Category Archives: Painel/Panorama

Brasil/Eleição Presidencial: O Peso do Bolsa Família na votação de Dilma *

Peso do Bolsa Família

é maior em 2014

Alaide Martins, ao lado das filhas, depende do Bol

 

 

O Bolsa Família, principal programa de transferência de renda do País, teve em 2014 o maior impacto eleitoral desde sua criação, segundo estudo do cientista político Cesar Zucco, da Fundação Getúlio Vargas, feito em parceria com o Estadão Dados. A análise indica que cada ponto porcentual de cobertura do Bolsa Família em um município rendeu, em média, 0,32 ponto porcentual na votação de Dilma naquela cidade – o dobro do que foi verificado em 2010. O estudo compara o desempenho da presidente em municípios de perfis socioeconômicos semelhantes, mas com diferenças nos porcentuais de atendimento do Bolsa Família. Embora não permitam dizer exatamente como beneficiários e não beneficiários do programa se comportam na hora de votar, os resultados indicam que, quanto maior a parcela de famílias beneficiadas, maior a probabilidade de a presidente ganhar na cidade analisada.

Segundo o estudo, um em cada cinco votos em Dilma está relacionado ao mais famoso programa de transferência de renda dos governos petistas. A extrapolação dos resultados, porém, sugere que a presidente teria recebido votações expressivas nos locais mais pobres, mesmo sem o programa.

A análise de Zucco leva em conta variáveis socioeconômicas – como a pujança da economia do município, medida pelo Produto Interno Bruto, e o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) -, para especificar municípios semelhantes a serem comparados entre si.

São levados em conta ainda fatores políticos, como o partido a que pertencem o prefeito e o governador do Estado em que está localizada a cidade. É por isso que é possível isolar o efeito eleitoral do Bolsa Família quando comparado ao impacto das outras variáveis.

Leia a Íntegra:

  • Peso do Bolsa Família é maior em 2014

* Fonte: Estadão/LUCAS DE ABREU MAIA , RODRIGO BURGARELLI

Eleições 2014/Segundo Turno: Apoio de Renata preocupa mais o PT do que o de Marina *

 

 

 

Para PT, apoio da viúva

de Campos é pior que o

de Marina

 

 

O comitê petista recebeu “sem surpresa” a declaração de apoio de Marina Silva a Aécio Neves (PSDB) neste domingo (12). Para assessores de Dilma Rousseff, preocupa mais o gesto da família Campos pró-Aécio do que a manifestação de Marina.

Coordenadores da campanha disseram à Folha que o apoio de Renata Campos, viúva de Eduardo Campos, pode abrir a “janela” no Nordeste que o tucano precisa para conseguir votos na região.

A avaliação é que familiares de Campos podem garantir vantagem ao tucano em Pernambuco, base eleitoral do ex-governador do Estado, morto em um acidente aéreo no dia 13 de agosto.

Já Marina, afirmam, perdeu protagonismo porque demorou a declarar seu apoio, visto por petistas como “troco” à campanha de desconstrução de sua candidatura capitaneada pelo PT no primeiro turno.

Mas os petistas reconhecem que as duas manifestações de apoio criam uma “agenda positiva” para Aécio. “Principalmente em uma semana coroada por depoimentos da [investigação da PF] Lava Jato e o avião envolvendo assessor de Fernando Pimentel”, analisa um ministro da presidente Dilma Rousseff.

Na última quarta (8), um colaborador da campanha de Pimentel foi levado à Polícia Federal para prestar esclarecimentos sobre dinheiro suspeito encontrado em um avião.

Leia também:

 Aécio e Marina devem se encontrar até 4ª

* Fonte: Folha de São Paulo;/ Andréia Sadi

Movimento Cultural/Soneto: Baque – Por Francisco Aquino *

BAQUE

 

 

 

 

Caiu pela vida

diante dos fracassos amargados

e pela falta de deferência humana.

Caiu diante das violências

vividos por milhares

que sofrem dilacerando os corações.

