Category Archives: educação

Movimento Cultural/Poesia Homenagem: Revelação – Por Angela Maria *

HOMENAGEM

REVELAÇÃO…

 

 

Eu vi um homem menino
Transbordar de emoção
A todos contagiando
Seus poemas recitando
Com muita apropriação.

Vi lágrimas banhando faces
Aplausos de alegria
Naquele belo evento
E o reconhecimento
Expresso em filosofia

O pequeno,grande poeta
Que com alma e coração
Despede-se da Amaro Soares
Levando para outros ares
A sua revelação….

Sucessos Victor Rogério!!!! Te amo!!!!!!!!!

 

 

* Autora: Angela Maria. – Angela Maria de Melo Lucena é sanharoenses do distrito Jenipapo, poetisa, colaboradora do OABELHUDO, professora municipal e grande incentivadora cultural em nosso município.

Artigo/Opinião: A educação de hoje perpetua o racismo? *

CONSCIÊNCIA

DE CIDADANIA PLENA

 

 

(Valorizar a diversidade e a igualdade. Ficar atentos aos materiais didáticos, verificando se incluem a valorização da cultura negra).

 

 

Foi necessário promulgar uma Lei (10.639/03), há pouco mais de dez anos, para que as escolas passassem a ensinar história e cultura afro-brasileira, incluindo temas como história da África e dos africanos, a luta dos negros no contexto brasileiro e sua contribuição nas diversas áreas da história e da cultura do Brasil.

Isso porque, embora sejamos um país em que a maioria da população é negra e parda, a história sempre foi ensinada com um viés eurocêntrico, em que os colonizadores são ousados, atravessam oceanos e, para levar adiante seus planos, tornam-se senhores de escravos. A ideia de escravidão é introduzida nas primeiras séries escolares com certo ar de naturalidade. O negro entra como objeto trazido à força de um continente “primitivo”; um ser sem passado nem vínculos sociais, que aceita de forma omissa e acomodada um destino desumano e humilhante. Como as crianças brasileiras podem sentir orgulho de suas origens e sua identidade com essa forma de descrever seus antepassados?

Nos livros didáticos, depois dos capítulos que falam da escravatura, os negros praticamente desaparecem dos textos, como se a história continuasse sem a sua participação. As imagens mais importantes são reservadas aos personagens brancos de cabelos louríssimos, como na capa da coleção “Infância Brasileira”, uma das mais adotadas na década de 60.

A imagem do negro no mundo do trabalho é muitas vezes desvalorizada de forma implícita. Uma conhecida cartilha escolar pede que o aluno escreva o nome das profissões e apresenta os desenhos de um menino branco vestido de médico, outro vestido de juiz e um menino negro em funções subalternas.

Reproduzindo o cenário sociocultural, o sistema de ensino também reserva ao negro, até em função de suas condições sociais e de renda, uma trajetória escolar incerta, na qual continuar estudando é uma conquista diária.

Assim, a educação contribui para reforçar o racismo, ora explícito ora velado, que existe na sociedade brasileira.

Porque foram educados, em casa e na escola, com narrativas que apresentam o negro como inferior e coadjuvante, muitos ainda hoje têm dificuldade de aceitar que ele possa chegar a altos níveis de formação ou que ocupe posições sociais importantes. É forte, em alguns grupos, o sentimento contra qualquer política de reparação da dívida social contraída nos tempos da escravidão.

Ações afirmativas como as cotas para as universidades ajudam a atenuar, ainda que de um jeito capenga, o abismo educacional forjado na época da colônia e que, se não fosse por força de lei, dificilmente seria superado neste século.

A Lei 10.639/03, sobre ensino de história e cultura afro-brasileira, é uma ruptura no ciclo educacional que perpetua o racismo. Propõe que as crianças aprendam uma nova história, mais realista e respeitosa, a partir de conteúdos sobre as lutas de libertação que o negro trava até os dias atuais, em busca dos seus direitos de cidadão.

