seu doutor: ele prescreve TANSULOSINA, para ajudar na micção, o ato de urinar. Você melhora, realmente, contudo… não ejacula mais. Não sai nada! Vou parar por aqui. É deprimente. Isso não é medicina. Isso não é saúde.

Essa história termina com uma situação cada vez mais comum: a DERROCADA EM BLOCO da sua saúde. Você está obeso, sem disposição, com sofrível ereção e memória e concentração deficientes. Diabético, hipertenso e com suspeita de câncer. Dentes: nem vou falar. O peso elevado arrebentou seu joelho (um doutor cogitou até colocar uma prótese). Surge na sua cabeça a ideia maluca de procurar um CIRURGIÃO BARIÁTRICO, para “reduzir seu estômago” e um PSICOTERAPEUTA para cuidar de seu juízo é aconselhado.

Sem grana, triste, ansioso, deprimido, pensando em dar fim à sua minguada vida e… DOENTE, muito doente! Apesar dos “remédios” (ou por causa deles!!).

A indústria farmacêutica? “Vai bem, obrigado!”, mais ainda com sua valiosa contribuição por anos ou décadas. E o seu doutor? “Bem, obrigado!“, graças à sua doença (ou à doença plantada passo-a-passo em sua vida).

* Autor: Por Carlos Bayma (médico)

Movimento Cultural/Poesia: Meu Brasil brasileiro de Angela Lucena *

mapa do brasil verde e amareloolho verde e amarelocoraçao verde e amareloCristo verde e amarelo Brasileiro

Meu Brasil brasileiro

 

 

 

País de mulheres lindas
De praias maravilhosas
Onde canta o rouxinol
Tem o melhor futebol
E muita gente famosa

Sua cultura é riquíssima
Desde a colonização
País de muitas histórias
De um passado de glórias
Entre rei, escravo e barão.

Mas, em meio a tudo isto
A estas belezas mil
Temos também que mostrar
Como cidadãos questionar
Como anda este Brasil.

Saúde pública em apuros
Distúrbios na educação
Desemprego e violência
As drogas com Abrangência
Dominam nossa nação.

Mortes, assaltos constantes
E tantas mesas sem pão
É falta de moradia
Estupros, pedofilia
E muita corrupção.

Belas matas devastadas
E rios sem correntezas
Animais em extinção
O ar só poluição
Maltratando a natureza.

Somos eternos amantes
Somos filhos apaixonados
Que a este Brasil multicor
Demonstramos nosso amor
Mesmo estando inconformados.

Oh! Meu Brasil brasileiro
És minha adorada terra
Em prantos peço socorro…
Se for preciso até morro
Pedindo paz e não guerra.

 

 

Angela Lucena de perfil

 

 

* Autora: Angela Maª de Melo Lucena  –  Angela é sanharoense do distrito Jenipapo, filha do grande poeta e repentista João Cabeleira, professora, colaboradora do OABELHUDO, poetisa e cronista.

Artigo/Opinião: O Desmazelo Fiscal *

POLÍTICA

O desmazelo fiscal

Está na hora de pôr ordem na casa, e o governo nas mãos de quem sabe governar.

O volume de empréstimos do Tesouro a bancos públicos aumentou cerca de vinte vezes desde 2007, passando de 0,5% para mais de 9% do PIB.

Alguns analistas repetem o refrão: vistos em conjunto os governos Itamar Franco/Fernando Henrique e Lula/Dilma serão percebidos no futuro como uma continuidade. Houve a estabilização da economia, as políticas sociais foram ativadas e, a democracia, mantida. Sim e não, digo eu.

É certo que, no primeiro mandato de Lula, as políticas macroeconômicas foram sustentadas pelo chamado “tripé” (Lei de Responsabilidade Fiscal, metas para a inflação e câmbio flutuante) e que a crise de 2008 foi razoavelmente bem manejada. Mas depois o governo lulista sentiu-se à vontade para levar adiante o sonho de alguns de seus membros.

A, então poderosa, ministra-chefe da Casa Civil se opôs desde logo aos economistas, inclusive do governo, que propunham limitar a expansão do gasto público ao crescimento do PIB. Na área fiscal, só fizemos piorar. Ao mesmo tempo, pouco se fez para sanear a máquina pública, infiltrada por militantes e operadores financeiros, e estancar a generalização do dá cá (apoio ao governo e votos), toma lá (nomeações para ministérios, empresas públicas e áreas administrativas).