 

Caiu da calçada abaixo

num verdadeiro baque

sobre os olhares curiosos dos que passam e apenas olham sem ajudar.

Vendo levantar e prosseguir na labuta diária.

Caiu diante de tantos obstáculos

que aflora o ser buscando guarita na fé e oração.

 

Caiu pela vida quando buscava acertar tendo solidez humana e honradez.

Caiu na esquina diante dos traumas vividos

tentando superar tristezas e feridas abertas

com o aniquilamento do ser humano.

 

Caiu diante da vida e da morte se distanciando da sorte

que assola o ser errante entristecendo o viver.

Caiu pelo o tempo perdendo os reflexos e memória

ficando a mercê do outro pela história.

Caiu pela falta de saúde que vai nutrindo a vida

atingindo sua essência de vitalidade.

 

Caiu pelas feridas da alma suando sangue

ficando renegado pelos cantos

buscando ser notado e procurando ninho para descansar e realizar.

Assim vive diante de tantas caídas e baques pela vida

que decidiu reunir forças e levantar-se de vez

nutrindo uma vivência salutar

com a vida voltando a pulsar de cheia de esperança e amor

para realizar-se

como ser criado

para viver e vencer.

 

 

* Autor: Francisco Aquino  –  Francisco de Assis Maciel Aquino é pesqueirense, professor, colaborador do OABELHUDO, cronista, poeta e comentarista esportivo.

Eleições 2014/Segundo Turno: Marina FORMALIZA apoio a Aécio *

 

Um dia após Aécio aceitar exigências, Marina declara apoio a tucano

 

Marina Silva anuncia seu apoio a Aécio Neves no segundo turno neste domingo (12)

Marina Silva anuncia seu apoio a Aécio Neves no segundo turno neste domingo (12)

 

Terceira candidata mais votada no primeiro turno das eleições presidenciais,Marina Silva (PSB) anunciou neste domingo (12) apoio formal a Aécio Neves (PSDB). O tucano disputa o segundo turno com Dilma Rousseff (PT).

“Votarei em Aécio e o apoiarei, votando nesses compromissos, dando um crédito de confiança à sinceridade de propósitos do candidato e de seu partido e, principalmente, entregando à sociedade brasileira a tarefa de exigir que sejam cumpridos”, disse Marina ao ler nota.

O apoio foi dado um dia após o tucano se comprometer a cumprir, mesmo que de forma vaga, quase todas as exigências feitas pela ex-senadora.

Em documento divulgado pela campanha de Aécio, ele se comprometeu a garantir ao Executivo o papel de demarcação de terras indígenas, a ampliar a reforma agrária e acabar com a reeleição de cargos do Executivo.

O único dos principais pontos que ficou de fora do documento lido por Aécio foi a redução da maioridade penal, que Marina é contra.

“Quero, de início, deixar claro que entendo esse documento como uma carta compromisso com os brasileiros, com a nação. Rejeito qualquer interpretação de que seja dirigida a mim, em busca de apoio”, disse a ex-senadora.

Minutos após a declaração de apoio, Aécio agradeceu o gesto. “Hoje, com a benção de Nossa Senhora Aparecida, é um dia glorioso para a nossa campanha. Recebo com muita honra e responsabilidade o apoio de Marina Silva. A partir de agora somos um só corpo, um só projeto”, disse no santuário de Nossa Senhora Aparecida (a 180 km de São Paulo).

Já Dilma disse não acreditar que os votos da ex-senadora serão automaticamente transferidos para o tucano. “Não acredito que haja uma transferência automática para ninguém”, disse em São Paulo.

Ao apoiar o tucano, Marina não repete o que fez em 2010, quando também terminou o pleito na terceira posição. Na ocasião, ela preferiu ficar neutra em relação à disputa entre Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB).