A proposta ainda não foi totalmente tirada do papel, mas escolas e famílias deveriam levá-la a sério. Trazer para o debate os problemas raciais da sociedade, rejeitar o preconceito e ensinar as crianças a fazer o mesmo. Valorizar a diversidade e a igualdade. Ficar atentos aos materiais didáticos, verificando se incluem a valorização da cultura negra.

Esse resgate não interessa só aos negros, mas a todos os estudantes, porque os prepara para viver como cidadãos atuantes num país pluriétnico e multicultural e ajuda a desconstruir os mitos de inferioridade e superioridade entre culturas, valorizando a riqueza de uma de nossas marcas distintivas, a miscigenação. Não é suficiente para garantir que a população negra seja mais bem tratada na escola e na sociedade, mas é um passo para reduzir as injustiças e emancipar muitos jovens das lentes caducas com que aprenderam a ver o mundo.

* Autora: Andrea Ramal  / Conversando com os pais  –  ANDREA RAMAL é autora de “Filhos bem-sucedidos” (Sextante), entre outros livros. Como professora atuou desde a alfabetização ao ensino médio e na educação de jovens e adultos. Doutora em Educação pela PUC-RJ, implementou programas de formação de professores e gestores escolares em diversos países. É colaboradora na TV Globo, no programa “Encontro com Fátima Bernardes”. Foi consultora do Ministério da Educação. Nas horas vagas gosta de curtir seus cães, praticar esportes e tocar violão, compondo sambas e MPB.

Educação/Brasil: Inep divulga o Gabarito OFICIAL do Enem *

 

Gabarito oficial

do Enem 2014

 

O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira)publicou nesta quarta-feira (11) o gabarito oficial do Enem 2014 (Exame Nacional do Ensino Médio), aplicado no sábado (8) e domingo (9).

Gabarito oficial do Enem 2014

  • Sábado (caderno amarelo)
  • Sábado (caderno azul)
  • Sábado (caderno branco)
  • Sábado (caderno rosa)
  • Domingo (caderno rosa)
  • Domingo (caderno azul)
  • Domingo (caderno cinza)
  • Domingo (caderno amarelo
  • Veja a correção comentada das provas

* Fonte: AEB – Agência Brasil

Educação/UFPE & Enem – Veja o peso de cada nota do Enem no vestibular da Federal *

 

 

UFPE divulga pesos das provas do Enem para o vestibular de 2015

 

Alunos que concluíram estudos no Agreste e na Zona da Mata terão bônus. Campus Caruaru terá graduação em comunicação social, no ano que vem.

A Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) divulgou, nesta segunda-feira (13), os pesos e as notas mínimas diferenciadas que cada prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) terá, de acordo com o curso escolhido pelo candidato. As novas regras foram aprovadas após uma reunião do Conselho Coordenador de Ensino, Pesquisa e Extensão, realizada na reitoria da instituição, na Zona Oeste do Recife.

Os pesos serão aplicados no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), do Ministério da Educação (MEC), ao qual a UFPE também aderiu para o vestibular de 2015. Para montar a tabela de pesos, desde o final de maio, foi reunido o colegiado de cada um dos 100 cursos de graduação presenciais da instituição. Apenas os cursos de dança, música e bacharelado em química não utilizarão o Sisu como meio de ingresso à instituição por requisitarem uma segunda fase de testes de habilidade específicos.

Confira a lista dos pesos e das notas mínimas dos cursos da UFPE para a seleção 2015:

» Cursos fora do Sisu
» Cursos que usam o Sisu: parte 1 | parte 2

 

Ana Cabral, pró-reitora para Assuntos Acadêmicos da UFPE (Foto: Katherine Coutinho / G1 PE)

Pró-reitora de graduação da UFPE, Ana Cabral detalhou
pesos das provas do Enem para seleção da universidade
(Foto: Katherine Coutinho / G1 PE)

Bônus regional e nova graduação

Além da divulgação dos pesos, a pró-reitora de graduação da universidade, Ana Cabral, anunciou um “bônus regional”, que será um acréscimo de 10% da nota do Enem na nota final dos alunos que concluíram os ensinos fundamental e médio, integralmente, em escolas públicas ou privadas da Zona da Mata ou do Agreste e pretendem estudar nos campi de Vitória de Santo Antão ou Caruaru.