O governo alardeia estar cumprindo as metas de superávit primário, quer dizer, o resultado das contas públicas antes do pagamento dos juros da dívida. Cumprir essas metas é essencial para assegurar a queda da dívida como proporção do PIB. Desde 2009, o governo vem se valendo de expedientes para “cumpri-las”, às vezes mediante fabricação de receitas por contabilidade criativa, como em 2012, ora com uso de receitas extraordinárias, como em 2014, quase sempre com o adiamento de despesas que vão engordando os chamados restos a pagar.

Leia a Íntegra:

 http://goo.gl/UIHzbX

FHC josias

* Fonte: O Globo/Autor: Fernando Henrique Cardoso – Ex-presidente da República

Pesqueira/História: Quantos anos realmente tem Pesqueira? *

Quantos anos tem Pesqueira?

 

 

Pesqueira capa do livro pesqueira secularSenado de Cimbres 600079_339573652790452_1674022860_n

(Pesqueira em dois momentos: 1 – Capa do livro Pesqueira Secular, publicado em homenagem ao 100 anos. – 2 – Casa do antigo Senado de Cimbres que existe h,a 250 anos)

O tema a ser tratado é simples, porém, por incrível que pareça, ainda gera embaraços até mesmo nas autoridades e políticos locais.

Pode-se dizer que, como unidade política, a Pesqueira atual surgiu em 13 de maio de 1836, quando a Lei Provincial Nº 20 transferiu a sede da Vila de Cimbres para a povoação ao pé da serra, que naquela época já fazia vários anos que sediava as atividades da Comarca. A antiga sede, por ficar no alto da serra, oferecia acesso difícil. Já Pesqueira, embora fizesse poucos anos que não passava de uma fazenda de criação, além de oferecer fácil chegada, já tinha alcançado grande desenvolvimento. Para alguns, o capitão-mor Manoel de Siqueira tinha construído sua fazenda Poço Pesqueiro em 1800 propositadamente para o que ela se tornou. E por pouco o velho fundador não viu a fazenda virar sede da vila de Cimbres, pois morreu em 1831, cinco anos antes.

A Lei Nº 20/1836 não fala em Pesqueira se tornar vila, fala apenas na transferência da sede de Cimbres. Entenda-se que Cimbres mudava de endereço, tudo que funcionava lá devia passar a funcionar oficial e definitivamente na povoação ao pé da serra do Ararobá. É com essa lei que a povoação recebe oficialmente o nome de “Pesqueira” e, podemos deduzir, é transformada automaticamente em vila, já que se torna sede de uma unidade política.

Já em 20 de abril de 1880, a Lei Nº 1484, assinada por Adelino de Lima Freire, vice-presidente de Pernambuco, elevou a vila de Pesqueira à categoria de cidade. A publicação confirma ainda o que já havia sido deduzido antes: Pesqueira já era vila em 13 de maio 1836, e acabara de se tornar a 15ª cidade da Província e a primeira de todo o sertão. A próxima elevação de vila a cidade só ocorreria 15 anos depois, com Petrolina em 1895.

O texto da Lei segue abaixo:

LEI Nº 1.484, DE 20 DE ABRIL DE 1880

O Bacharel ADELINO ANTONIO DE LUNA FREIRE, Oficial da Imperial Ordem da Rosa, Juiz de Direito e Vice-Presidente da Província de Pernambuco.

Faço saber a todos os habitantes os seus habitantes que a Assembleia Legislativa Provincial decretou e eu sancionei a resolução seguinte:

Art. 1º – Fica elevada à cathegoria de cidade a villa de Santa Águeda de Pesqueira, sob a mesma denominação.

Art. 2º – Ficam revogadas as disposições em contrário.

Mando, portanto, a todas as autoridades a quem o conhecimento e execução da presente resolução pertencer, que a cumpram e façam cumprir tão inteiramente como nella se contêm.

O secretário da Presidência desta Província a faça imprimir, publicar e correr.

Palácio da Presidência de Pernambuco, 20 de abril de 1880, 59º da Independência e do Império.

(a) ADELINO ANTONIO DE LIMA FREIRE

Algumas cidades, a exemplo de São Bento do Una e Serra Talhada, comemoram seus aniversários nas datas referentes à criação de suas vilas, ou, de forma geral, à sua emancipação política, já que na época do Império era essa a denominação das sedes municipais.