Leia também

“Somo um só corpo, um só projeto”, diz Aécio sobre apoio recebido de Marina

* Fonte: Uol/FSP-

Movimento Cultural/Homenagem: Cartola – Por Walter Jorge de Freitas *

CARTOLA

 

Cordas de aço –

O compositor, cantor e instrumentista Angenor de Oliveira, nasceu no bairro do Catete – Rio de Janeiro, no dia 11/10/1908. Tinha oito anos de idade quando sua família se mudou para as Laranjeiras. Aos onze, passou a viver no morro da Mangueira.

Aprendeu a tocar cavaquinho com o pai e ainda menino, já animava festas de rua. Terminou o curso primário com quinze anos, depois de passar por várias escolas. Com a morte de sua mãe, deixou a escola e a família e iniciou a sua vida de boêmio.
Trabalhou em várias tipografias e depois virou pedreiro. Por usar um chapéu para evitar que o cimento sujasse a sua cabeça, ganhou o apelido de Cartola.

Fundou em 1925 com Carlos Cachaça (seu mais constante parceiro) e alguns amigos, o Bloco dos Arengueiros. A fusão desse bloco com outros em atividade no morro, resultou na fundação em 28 de abril de 1928, da Estação Primeira de Mangueira, escola de samba que seria a segunda do Rio de Janeiro, cujo nome e cores foram sugeridos por ele. O samba Chega de Demanda, que compôs messe mesmo ano, foi escolhido para o primeiro desfile da escola.

Em 1931 vendeu os direitos de gravação do samba Que Infeliz Sorte a Mário Reis, que nem chegou a gravá-lo, cabendo a Francisco Alves a sua gravação. O mesmo Francisco Alves comprou mais alguns sambas seus.

Em 1941, fundou com Paulo Portela e Heitor dos Prazeres o Conjunto Carioca que durante um mês, fez apresentações em São Paulo. Nessa mesma época sumiu, só sendo redescoberto em 1956, quando o cronista Sérgio Porto o encontrou lavando carros em uma garagem de Ipanema, onde à noite, trabalhava como vigia de edifícios.

O cronista levou-o a cantar na Rádio Mayrink Veiga. Conseguiu também um emprego no jornal Diário Carioca.
A partir de 1961, passou a viver com Eusébia Silva do Nascimento – Zica – com quem casou mais tarde. Sua casa tornou-se um ponto de encontro de sambistas. Em 1964, ele e Zica resolveram abrir o restaurante Zicartola, que além de oferecer boas comidas, tinha a presença constante dos maiores representantes do samba de morro.

Apesar da boa qualidade de suas músicas, só em 1974, perto de completar 66 anos, conseguiu gravar o seu primeiro LP – Cartola – na etiqueta Marcos Pereira, disco que lhe rendeu vários prêmios. Em 1976, veio o seu segundo LP, também chamado Cartola, no qual incluiu As Rosas Não Falam uma de suas mais famosas criações. Em 1977, a Rede Globo dedicou-lhe um programa com o nome Brasil Especial. Em 1978, fez o seu primeiro show individual.

Em 1979, lançou seu quarto LP- Cartola 70 anos -, época em que descobriu que estava com câncer, doença que lhe tiraria a vida em 30 de novembro de 1980.

Seus maiores sucessos foram As Rosas não Falam, Tive Sim, Alvorada, O Mundo é um Moinho, Peito Vazio, Divina Dama e Acontece.
Elton Medeiros, um de seus parceiros, em depoimento ao programa Sarau, disse que certo dia, um crítico duvidou que fosse deles, um samba que cantaram em um bar. Lá mesmo, a título de desafio, eles compuseram em 40 minutos, o samba O Sol Nascerá, que não só serviu para provar a capacidade deles como autores e parceiros, como também alcançou enorme sucesso.

 

Pesqueira, 11 de outubro de 2010.