O bônus não pode ser somado aos 10% destinados ao sistema de cotas. “Ou o aluno é cotista ou usa o bônus. O objetivo é fixar futuros profissionais na região e garantir o desenvolvimento regional com profissionais ativos, que se estruturam e corroboram com a melhoria econômica e social da região”, diz Ana Cabral.

Outra novidade é a aprovação do novo curso de comunicação social do campus do Agreste, em Caruaru. “O curso terá início no segundo semestre de 2015”, conta a pró-reitora. Ainda não há uma definição de quais habilitações serão oferecidas, porque o perfil está sendo definido. Em termos de peso do Enem, a nova graduação equivale ao curso de jornalismo, oferecido no Recife.

* Fonte: G1 / UFPE

Educação/Pernambuco: Escolas do Estado têm a menor taxa de abandono *

 

Pernambuco tem a menor

taxa de abandono escolar

do Brasil

 

 

 

 

 

 

Pernambuco tem hoje a rede estadual de ensino mais atrativa do Brasil. É o que confirmam os dados do Instituto Nacional de Educação e Pesquisa Anísio Teixeira (Inep). A instituição aponta Pernambuco como sendo o Estado da federação com o menor índice de abandono escolar em 2013 para as escolas estaduais do ensino médio: 5,20%.

“Em 2007, quando Eduardo Campos assumiu o Governo do Estado, Pernambuco tinha a segunda pior colocação nesse mesmo ranking, com 24% de taxa de abandono escolar. Hoje, sete anos depois, o Estado alcança a melhor posição. Isso representa mais um dado significativo para a nossa educação, que é um compromisso fundamental de nossa gestão desde 2007. Esse avanço é mais um reflexo dessa luta incansável, mas que nos deixa muito felizes e animados com o que virá pela frente”, comemorou o governador João Lyra Neto.

O governador ressaltou a série de boas notícias na área da educação no mês de setembro. “No último dia 5, o Inep já havia divulgado o Índice de Desenvolvimento de Educação Básica (Ideb), revelando que Pernambuco bateu todas as metas do Ministério da Educação (MEC) nos três níveis de ensino. No Ensino Médio, o Estado se destacou com o maior crescimento percentual dentre todos os estados, saltando da 16ª posição para a 4ª colocação no ranking nacional do Ensino Médio, antecipando inclusive a meta proposta para 2015. Portanto, hoje foi mais uma vitória”, afirmou o chefe do Executivo estadual.

O Modelo de Gestão do Governo do Estado de Pernambuco se consolida definitivamente no âmbito da Secretaria de Educação a partir das contribuições do Pacto pela Educação, política lançada em 2011, voltada para a qualidade da educação, com foco na melhoria do ensino, das aprendizagens dos estudantes e dos ambientes pedagógicos.

Segundo o secretário de Educação e Esportes, Ricardo Dantas, programas como o Ganhe o Mundo, P3D, Robótica, Professor Autor e Tablets/PC usados como ferramentas pedagógicas tornaram a sala de aula mais atrativa, além de investimentos na infraestrutura física das escolas que também colaboraram decisivamente para esse excelente resultado. “A partir do Pacto pela Educação, o compromisso e dedicação dos professores do Estado de Pernambuco puderam ser mais bem direcionados ao atendimento das necessidades dos nossos estudantes”, disse o secretário.

Isso demonstra que, com um ambiente propício à convivência, aprendizagem e cidadania, a taxa de abandono torna-se cada vez menor, motivando os estudantes a continuar na escola e concluir o ano letivo. Vale ressaltar, também, que Pernambuco é o Estado que oferece a maior média de hora-aula para os estudantes do Ensino Médio do País.