São Bento do Una, se tornou vila em 30 de abril de 1860, quando obteve emancipação de Garanhuns, e foi elevada a cidade pela Lei Estadual nº 440 em 8 de Junho de 1900. Serra Talhada emancipou-se de Flores em 6 de junho de 1851, quando tornou-se vila.

Seguindo esse pensamento, Pesqueira deveria ter comemorado, no último 13 de maio, 175 anos de idade, mas comemorou 131 anos de elevação à categoria de cidade em 20 de abril, como tem sido todos os anos.

Os mais desavisados hão de pensar que as duas importantes cidades citadas como exemplo são mais velhas que Pesqueira. No entanto, como explicado, a realidade é o contrário: Pesqueira, seja como vila ou seja como cidade, é mais antiga que ambas.

Na opinião de Gilvan de Almeida Maciel (ver Crônicas da Pátria Pesqueirense, 2008, EDUFERPE), que é também a minha, a data magna de Pesqueira devia ser o 13 de maio e não o 20 de abril.

É importante lembrar que para Pesqueira jamais houve emancipação política. E, embora a sede da vila (sede do município) tenha sido transferida, o nome não fora mudado de imediato. Tudo que era assinado em Pesqueira era com o nome de Cimbres, esse permaneceu como o nome do município até 1913, quando por uma decisão local, passou a ser “Pesqueira”.

O assunto vila-município-comarca será tratado com mais ênfase posteriormente, pois é motivo de grande confusão entre a maioria dos leitores. Uma abordagem com mais detalhes, acredito, valerá a pena.

 

marcelo do nascimento Oliveira

 

* Fonte/Autor: blogspot – Pesqueira Histórica/Marcelo Oliveira do Nascimento (Editor do blog)

(Matéria publicada originalmente em 22 de junho de 2011)

Movimento Cultural/Poesia: Ah, como te amei! – Por Núbia Cavalcanti *

poesias antologicas nubia cavalcanti

Ah, como eu te amei!

 

 

Amei! Ah, como eu te amei!
De corpo e alma me entreguei
A esse sentimento avassalador
Que do meu ser se apoderou
E no meu peito se alojou
Preenchendo o vazio existente.

 

Amei! Ah, como eu te amei!
E em nome desse amor imenso
Os meus sonhos abandonei
E um novo caminho eu segui
Para viver ao lado teu
Uma paixão alucinante.

 

Amei! Ah, como eu te amei!
Mas ao acordar um dia
Encontrei a nossa cama vazia
E sobre o criado-mudo
Apenas uma carta de despedida
E a aliança que selou nossa união.

 

P.S. – Poema publicado na Antologia de Poetas Brasileiros Contemporâneos.

 

Nubia Cavalcante dos Santos foto 3

 

 

* Autora: Núbia Cavalcanti  –  Núbia Cavalcanti dos Santos

Artigo/História: Gregório Bezerra – Como era um militante de esquerda no século 20 *

 

DEPUTADO GREGÓRIO,

PRESENTE!

 

deputado Gregorio Bezerra

 

 

Como era um militante

de esquerda no século 20

 

 

 

Gregório Bezerra ganhou as eleições para deputado federal e pouco antes de assumir o mandato deparou-se com um problema: não tinha roupa adequada para tomar posse nem o dinheiro para comprar a passagem para o Rio, então capital federal. Fizera campanha com apenas uma calça e uma camisa, que ganhara de um amigo, e um par de sapatos usados, que lhe fora doado por outro. A calça, a camisa e os sapatos chegaram ao fim da campanha em estado lastimável. Os sapatos, por exemplo, estavam estourados de um lado e furados na sola.

Gregório fora preso em novembro de 1935, após o episódio que ficou conhecido como Intentona Comunista, e solto quase 10 anos depois, em abril de 1945, com a anistia concedida pelo governo Getúlio Vargas. Em 2 de dezembro de 1945 foi eleito deputado federal pelo PCB, em Pernambuco – o mais votado no Grande Recife e o segundo no estado.

Em janeiro de 1946 estava eleito, mas precisando de roupa e de passagem. E aí o que houve? O PCB era um partido cujos principais integrantes haviam acabado de sair da prisão – e, além do mais, tratava-se de um partido tradicionalmente pão-duro em termo de gastos com os seus militantes. Claro que, apesar disso, iria acabar providenciando os meios necessários para a posse e a viagem do deputado pernambucano – mas antes que isso acontece um grupo de eleitores cotizou-se, comprou a passagem e encaminhou Gregório para um bom alfaiate recifense, que lhe tirou as medidas e fez três “ternos de deputado”. Além disso, o grupo comprou três camisas, três cuecas, três pares de meia, duas gravatas e um um bom par de sapatos. Em suas memórias Gregório diz que em sua vida inteira nunca tivera tanta roupa, e de tão boa qualidade.

