Category Archives: Turismo & Lazer

Crônica/Cultura Viva: Cais do Sertão – Por Carlos Sinésio * (Exclusivo para oabelhudo)

Cais do Sertão:

beleza e riqueza cultural do interior

 

 

 

 

 

O Museu Cais do Sertão, no Recife Antigo (Cais do Porto), é um lugar único e mágico, onde o imaginário popular nos leva a viajar pelo coração do Nordeste. Sua beleza e sua riqueza cultural encantam qualquer pessoa que tenha sensibilidade suficiente para valorizar e admirar a rica cultura nordestina.

No último sábado à tarde, voltamos ao lugar para novamente apreciarmos um pouco mais a nossa cultura interiorana de Pernambuco, tão parecida com a de todo o semi-árido do Nordeste. Afinal, uma ida apenas ao local pode ser pouco para quem quer conhecer melhor, apreciar ou reviver mais algumas tradições da região.

Quem não foi ainda ao Cais do Sertão, inaugurado em abril deste ano pelo então governador Eduardo Campos, deve se programar para apreciar bastante algumas das melhores tradições do nosso povo. O museu está instalado no antigo Armazém 10 do porto, tem cerca de 2 mil m2 de área em dois pisos. Nele foram investidos R$ 97 milhões do Ministério da Cultura e do Governo de Pernambuco.

O espaço conta com uma exposição sobre o Rio São Francisco (um pequeno rio com peixes de verdade simboliza o Velho Chico). Também dispõe de estúdios de gravação e salas para quem quer se arriscar no Karaokê. Há oficinas de instrumentos musicais (há sanfona, zabumba, triângulo, violão, etc) para quem quiser fazer um som, além de discografia e parte da obra do Rei do Baião Luiz Gonzaga.

Um dos diferenciais do espaço cultural é uma sala de exibição de vídeos, onde, sentados em tamboretes de madeira, os visitantes assistem filmes sobre a vida dos sertanejos. A sala é coisa de cinema, diferente de tudo que existe por aqui nessa área. Também uma réplica de uma moradia de taipa com seus utensílios tradicionais (candeeiros, panelas de barro, fogão a lenha e a decoração característica da área rural) chama a atenção.

Para acompanhar os visitantes, um grupo de monitores bilíngues está à disposição sempre. Os ingressos custam R$ 8 (inteira) e R$ 4 (meia para estudantes). Nas terças-feiras, o museu é aberto gratuitamente das 14h às 21h. Nas segundas-feiras, o Cais do Sertão fecha para manutenção. Outras informações, é só acessar o face (caisdosertao) ou ligar (81) 3089-2974.

* Autor: Por Carlos Sinésio,  –  Carlos Sinésio de Araújo Cavalcanti é pesqueirense, jornalista, colaborador ocasional do OABELHUDO, poeta, e escritor.

Evento/São Bento do Una: 17ª Festa da Galinha atrai milhares de pessoas * – Colaboração de Lidinho Cintra

São Bento do Una promove 17ª

edição da Corrida da Galinha

“São Bento do Una é o maior produtor de ovos do Nordeste, tendo chegado a produzir 2,7 milhões de ovos por dia e 350 mil frangos por semana. No ranking nacional o município está na 17ª colocação.”

 

Galinhódromo da Corrida da Galinha, em São Bento do Una. Dezenas de milhares de turistas visitam a cidade na semana de festas

Galinhódromo da Corrida da Galinha, em São Bento do Una. Dezenas de milhares de turistas visitam a cidade na semana de festas

 

Com o objetivo de divulgar o maior potencial econômico da cidade, São Bento do Una, no Agreste de Pernambuco, lança a 17ª edição da Corrida da Galinha, que vai ser realizada de 28 de julho a 03 de agosto de 2014. O evento foi inspirado na fama do município como um dos principais produtores de ovos e frangos do Nordeste. A avicultura industrial pernambucana, atualmente, é o segmento mais importante do seu agronegócio, sendo responsável por 28% do PIB da atividade e 2,53% do PIB estadual. Pernambuco é o maior produtor de ovos do Nordeste seguido pelo Ceará. Neste contexto, São Bento do Una é o maior produtor de ovos do Nordeste, tendo chegado a produzir 2,7 milhões de ovos por dia e 350 mil frangos por semana. No ranking nacional o município está na 17ª colocação.