* Fonte: Secretaria de Imprensa de Pernambuco

Brasil/Educação: 13 milhões de brasileiros acima de 15 anos são analfabetos *

 

 

Analfabetismo cai no país,

mas ainda atinge 13 milhões

A taxa de analfabetismo funcional também caiu, de 18,3% para 17,8%. A Pnad foi divulgada hoje (18) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Regionalmente, o Nordeste continua a ser a região com a maior taxa de analfabetismo entre os maiores de 15 anos, mas foi também o local onde ela mais caiu, de 17,4% em 2012 para 16,6% em 2013. De acordo com a Pnad, mais da metade (53,6%) dos analfabetos do Brasil estão nos estados nordestinos.

A taxa de analfabetismo das pessoas acima de 15 anos no Brasil voltou a cair em 2013. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), o país tinha cerca de 13 milhões de analfabetos nesta faixa etária no ano passado, o que corresponde a 8,3% da população. O resultado é 0,4 ponto percentual abaixo do registrado em 2012 (8,7%). A taxa de analfabetismo funcional também caiu, de 18,3% para 17,8%. A Pnad foi divulgada hoje (18) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

O resultado de 2012 manteve-se praticamente estável, com alta de 0,1 ponto percentual em relação a 2011, quando foi registrado 8,6% de analfabetos. Desde 2004, ano em que a abrangência da Pnad incluiu pela primeira vez as populações rurais de toda a Região Norte, houve queda de 3,2 pontos percentuais, de 11,5% para 8,3%. Em números absolutos, de 2012 para 2013 houve redução de 297,7 mil analfabetos no país.

De acordo com o IBGE, a maioria de analfabetos era mulheres, com 50,6%, realidade que se repete nas regiões Sudeste (56,2%), Sul (55,6%) e Centro-Oeste (50,5%). No Norte e no Nordeste, os homens representam a maioria dos analfabetos, com 53,2% e 52,1%. Apesar disso, a taxa de analfabetismo é superior entre os homens, com 8,6% contra 8,1% da mulheres. Na divisão por região e sexo, os homens nordestinos têm a taxa mais alta, de 18,2%, enquanto as mulheres da Região Sul têm a menor, de 3,9%.

Ao considerar a idade, a pesquisa mostra que pessoas com mais de 60 anos são mais frequentemente analfabetas que as mais jovens. Entre os brasileiros com menos de 30 anos, a taxa de analfabetismo em 2013 chegou a 3%, enquanto na população com mais de 60, ela foi de 23,9% da população. Entre quem tinha de 40 a 59 anos, o analfabetismo atingia 9,2%.

Todos os grupos etários tiveram redução da taxa entre 2012 e 2013, e, com uma queda de 0,2 ponto percentual, a menor porcentagem registrada foi a dos jovens entre 15 e 19 anos, com 1%. Para Maria Lucia Vieira, gerente da pesquisa, a diferença na taxa de analfabetismo entre as idades se deve a uma dificuldade maior de atingir pessoas mais velhas com programas de alfabetização.

Regionalmente, o Nordeste continua a ser a região com a maior taxa de analfabetismo entre os maiores de 15 anos, mas foi também o local onde ela mais caiu, de 17,4% em 2012 para 16,6% em 2013. De acordo com a Pnad, mais da metade (53,6%) dos analfabetos do Brasil estão nos estados nordestinos.

Todas as regiões tiveram queda, e a segunda maior foi registrada na Região Norte, de 10% para 9,5%, seguida pelo Centro-Oeste, de 6,7% para 6,5% e pelo Sul, de 4,4% para 4,2%. O Sudeste teve a menor redução da taxa, de 4,8% para 4,7% da população. Como é a mais populosa, a Região Sudeste concentra 24,2% dos analfabetos, apesar de ter a segunda menor taxa.