Não teve muito tempo para usá-las. Em maio de 1947 o Tribunal Superior Eleitoral cassou o registro do PCB. Em janeiro de 1948 Gregório e todos os parlamentares eleitos pelo partido foram cassados. Uma semana depois de cassado ele foi preso no Rio, acusado de ter incendiado um quartel do Exército – uma acusação falsa, que não resistiu ao julgamento, mas que custou dois anos e três meses de prisão para ele.

Vejam que coisa: em janeiro de 1945 Gregório está mofando na prisão. Em janeiro de 1946 está eleito deputado federal, com grande votação. Em janeiro de 1948 está cassado e preso. Esses acontecimentos, em tão curto período de tempo, mostram a gangorra que foi a vida de Gregório Bezerra – o militante político brasileiro mais torturado de nossa história, e o que passou mais tempo na prisão, cerca de 22 anos (para efeito de comparação: Nelson Mandela passou 27). Nasceu miserável (em Panelas, em 1900) e morreu pobre, em São Paulo, doente, em 23 de outubro de 1983. Deixou o exemplo de um militante inabalável em suas convicções revolucionárias e de uma vida dedicada ao que ele considerava ser o melhor para o povo.

A gangorra da vida dele teve novo impulso ontem, quando em iniciativa proposta pelo deputado Waldemar Borges, líder do PSB, a Assembleia Legislativa de Pernambuco fez ato em homenagem à restituição simbólica do seu mandato. Gregório nunca foi deputado estadual; a sessão no legislativo pernambucano entra na categoria do simbolismo do gesto. A restituição do mandato dele na Câmara Federal – e dos outros 13 deputados federais do PCB, cassados em 1948, entre eles Jorge Amado e Marighella – aconteceu em 18 de agosto do ano passado, por meio de projeto da deputada federal Jandira Feghalli (PCdoB-RJ).

O ato não implica nenhuma indenização nem pagamento de quaisquer vencimentos (a propósito, a família de Gregório nunca recebeu nenhuma reparação econômica da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, diferentemente do que aconteceu com a família de outros líderes comunistas, como Luiz Carlos Prestes e Marighella. Em agosto do ano passado o juiz federal Francisco Alves dos Santos Júnior, da 2ª Vara de Pernambuco, condenou a União a pagar R$ 1,1 milhão aos familiares dele, como indenização por danos morais. O caso ainda está na esfera judicial).

Sim, a restituição do mandato de Gregório Bezerra não tem desdobramentos indenizatórios, mas seu caráter simbólico não tem preço. Faz a correção de um erro histórico e serve de alerta às novas gerações para que nossas divergências não sejam resolvidas tentando calar quem pensa diferente de nós.

Vandeck Santiago

 

* Fonte/Autor: Diário de Pernambuco/Vandeck Santiago – é pesqueirense, jornalista, colunista especial do DP. Colabora eventualmente com o  oabelhudo.

Movimento Cultural: Amor e desejos em soneto de Victor Rogério – (Novos poetas) *

CORAÇÃ~1

Amor cheio de desejos

 

Foi tão difícil

Encontrar você

Que muito queria

Mas não quis me conhecer

Se fez de fácil

mais negando verdades

Com amor e sinceridade

Deu-me boas oportunidades

 

Amei-a bastante

Procurei achar seu amor

Mas você fugiu bem distante

Deixando-me em uma triste dor

O tempo todo tentei implorar

Eu fingia ser um bobo Pra querer te ganhar

Você não se importou e saiu devagar.

 

Eu ainda espero um dia ter você

Pra dizer o muito do amor

Pra lhe mostrar o saber do viver

Pois só ganha a vida quem já teve uma dor.

 

 

Victor Rogeio Jenipapo poeta

Autor: Victor Rogério – é sanharoense, aluno da 9ª série da Escola professor Amaro Soares de Souza, filho da professora Izildinha e chega ao blog apresentado pelo poetisa Angela Lucena. Victor já participou com destaque, de Saraus e da Sema Literária de Escola.