* Autor: Walter Jorge de Freitas

Eleições 2014/presidente: Aécio põe mais de 17 pontos de vantagem, segundo Sensus/IstoÉ *

 

 

Aécio dispara e abre 17 pontos de vantagem sobre Dilma, mostra pesquisa Istoé/Sensus

Primeiro levantamento após divulgação de áudios da Petrobrás mostra que escândalo atingiu em cheio campanha da petista

 

aecio2.jpg

 

Primeira pesquisa ISTOÉ\Sensus realizada depois do primeiro turno da sucessão presidencial mostra o candidato Aécio Neves (PSDB) com 58,8% dos votos válidos e a petista Dilma Rousseff com 41,2%. Uma diferença de 17,6 pontos percentuais. O levantamento feito entre a quarta-feira 7 e o sábado 10 é o primeiro a captar parte dos efeitos provocados pelas revelações feitas pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa sobre o detalhamento do esquema de corrupção na estatal. “Além do crescimento da candidatura de Aécio Neves, observa-se um forte aumento na rejeição da presidenta Dilma Rousseff”, afirma Ricardo Guedes, diretor do Instituto Sensus. Segundo a pesquisa, o índice de eleitores que afirmam não votar em Dilma de forma alguma é de 46,3%. A rejeição de Aécio Neves é de 29,2%. “O tamanho da rejeição à candidatura de Dilma, torna praticamente impossível a reeleição da presidenta”, diz Guedes. A pesquisa também capta, segundo o diretor do Sensus, os apoios políticos que Aécio recebeu durante a semana, entre eles o do PSB, PV e PPS.

As 2000 entrevistas feitas em 24 Estados e 136 municípios mostra que houve uma migração do eleitorado à candidatura tucana mais rápida do que as manifestações oficiais dos líderes políticos. No levantamento sobre o total dos votos, Aécio soma 52,4%, Dilma 36,7% e os indecisos, brancos e nulos são 11%, tudo com margem de erro de 2,2% e índice de confiança de 95%. Nos votos espontâneos, quando nenhum nome é apresentado ao eleitor, Aécio soma 52,1%, Dilma fica 35,4% e os indecisos são 12,6%. “A analise de todos esses dados permite afirmar que onda a favor de Aécio detectada nas duas semanas que antecederam o primeiro turno continua muito forte”, diz Guedes. O tucano, segundo a pesquisa ISTOÉ\Sensus, vence em todas as regiões do País, menos no Nordeste. No PSDB, a espectativa é a de que a diferença a favor de Dilma no Nordeste caia nas próximas pesquisas, principalmente em Pernambuco, na Bahia e no Ceará. Em Pernambuco devido o engajamento da família de Eduardo Campos na campanha, oficializado na manhã do sábado 10. Na Bahia em função da presença mais forte do prefeito de Salvador, ACM Neto, no palanque tucano. E, no Ceará, com a participação do senador eleito Tasso Jereissati.

Além da vantagem regional, Aécio, de acordo com o levantamento, supera Dilma em todas as categorias socioeconômicas, o que, segundo a análise de Guedes, indica que a estratégia petista de apostar na divisão do País entre pobres e ricos não tem dado resultado.

PESQUISA ISTOÉ|Sensus

Realização – Sensus

Registro na Justiça Eleitoral – BR-01076/2014

Entrevistas – 2.000, em cinco regiões, 24 Estados e 136 municípios do País

Metodologia – Cotas para sexo, idade, escolaridade, renda e urbano e rural

Campo – de 07 a 10 de Outubro de 2014

Margem de erro – +/- 2,2%

Confiança – 95%

* Fonte: REvista IstoÉ/Mário Simas Filho

Eleições 2014: Carta de Renata Campos a Aécio Neves *

 

João Campos e a Carta de Renata;

Um dos momentos mais emocionantes do ato no Internacional, neste momento, foi a leitura de uma carta da viúva de Eduardo Campos, Renata Campos, lida por João Campos, filho mais velho de Eduardo. O texto fala dos sonhos de Eduardo e os compromissos dele com o Pais.

 

Exiba IMG_2841.JPG na apresentação de slidesExiba IMG_2854.JPG na apresentação de slides

“Bom dia a todas e a todos,

Nossas primeiras palavras são de gratidão ao povo pernambucano, pela confiança, pela bela vitória no dia 5 de outubro. Expressamos nossos sentimentos nas urnas e reconhecemos um caminho. Não desistimos do Brasil. Nosso muito obrigado ao povo Pernambucano!