O analfabetismo funcional também caiu em todas as regiões brasileiras, e acompanha o analfabetismo quando enumeradas as regiões em que ele é mais incidente. No Nordeste, a taxa caiu de 28,4% para 27,2% e ainda é a maior do país. O Norte vem em seguida, com 21,6%, 0,3 ponto percentual a menos que no ano passado. No Centro-Oeste, a situação ficou praticamente estável, com queda de 0,1%, de 16,5% para 16,4%.

Na Região Sul, o analfabetismo funcional foi maior do que no Sudeste em 2013, com uma diferença de 13,6% para 12,9%. As duas regiões tiveram queda na taxa, já que, em 2012, apresentavam percentuais de 13,7% e 13,2% respectivamente.

* Fonte: AEB/Vinícius Lisboa – Repórter da Agência Brasil

Sanharó: Ministério Público Federal sinaliza contra o transporte escolar irregular *

 

 

MPF: Detran terá de fiscalizar transporte escolar no interior

de PE

 

 

Detran terá de fiscalizar transporte escolar no interior de PE

Detran terá de fiscalizar transporte escolar no interior de PE

 

 

O Ministério Público Federal (MPF) em Caruaru (PE) expediu recomendação para que o Detran/PE fiscalize o transporte de estudantes das redes estadual e municipal de ensino matriculados em escolas situadas nos municípios sob atribuição daquela unidade do MPF (ver lista abaixo).

O documento é de autoria dos procuradores da República Luiz Antônio Amorim Silva e Natália Lourenço Soares.

Apurações do MPF identificaram que o transporte escolar em municípios do Agreste pernambucano tem sido feito de forma precária, com motoristas sem a devida capacitação e veículos inapropriados, a exemplo dos chamados “toyota”, “rural” e “pau de arara”.

De acordo com a recomendação, instrumento de atuação extrajudicial do MPF, o Detran terá de averiguar se o serviço tem sido prestado de acordo com as prescrições do Código de Trânsito. Caso seja verificada irregularidade, deverá ser aplicada a respectiva sanção. Se houver possibilidade de adequação do veículo, o responsável deverá ser notificado para providenciar a regularização.

Todas as medidas adotadas pelo Detran deverão ser informadas aos procuradores da República responsáveis, com envio de documentação ao MPF. O órgão estadual terá de informar também, em até 30 dias a contar da notificação, se vai acatar a recomendação. Deverá ser encaminhado ao MPF, no mesmo prazo, cronograma das fiscalizações a serem feitas nesses municípios nos próximos 12 meses. Em caso de descumprimento da recomendação, poderão ser adotadas as medidas administrativas e judiciais cabíveis.

Municípios alvo da recomendação: Agrestina, Altinho, Barra de Guabiraba, Belo Jardim, Bezerros, Bonito, Brejo da Madre de Deus, Cachoeirinha, Camocim de São Félix, Caruaru, Casinhas, Cumaru, Cupira, Frei Miguelinho, Gravatá, Jataúba, Jurema, Lagoa dos Gatos, Panelas, Passira, Riacho das Almas, Sairé, Sanharó, Santa Cruz do Capibaribe, Santa Maria do Cambucá, São Caetano, São Joaquim do Monte, Surubim, Tacaimbó, Taquaritinga do Norte, Toritama, Vertente do Lério e Vertentes.

Garanhuns – No mês passado, recomendação com o mesmo objetivo foi expedida pela unidade do MPF em Garanhuns/Arcoverde.

Procedimento administrativo nº:1.26.005.000046/2014-21
* Fonte: Assessoria de Comunicação Social – Procuradoria da República em Pernambuco
(81) 2125-7348  –  prpe-ascom@mpf.mp.br

Brasil/Opinião: Cristovam Buarque: Quais as consequências da violência na escola para a educação no país ? *

 

Escola é violenta com aluno,

diz Cristovam Buarque

 

 

Para Buarque, para solucionar problema da violência no curto prazo "só colocando valium na merenda"

Para Buarque, para solucionar problema da violência no curto prazo “só colocando valium na merenda”

 

 

 

“…Os próprios professores são tratados como seres sem importância, que ganham salários baixos…”

Um dos grandes defensores da educação como instrumento de transformação do Brasil, o senador Cristovam Buarque considera que o problema da violência na rede pública de ensino do país é gerado principalmente por causa da desvalorização da escola como instituição.