Brasil/Meio Ambiente: 58% das Obras de Saneamento via PAC estão paradas e/ou inadequadas *

 

 

Trata Brasil: 58% dos projetos

do PAC Saneamento estão em

situação inadequada

 

O estudo divulgado hoje é o quinto monitoramento do Instituto Trata Brasil sobre as obras do PAC Saneamento Arquivo Agencia Brasil

O estudo divulgado hoje é o quinto monitoramento do Instituto Trata Brasil sobre as obras do PAC Saneamento Arquivo Agencia Brasil

Apesar do avanço na execução de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Saneamento, 58% dos projetos de esgoto estão em situação inadequada em relação ao cronograma, aponta levantamento, divulgado hoje (29), pelo Instituto Trata Brasil. A pesquisa revela que, desse total, 23% das obras estão paralisadas, 22% atrasadas e 13% não foram iniciadas. Foram analisados 149 empreendimentos dos quais 28 estavam concluídos no final de 2013 e 28 em situação normal de andamento.

Este é o quinto monitoramento sobre o PAC Saneamento feito pelo instituto. O período de análise vai de 2009 até dezembro de 2013. Foram pesquisados empreendimentos de municípios com população superior a 500 mil habitantes. Nesta edição, além de obras de esgoto, foram incluídos também os projetos relacionados a água. No final do ano passado, esse segmento, com um total de 70 obras, contava com 27% de obras concluídas, 21% com andamento normal, 16% paralisadas, 26% atrasadas e 9% não iniciadas.

“As obras concluídas vem aumentando. Se a gente pegar as obras mais antigas, um quarto delas está concluída. Não é muito, considerando que são contratos assinados entre 2007 e 2008, mas já é um avanço”, avaliou Édison Carlos, presidente executivo do Trata Brasil. Ele destaca que o último levantamento indicava 14% de conclusão das obras de saneamento e hoje o percentual é 19%. “O problema é que metade das obras está com atraso, paralisada ou atrasada. São contratos assinados há muitos anos, isso preocupa porque elas já deveriam estar concluídas”, criticou.

A pesquisa diferencia os dados do PAC Saneamento 1 e 2 e o que se observa é que o mais antigo está com 68% de nível de execução nas obras de esgoto, enquanto o PAC 2 está abaixo de 15%. Nos empreendimentos relacionados à água, o PAC 1 tem execução média de 67% e o PAC 2, menos de 5%. “A gente acredita que em mais um ano muitas obras vão ser concluídas, mas, por outro lado, as obras do PAC 2, com contratos de 2011, que deveriam ter começado e estar em ritmo adequado, nem começaram ainda”, lamentou Carlos.

Agência Brasil entrou em contato com o Ministério das Cidades mas ainda não obteve uma avaliação do órgão sobre o levantamento do Instituto.

Leia a Íntegra e Mais;

 

* Fonte: AEB – Camila Maciel – Repórter da Agência Brasil

Caruaru: Culpados ou inocentes? Voltam os 10 vereadores. Como fica a situação agora? *

 

TJPE suspende afastamento

de cinco vereadores

investigados em Caruaru

 

fachada da Câmara de vereadores de Caruaru - O "olho do furacão"

fachada da Câmara de vereadores de Caruaru – O “olho do furacão”

 

Os 10 vereadores que receberam um "linchamento moral". E agora como fica?

Os 10 vereadores que receberam um “linchamento moral”. E agora como fica?

Parlamentares podem retornar à Câmara após publicação da decisão.Suplentes que estavam em atividade deixam a Casa Legislativa.

  • Edis podem retornar à Câmara de Caruaru após publicação da decisão. Suplentes que estavam em atividade deixam a Casa Legislativa.

A 4ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) suspendeu a decisão que afastava cinco parlamentares da Câmara de Vereadores de Caruaru, no Agreste. Eles foram investigados pela Operação Ponto Final II e o afastamento foi determinado pela 2ª Vara da Fazenda Pública da Comarca local.

Com a suspensão, os parlamentares poderão voltar à Câmara depois que a decisão for publicada no Diário Oficial de Pernambuco. Reassumirão os mandatos Val de Cachoeira Seca (DEM), Val das Rendeiras (PROS), Evandro Silva (PMDB), Neto (PMN) e Jadiel Nascimento (PROS).

4ª Câmara Criminal do TJPE já havia decidido decidido pela volta, porém, na sexta-feira (23), o advogado Márcio Alves – que participa da defesa – explicou que o retorno não ocorreria de imediato. Isto porque a Vara Cível também tinha de decidir ou não pelo retorno. Com tal decisão, os suplentes Pastor Carlos (PRB), Rodrigues da Ceaca (PRTB), Tenente Tibúrcio (PMN), Duda do Vassoural (DEM) e Joel da Gráfica (DEM) deixam as atividades.