Para nós, esse foi um ano muito duro. Perdemos nosso Eduardo, nosso Dudu, nosso pai, nosso líder, nosso guia. Ele tinha um grande sonho: tornar o Brasil um pais mais justo, mais humano, mais equilibrado, onde as pessoas estivessem em primeiro lugar. Dedicou sua vida à construção desse sonho. Ele sabia que, para chegar nesse novo Brasil, era preciso um novo caminho.

Infelizmente, quis o destino que o caminho que sonhávamos não se tornasse possível.

Hoje, temos duas possibilidades: continuar como estamos ou trilhar um caminho de mudança. O Brasil pede mudanças. O governo que ai está tornou-se incapaz de realizá-las. Continuamos acreditando nos mesmos valores, continuamos com os mesmos sonhos. Só será possível mudar o Brasil se tivermos capacidade de unir e dialogar, respeitando as diferenças. É preciso reconhecer os avanços que tivemos, as contribuições de todos, mas é fundamental organizar a casa, arejar.

Aécio, acredito na sua capacidade de dialogo e gestão. Sei que não é a primeira vez que seu caminho cruza com o de Eduardo. Lembro que, lá trás, em momentos importantes da história, o caminho do seu avô Tancredo cruzou com o de Dr. Arraes. Sei que também eram diferentes, mas souberam se unir pelo bem do Brasil. Em vários momentos, quando era necessário, você e Eduardo sabiam sentar e dialogar, encontrar caminhos.

Eduardo tinha bandeiras muito claras, e se quisermos mudar o Brasil é preciso levar adiante seus ideais: as reformas pelas quais ele tanto lutou, o pacto federativo, saúde mais 10, o Pacto pela Vida, uma educação de qualidade com escolas em tempo integral, passe livre, um desenvolvimento com sustentabilidade, entre outras.

Penso, Aécio, que hoje é um dia muito importante na sua caminhada, aqui no Nordeste, em Pernambuco, estado que sempre foi palco de lutas libertárias, que tem um povo generoso, com força e coragem. Estado que tem a cara de Eduardo e Arraes. Daqui você vai levar a garra e a energia desse povo, que serão fundamentais e essenciais para construção de um novo Brasil. Um Brasil que se respeite, reconheça suas diferenças, que saiba combater as desigualdades, criando oportunidades para todos. Só assim seremos capazes de construir uma nação justa, soberana, livre, fraterna e equilibrada, como Eduardo tanto sonhou.

Somos nordestinos, pernambucanos, e queremos juntos, construir a nação brasileira!

 

Siga em frente, Aécio! Boa sorte! Que Deus nos proteja! Obrigada.”

 

* Renata Campos

 

– Fonte; Equipe de Imprensa 40

Eleição Presidencial/Segundo turno: Aécio começa a disparar para a vitória *

Dilma bateu no teto

Sem ter como crescer Dilma

vai assistir Aécio disparar

 

 

A primeira pesquisa do segundo turno da eleição presidencial foi realizada pelo Instituto Paraná, cujo trabalho de campo foi levado a efeito entre os dias 6 e 8 de outubro. O resultado mostrou Aécio Neves com 54% de intenção de votos e Dilma Roussef com 46%, em votos válidos.

Observado-se os números do levantamento em votos totais constata-se que o tucano teve 49% de intenções de voto e a presidente 41%, com brancos, nulos e indecisos somando 10%.

Desprezando-se as diferenças metodológicas entre institutos, esse percentual da pesquisa do segundo turno para Dilma significa que ela praticamente não agregou adeptos na passagem de uma etapa para outra.

De fato, as últimas 10 pesquisas do primeiro turno indicaram que Dilma tinha chegado à reta final do pleito com um teto de 40% de manifestações de voto. Isso pode ser visto no gráfico que acompanha o texto. Das 10 pesquisas finais do primeiro turno, em oito as intenções de voto da petista cravaram o mesmo número: 40%.