Em entrevista exclusiva à BBC Brasil, Cristovam afirma que a escola no Brasil “está sem moral”. “A escola desvalorizada gera violência, e a violência desmoraliza ainda mais a escola. Os jovens sabem que saindo com o curso ou sem, de tão ruim que são os cursos, não vai fazer diferença, porque o curso não agrega muito na vida dele. Os alunos não veem retorno na escola”, explica.

O tema da violência em sala de aula foi destacado por internautas ouvidos pela BBC Brasil como um assunto que deveria receber mais atenção por parte dos candidatos presidenciais e vem gerando acirrados debates em posts que publicamos nos últimos dias nas nossas páginas de Clique Facebook, Clique Twitter e Clique Google+.

Ministro da Educação do governo Lula entre 2003 e 2004, Cristovam Buarque chegou a se candidatar à Presidência em 2006 levantando como principal bandeira a “revolução na educação de base”. Ele acredita que só ela poderia resolver de vez o problema da violência e fazer com que a escola voltasse a ser respeitada no país.

BBC Brasil – Como o senhor define o problema da violência nas escolas do Brasil? Por que ele acontece?

Cristovam Buarque – A sociedade brasileira é uma sociedade muito violenta hoje, então as pessoas se sentem no direito de agir violentamente, às vezes, até não necessariamente com agressão física, mas com palavras.

As escolas estão rodeadas de traficantes, a violência do meio influencia. O outro é o fato de que a escola não é uma instituição valorizada e, ao não ser valorizada, as crianças também entram na mesma onda da não valorização, se sentem no direito de quebrar os vidros, se sentem no direito de levar as coisas pra fora.

Aqui mesmo na UnB (Universidade de Brasília), eu vi a enciclopédia britânica sendo rasgada, porque o aluno em vez de tirar o xérox da folha que ele precisava, arrancou a página e levou. Os próprios professores são tratados como seres sem importância, que ganham salários baixos. Além disso os jovens sabem que saindo com o curso ou sem, de tão ruim que são os cursos, ele sabe que não agrega muito na vida dele. Os alunos não veem retorno da escola.

BBC Brasil – Quais as consequências da violência na escola para a educação no país?

Cristovam Buarque – A escola desvalorizada gera violência, e a violência desmoraliza ainda mais a escola. Os professores hoje estão fugindo, porque o salário é baixo e há muito desrespeito com relação à profissão deles. Quando a gente analisa o concurso para entrar na universidade, o vestibular, os últimos cursos na preferência dos vestibulandos são pedagogia e licenciatura, isso gera um clima de desvalorização.

Leia a Íntegra:

Leia MaisEscolas, alunos e professores ‘não falam mesma língua’

* Fonte: Renata Mendonça  –  Da BBC Brasil em São Paulo

Brasil/Educação: OPORTUNIDADES no ProUni, para que fez o Enem a partir de 2010 *

 

 

Participantes do Enem

a partir de 2010 também

poderão concorrer a vagas

do ProUni

 

Bolsas remanescentes do ProUni para alunos que fizeram o Enem a partir de 2010 e não foram selecionados

Bolsas remanescentes do ProUni para alunos que fizeram o Enem a partir de 2010 e não foram selecionados

 

 

 

Programa Universidade para Todos (ProUni) abre inscrições aos candidatos que participaram do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir da edição de 2010 nesta quarta-feira (20). Para o segundo semestre deste ano ainda estão disponíveis 52 mil bolsas de estudo, entre integrais e parciais (50%), em diferentes cursos de todo o País.

De acordo com a coordenadora geral de Projetos Especiais para Graduação (Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação), Lilian Nascimento, esta novidade apresentada em 2014, tem por objetivo incrementar a ocupação das bolsas do programa.