Pegando o mote da Copa do Mundo, com o tema “Depois da Copa tem a canja da galinha”, essa edição do evento traz na sua programação shows, atividades culturais e as bem humoradas competições. Criado em 1993 pelos irmãos conterrâneos Marcos e Marcelo Valença, a Corrida da Galinha mantém suas características, tendo como ponto alto da festa a competição de galos e galinhas. “O evento vem crescendo a cada edição e a disputa atrai diversos competidores que se deslocam para a cidade atraídos pelo clima festivo e descontraído das brincadeiras”, observa Marcos Valença.

Como uma espécie de paródia da Fórmula 1, a Corrida da Galinha apresenta os ícones do circuito automobilístico, com direto a prêmios para os três primeiros e últimos lugares e até placa na calçada da fama . A pista em circuito fechado chamada de Galinhódromo tem 88 metros de extensão sendo protegida por um tela e instalada em local amplo para dar mais espaço e segurança aos pilotos e suas máquinas “voadoras”. A estrutura ainda conta com o espaço “Pinto stop”; o Poleiro, arquibancada com capacidade para 2 mil espectadores e a Torre de Comando onde é feita a transmissão da corrida com narração exclusiva do Galão Bueno e respectivos comentaristas.

Outras competições também fazem parte da programação como o Ovo ao Alvo, Segura nos Trinta, Coma seu Frango, Engula o Ovo, Canto do Galo, Cocoricó da Galinha e Penas, Plumas e Paetês. As inscrições para entrar nas brincadeiras são gratuitas e podem ser realizadas no Galinhódromo.

Além das brincadeiras, o evento promove também diversas atividades culturais e educativas. No Terreiro de Palestras vão ser realizadas oficinas e apresentações de projetos culturais. Para promover os artistas locais, o Terreiro Cultural vai receber apresentações musicais da terra. O evento também conta com um Polo Gastronômico localizado ao lado do Galinhódromo com praça de alimentação para os visitantes conhecerem as comidas regionais.

Para participar das competições e conferir as atrações do evento são esperadas esse ano cerca de 50 mil pessoas por dia. Mais de 2 mil empregos diretos e indiretos são gerados. “O evento tem uma grande importância para São Bento do Una porque movimenta a economia da cidade e dá visibilidade para nosso grande potencial na avicultura”, afirma Débora Almeida, prefeita de São Bento do Una.

CARNAGALINHA – Além das competições, a programação da Corrida da Galinha também conta com shows gratuitos em trios elétricos, que está com novo percurso, saindo da Avenida Osvaldo Maciel. De sexta (01) a domingo (03), 15 atrações vão se apresentar no corredor da folia, montado no Centro da Cidade. Entre as bandas que vão animar o Carnagalinha, Aline Rosa, Babado Novo, Parangolé, Asas da América, Gabriel Diniz e Luan e Forró Estilizado. Na programação do sábado também há saída de blocos como o Galo Belo, com escola de samba, orquestra de frevo e maracatus. No mesmo dia, a diversão das crianças está garantida como Bloco Infantil Pintinho Sapeka saindo com a Banda A Barca Maluka.

SÃO BENTO DO UNA – Localizado a 206 km do Recife, é composto pelos distritos sede e Espírito Santo, além dos povoados de Jurubeba, Pimenta, Queimada Grande, Maniçoba e Gama. População de 54 mil habitantes.

PROGRAMAÇÃO DE SHOWS

 

SEXTA-FEIRA- 01/03

ALINE ROSA

FORRÓ DA PEGAÇÃO

ASAS DA AMÉRICA

PIERRE

 

SÁBADO – 02/03

BABADO NOVO

ASAS DA AMÉRICA

BICHO DO MATO

PARANGOLÉ

VIRADOS DO FORRÓ

 

DOMINGO – 03/03

SAIA ELÉTRICA

SINAL FECHADO

ASAS DA AMÉRICA

GABRIEL DINIZ

LUAN FORRÓ ESTILIZADO

http://www.aviculturaindustrial.com.br/boletim/20140723093324_W_305

* Fonte: Boletim Avicultura Industrial de 23/07/14

Pernambuco: Aeroporto de Recife é Considerado Bom em Nota Internacional *

 

 

 

 

AEROPORTO DE RECIFE É

CONSIDERADO – BOM –

COMPARATIVAMENTE

COM OS DEMAIS DO PAÍS

 

O Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes – Gilberto Freyre (foto Google)

O Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes – Gilberto Freyre (foto Google)

 

 

 

O Aeroporto Internacional Guararapes/Gilberto Freyre, no Recife, foi o único considerado “bom” numa pesquisa realizada pelo instituto Proteste Associação de Consumidores, entre os 14 aeroportos mais movimentados do País. Segundo o site da revista Exame, o levantamento envolveu mais de 150 aeroportos do mundo, considerando as respostas de 9 mil questionários enviados a pessoas de seis países: Bélgica, Brasil, Espanha, França, Itália e Portugal.