Desde que Marina Silva se tornou candidata, a presidente Dilma vinha tendo discreta, porém contínua, ascensão na preferência do eleitorado, suscitando até expectativas de levar o pleito já no primeiro turno, ou abrir uma vantagem de tal sorte que inaugurasse a segunda etapa com larga margem de diferença para quem fosse lhe confrontar.

Com efeito, vendo a evolução de suas intenções de voto em termos de média por subperíodo, em 29 levantamentos de diversos institutos, Dilma alcançava 35% em agosto, 36% na primeira quinzena de setembro, 37% do início da segunda quinzena até o dia 25 de setembro e, finalmente, 40% nas 10 pesquisas finais já mencionadas.

Entretanto, neste último período, o mais crucial do pleito, a candidata do PT não conseguiu romper a barreira dos 40%, não só enterrando de vez a remota possibilidade de findar o certame no primeiro turno, como atestando a resiliência de um significativo contingente de eleitores – nada menos do que 60% – que não lhe queriam conceder o voto.

Os números totais da pesquisa do Instituto Paraná no segundo turno, dada a vantagem elástica para o oposicionista, mostram que a presidente tem pouco espaço para garimpar votos no conjunto dos brancos, nulos e indecisos, e que só pode evoluir mesmo, a ponto de equilibrar a peleja, retirando votos do tucano.

A julgar pelos números oficiais do segundo turno de 2010, os brancos e nulos somaram cerca de 7%. Se este percentual se repetir em 2014, significa que há três pontos desse conjunto que se vão distribuir entre as duas candidaturas.Mesmo admitindo que Dilma seja a beneficiária total dos três pontos, ainda assim, ela só alcançaria 47% dos votos válidos, enquanto Aécio teria 53%.

As pesquisas a serem divulgadas esta semana devem mostrar, também, Aécio à frente de Dilma. Resta saber se com margem de vantagem semelhante à registrada pelo Instituto Paraná.

*Maurício Costa Romão é Ph.D. em economia, consultor da Contexto Estratégias Política e Institucional, e do Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau.

Eleição Presidencial/Segundo Turno: 1/3 dos Ricos rejeitam Dilma. 1/3 dos Pobres não votam em Aécio *

 

 

Rejeição a Dilma é maior entre

os mais ricos, aponta Datafolha

 

 

 

A rejeição ao voto na presidente Dilma Rousseff (PT) é maior entre os mais ricos. Segundo pesquisa Datafolha concluída na última quinta-feira (9), 43% dos entrevistados disseram que não votariam na presidente de jeito nenhum. Já os que responderam isso sobre Aécio Neves (PSDB) são 34%.

Entre os mais ricos, a rejeição à Dilma cresce: 65% disseram não votar na petista, enquanto apenas 25% dos classificados como classe alta não votariam no tucano. No grupo classe média-alta, os percentuais são, respectivamente, de 57% e 26%.

Na outra ponta, a rejeição a Aécio é maior entre os mais pobres. Dos excluídos (baixa escolaridade e renda), 41% disseram que não votam no tucano, ante 29 de Dilma.

A classificação de perfil de classe criada pelo Datafolha combina, por meio de análises estatísticas, o acesso a bens de conforto, escolaridade do entrevistado e renda familiar mensal.

O diretor do Datafolha, Mauro Paulino, avalia que se por um lado a rejeição a Aécio não é tão expressiva entre os excluídos, por outro as classes baixas são justamente onde a presidente obtém sua maior parcela de eleitores convictos.

Segundo ele, no segundo turno, além de tentar conquistar votos as campanhas procuram também aumentar a rejeição do adversário.

O Datafolha investigou ainda o grau de convicção do voto. O placar também é equilibrado: 43% dizem que votam em Aécio “com certeza”, 42% respondem o mesmo para Dilma. Há 22% que “talvez” possam votar no tucano. O “talvez” de Dilma está em 14%.