“Além do processo seletivo regular, aberto exclusivamente para inscrições de estudantes que tenham participado do Enem do ano imediatamente anterior, foi desenvolvido pelo Ministério da Educação uma plataforma para oferta das bolsas remanescentes do programa, destinadas [também] para estudantes participantes do Enem desde a edição de 2010”, explica a coordenadora. Os candidatos devem ter obtido nota mínima de 450 pontos no exame e nota superior a zero na redação.

Após inscrição no ProUni, o candidato terá prazo de dois dias úteis para comparecer à instituição e comprovar que atende aos requisitos. No caso de descumprimento do prazo, ou reprovação pela instituição, a bolsa volta a ser disponibilizada pelo sistema para nova inscrição.

Nesta etapa, a ocupação das bolsas do ProUni passa a ser por ordem de inscrição, sendo realizadas ao longo do semestre, de acordo com a disponibilidade das bolsas. Lilian Nascimento esclarece que estudantes, inclusive aqueles já matriculados no ensino superior, precisam ficar atentos às bolsas disponíveis, que variam de um dia para outro. Ela também alertou sobre o prazo para inscrição.

“É importante observar o prazo final para inscrição, que pode variar de acordo com a situação do estudante: candidato não matriculado no curso da instituição de educação superior em que deseja se inscrever à bolsa remanescente, deve efetuar inscrição até o dia 7 de setembro de 2014; e candidato já matriculado no curso em que deseja se inscrever, até o dia 1º de dezembro de 2014”, afirmou.

Vagas para professores 
Para ajudar a qualificar o ensino básico, nesta nova fase ainda podem se inscrever professores do ensino básico público (quadro permanente) sem diploma de curso superior e que pretendam cursar licenciatura. Neste caso, não são exigidas participação no Enem ou comprovação da renda.

Para professores – e para estudantes inscritos no último processo seletivo do Prouni em cursos que não formaram turma – as inscrições para as vagas remanescentes estão abertas desde segunda-feira (18).

ProUni
O programa concede bolsas de estudo integrais e parciais (50%) em instituições privadas de ensino superior, em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, a estudantes brasileiros, sem diploma de nível superior. Para concorrer às bolsas integrais, o candidato deve comprovar renda familiar bruta mensal, por pessoa, de até um salário mínimo e meio. Para as bolsas parciais, a renda familiar bruta mensal deve ser de até três salários mínimos por pessoa. Desde a sua criação, em 2005, o programa já concedeu mais de 1,48 milhão de bolsas de estudo.

bolsas remanescentes do PROUNI

* Fonte: Blog do Planalto/MEC

Movimento Cultural/Crônica: Educação – O Caminho para o Desenvolvimento – Por Sebastião Fernandes *

EDUCAÇÃO O CAMINHO

PARA O DESENVOLVIMENTO

 

Mais educaçao

 

 

 

Homens e mulheres de visão e que acreditam no desenvolvimento e na evolução do ser humano, jamais prescindem do amor à causa da formação educacional dos seus semelhantes. Da humanidade! Diante deste prognostico e da necessidade de se promover ações que levem a educação ao seu devido lugar se faz necessário agir para que esta chegue ao seu verdadeiro objetivo – Educar para a vida. No entanto, passam-se anos e anos e a educação formal sempre a desejar!

Os políticos quando de suas campanhas usam de atitudes recheada de subterfúgios, para conquistarem votos suficientes que os qualifiquem e os elejam para os cargos quer executivos quer legislativos, esquecem-se dos compromissos assumidos quando em campanha. Estamos em plena campanha eleitoral e o que vemos?! São candidatos defendendo como prioridade a Educação! No entanto, o que temos vivenciado? Total desprezo por uma atividade que se posta em prática e executada com responsabilidade, transformaria consideravelmente a vida social, econômica e politica deste país! O que vemos! São recursos e mais recursos empregados, ou melhor, sendo desperdiçados pelo mau uso, através de emendas parlamentares utilizadas para financiar shows de bandas pelos quatro quantos do País. Que na verdade muito pouco contribui para o progresso da população como um todo.