Polícia reafirma legalidade das operações

A assessoria de imprensa da Polícia Civil enviou nota sobre informações que estariam sendo divulgadas de forma errada por alguns veículos da imprensa.

Confira a seguir na íntegra.

“Em razão das últimas notícias veiculadas pela imprensa sobre a ilegalidade das escutas ambientais que contribuíram para o indiciamento de vereadores de Caruaru acusados dos crimes de concussão e de integrar organização criminosa além de corrupções passiva e ativa,  a Polícia Civil de Pernambuco esclarece que as Operações Ponto Final I e II – que culminou com a descoberta do esquema criminoso –  foram o resultado de um trabalho integrado com o Poder Judiciário e o Ministério Público. O trabalho foi pautado em elevados valores éticos e profissionais dentro da mais estrita legalidade, que fundamentou a denúncia de todos os Vereadores assim como a decretação de suas prisões preventivas e ainda seus afastamentos cautelares dos cargos que ocupavam.”

Leia a Íntegra:

TJPE suspende afastamento de cinco vereadores investigados em Caruaru

* Fonte: G1/TJPE

 

 

Brasilia: Joaquim Barbosa comunica aposentadoria do Supremo a parlamentares *

 

Joaquim Barbosa anuncia

que deixará Supremo em junho

 

 

Ministro Joaquim Barbosa diz ue "explicará em momento oportuno" sua intempestiva saída do STF

Ministro Joaquim Barbosa diz que “explicará em momento oportuno” sua intempestiva saída do STF

 

 

Presidente do Supremo comunica aposentadoria em visita ao Congresso e diz que vai explicar razões ‘no momento oportuno’

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), informou nesta quinta-feira, 29, que o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, lhe comunicou que vai deixar o cargo e se aposentar. “Ele disse que vai deixar o Supremo. Comunicou que a visita era uma oportunidade para se despedir”, contou Renan, após receber Barbosa em seu gabinete no Congresso.

Segundo o presidente do Senado, a princípio, o encontro desta quinta era uma reunião de rotina, aparentemente para tratar de temas relacionados ao STF, como o Código do Processo Civil, que Renan se comprometeu em acelerar a tramitação. No entanto, em meio às conversas, Barbosa comunicou que a visita desta era uma despedida porque ele deixará o STF em junho.

Segundo Renan, o presidente do Supremo não justificou a saída. Ele disse lamentar a notícia e que a informação era “surpreendente”, pois via no “presidente do Supremo uma pessoa importante para o País”. “Ele vai se aposentar. Sentimos muito, porque ele é uma das melhores personalidades do Brasil. Isso é muito triste”, avaliou Renan.

Ao deixar o Senado em direção à Câmara, onde encontraria o presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), Barbosa disse rapidamente que “no momento oportuno” explicaria os motivos de sua aposentadoria. A Renan e aos senadores Eunício Oliveira (CE), líder do PMDB, e Eduardo Braga (PMDB-AM), líder do governo, o presidente do Supremo disse que vai alugar um apartamento em Brasília e dividir residência entre o Rio, onde tem residência, e o Distrito Federal.

“Ficamos surpresos. A gente estava tomando café da manhã na casa do Renan e viemos encontrar com o Joaquim Barbosa, que pediu audiência. Ninguém sabia a pauta“, comentou Eunício. Segundo ele, o ministro do STF iniciou a conversa dizendo: “Vim aqui pra dizer que vou me aposentar”.

Calendário. Desde o fim do julgamento do mensalão, do qual foi relator do processo, Barbosa passou a ser considerado por partidos políticos como um nome forte para as eleições de 2014. Como magistrado, o presidente do Supremo poderia esperar até seis meses antes da votação de 5 de outubro para deixar a Corte e se filiar a uma legenda. Esse prazo, no entanto, venceu em 5 de abril e, com isso, Barbosa não pode disputar cargo eletivo neste ano.

Isso, no entanto, não o impede de futuramente entrar na carreira política. O próprio Barbosa, em entrevistas à imprensa, não descartou essa hipótese para os próximos anos. O presidente do Supremo chegou a pontuar em pesquisas de intenção de voto para a Presidência da República, mas também foi sondado para disputar os governos do Rio de Janeiro ou do Distrito Federal.

Leia também:

Barbosa avisou colegas de Supremo que processo do mensalão seria redistribuído

* Fonte: Estadão