VOTOS VÁLIDOS

O segundo turno da eleição presidencial começa com uma disputa extremamente acirrada e aspectos inéditos. Pesquisa Datafolha mostra Aécio (PSDB) com 51% das intenções de voto válido ante 49% da presidente Dilma.

É uma situação de empate técnico, já que a margem de erro é de dois pontos. Assim, o tucano pode ter entre 49% e 53%, a petista pode ter entre 47% e 51%.

Considerando todas as pesquisas do instituto desde 1989, é a primeira vez que um candidato que ficou em segundo lugar na disputa inicial aparece numericamente à frente do vencedor numa simulação de turno final.

Em votos totais, Aécio tem 46% contra 44% para Dilma. Há 4% de eleitores dispostos a votar nulo ou em branco. Outros 6% estão indecisos.

Leia também: 

 

* Fonte: Datafolha/Folha de São Paulo –

Nobel da Paz: O Mundo está mais Justo e mais Nobre *

 

 

Paquistanesa e indiano

ganham o Nobel da Paz 2014

 

A ativista adolescente paquistanesa Malala Yousafzai, de 17 anos de idade.

 

(Foto: Luke MacGregor/Reuters A ativista adolescente paquistanesa Malala Yousafzai, de 17 anos de idade.)

A ativista adolescente paquistanesa Malala Yousafzai e o presidente da Marcha Global contra o Trabalho Infantil, o indiano Kailash Satyarthi, ganharam o Nobel da Paz 2014, informou nesta sexta-feira o Comitê Nobel da Noruega.

O prêmio foi concedido pelo Comitê “por sua luta contra a repressão das crianças e dos jovens e pelo direito de todas as crianças à educação”.

Nos países mais pobres do mundo, 60% da população é menor de 25 anos, lembrou o júri para afirmar que o respeito aos direitos das crianças e dos jovens é “um pré-requisito para um desenvolvimento global em paz”.

No caso de Kailash Satyarthi, o Comitê destacou seu “grande valor pessoal” que, “na tradição de Gandhi”, o levou a liderar protestos e manifestações, todas pacíficas, para denunciar a exploração infantil.

“Contribuiu além disso para o desenvolvimento de grandes convenções internacionais dos direitos das crianças”, ressaltou, ao argumentar a concessão do Nobel da Paz.

No caso de Malala Yousafzay, que já aparecia como uma das favoritas para ganhar o prêmio em 2013, o Comitê ressaltou que, “apesar de sua juventude, já lutou por vários anos pelo direito das meninas à educação e mostrou com seu exemplo que crianças e jovens também podem contribuir para melhorar a sua própria situação”.

“Ela fez isso nas mais perigosas circunstâncias. Através de sua luta heroica, se transformou em uma porta-voz e líder a favor do direito das meninas à educação“, acrescentou o júri.

Ao premiar um hindu e uma muçulmana, um indiano e uma paquistanesa, o Comitê também apostou em uma “luta conjunta a favor da educação e contra os extremismos”.

Também foi lembrada a importância do trabalho de todas as pessoas e organizações que atuam contra a exploração infantil. Segundo os números divulgados, é estimado que haja cerca de 168 milhões de crianças que trabalham no mundo, 78 milhões a menos que no ano 2000.

Nascido em 1954 em Vidisha, na Índia, país onde ainda reside, Kailash Satyarthi (foto) é presidente da ONG Marcha Global contra o Trabalho Infantil. Liderou em 1998 uma mobilização civil contra o exploração infantil que reuniu cerca de 7,2 milhões de pessoas e que deu lugar ao nascimento da ONG.

A paquistanesa Malala Yousafzay, nascida em 1997, em Mingora, ficou gravemente ferida há dois anos quando o ônibus escolar em que era transportada foi atacado. Foi transferida para o Reino Unido devido ao temor por sua segurança e foi submetida a várias intervenções.

Malala se tornou nos dois últimos anos um ícone da luta pelos direitos das meninas à educação e foi escolhida em 2013 pela revista Time uma das pessoas mais influentes do mundo.

* Fonte: MSN/Notícias