Quando tais recursos poderiam ser empregados de maneira mais contundente e mais útil que enveredariam em favor socorro de situações de desordem sociais e econômicas. Há quem defenda – a maioria dos nossos parlamentares -, tal pratica e atitude, pois, partem da ideia de que “todo mundo tem o direito ao lazer e à diversão”, quando esquecem ou não fazem conta dos grandes problemas que atinge a maioria dos cidadãos (âs), que vive a margem das intempéries provocada por secas cíclicas, pela fome em sua maioria crônica e até carências mínimas de condições para sobreviverem! Estas situações não mechem com o brio dos nossos “mui dignos parlamentares”. Não são suas preocupações.

O que importa são ações que levem o povão ao delírio e ao êxtase. Embriagados que são pela fanfara melodiosa que as bandas tocam. Levando-os ao delírio até. Deixando-os alheios aos problemas do dia a dia, como que drogados estejam!… Temos consciência de que muito ainda tem-se que fazer em prol da formação educacional do povo. O progresso, o desenvolvimento e o crescimento da nação estão na dependência da formação educacional, da preservação da sua cultura e da maneira como seus cidadãos (ãs), conduzem suas vidas. Para a aplicabilidade dos princípios que norteiam e formaliza a sociedade, os homens criaram sistemas políticos que tem como fundamentação a defesa da ordem que a natureza exige para que se viva com dignidade e satisfação plena, suas necessidades básicas pelo menos. Mas, por enquanto o que temos visto e vivenciado são exemplos negativos e esdrúxulos que prejudicam a maioria da população.

Uma vez que assume o poder o homem – políticos – esquece os outros e passa a pensar em si mesmo. Esquecem que têm uma responsabilidade sobre seus ombros e que mais cedo o mais tarde terão que prestar contas. Aqui ou alhures! Nossos políticos deixam muito a desejar. Mas, quando se trata de eleição e de reeleições veem à praça publica, ao rádio, a TV, aos jornais e demais meios de comunicação se disponibilizar a defender e lutar por uma Educação mais eficiente, uma saúde em que o povo seja bem atendido, um transporte digno, uma justiça que aplique a lei: dura lex, sed lex. Que na verdade seja para todos, jamais aplicada apenas para os pobres e ou os desprovidos de aparatos politiqueiros. Quando na verdade o que presenciamos é na verdade um caos quase que total das nossas instituições.

Está chegando a hora de fazer uma varredura naqueles políticos de carteirinha, viciados e sugadores do erário publico! Que se apresentam como bons e amigos dos pobres, mas que na verdade são amigos de seus grupos políticos e de si mesmos. Cada vez mais ricos. De onde vem tanta riqueza?!

Precisamos ter o cuidado e procurarmos conhecer afundo a vida pregressa desses candidatos e após uma análise sistemática tomarmos a nossa decisão e fazer valer nosso voto. É através do voto que poderemos mudar o que aí está! É na verdade o voto a maior revolução que o povo tem e pode fazer em favor da democracia e da soberania Nacional. Só com uma educação dinâmica, fundamentada na fé e no amor a dignidade e a sobrevivência honrosa do individuo é que alcançaremos um estágio de bem-estar que nos é predestinado.

Está chegando a hora de fazermos a limpeza que hoje suja a dignidade e a honra de todos nós brasileiros. Eliminando da politica os vendilhões do templo!

 

 

Sebastião Gomes Fernandes de Jaquetão

 

* Autor: Sebastião Fernandes   –   Sebastião Gomes Fernandes é sociólogo, cronista, colaborador do OABELHUDO, poeta, e escritor. É  presidente reeleito da APLA – Academia Pesqueirense de Letras e Artes
Sociólogo, Escritor, Poeta e cronista.