Entre as cidades brasileiras analisadas, Porto Alegre, Natal, Campinas, Florianópolis, Curitiba, Salvador, São Paulo, Fortaleza, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Brasília estiveram presentes. Todas as notas foram consideradas medianas ou ruins e comprovaram o que já é conhecido entre a população local: a qualidade de nossos aeroportos deixa muito a desejar.

tabela de aeropostos do Brasil

Ainda segundo a Exame, foram considerados oito quesitos gerais para a avaliação dos lugares na pesquisa: acesso ao aeroporto via transporte coletivo, placas de orientação, as telas que exibem os voos, banheiros, lugares para sentar, segurança, tempo de espera até o embarque e o embarque propriamente dito.

A capital pernambucana se destacou nos itens “lugares para sentar” e “telas que exibem voos”, mas foi considerada ruim e péssima no acesso via transporte coletivo e na segurança do local. A nota final do aeroporto recifense foi 74, cinco pontos a mais que a cidade de Porto Alegre, que atingiu o segundo lugar do ranking, marcando 69. O de Brasília, que já tem uma má fama entre os viajantes, foi confirmado como o pior entre os brasileiros, contabilizando apenas 60 pontos. (Veja tabela acima)

Em pesquisa recente, a capital pernambucana também atingiu uma boa nota numa avaliação entre os aeroportos da América do Sul. Segundo o ranking World Airport Awards 2014, da Skytrax, o terminal recifense é o sétimo melhor de toda a Região Sul do continente americano.

O Recife ainda foi agraciado com mais uma estatística positiva: segundo o site Portogente, os hotéis na Praia de Boa Viagem são os mais procurados entre os turistas mais dispostos a gastar. A capital de Pernambuco foi eleita a cidade-sede mais receptiva e hospitaleira da Copa do Mundo deste ano, com 80,1% de seus visitantes estrangeiros declarando que pretendem retornar ao local.

* Fonte; PROTESTE/Revista Exame

Sanharó-PE: XVª Fenearte de 02 a 12 de julho homenageia os Mamulengos *

XVª Fenearte celebra os

mamulengos e transmite

jogos da Copa

Evento terá cinco mil expositores, do Brasil e de 40 outros países. Feira espera movimentar mais de R$ 40 milhões.

XV Fenearte coletivapeças de barro na Fenearte XV

Na edição em que completa 15 anos, a Fenearte faz homenagem aos mamulengos e tem como tema A Arte da Alegria. Devido à Copa do Mundo, a Feira Nacional de Negócios do Artesanato antecipa seu início para a quarta-feira (2) e vai até o sábado (12/7), no Centro de Convenções de Pernambuco. Os detalhes sobre a feira foram divulgados nesta quarta-feira (25), no Recife.

O evento terá cinco mil expositores, do Brasil e de 40 outros países – entre os inéditos, Armênia, Chipre, Maldivas e Serra Leoa – que vão ocupar uma área total de 29 mil m². A feira conta com investimento aproximado de R$ 5 milhões e espera movimentar mais de R$ 40 milhões. O público previsto é de mais de 320 mil pessoas. A planta da Feira tem a assinatura de Carlos Augusto Lira Arquitetos.

Sanharó estará na FENEARTE com stand dos artesãos locais

Sanharó estará na FENEARTE com stand dos artesãos locais

Homenageados deste ano, os mamulengos vão ganhar uma área especial, com curadoria e cenografia do pesquisador e ator Fernando Augusto Gonçalves, do Mamulengo Só-Riso. Os bonecos estão em processo de reconhecimento como Patrimônio Cultural do Brasil e vão ganhar uma área de 150 m² no mezanino, com destaque para o trabalho da mestra Elda, de Ibimirim-PE.

Serão selecionados 50 artistas populares de todas as regiões de Pernambuco para participar da Alameda dos Mestres Janete Costa, que ficará na entrada principal da feira, no tapete vermelho. São trabalhos em madeira, barro, fios, palha, reciclados, entre outras matérias-primas.

cerca de 5 mil expositores estarão presentes no evento

cerca de 5 mil expositores estarão presentes no evento

No piso superior, uma mostra reúne a produção de 180 artesãos do Alto do Moura, em Caruaru, Agreste de Pernambuco, feita especialmente para a Copa do Mundo. As peças não serão comercializadas.

Uma horta vertical vai ser montada na área externa do Centro de Convenções, ao lado do programa Chapéu de Palha, idealizada pelo empresário José Maria Sultanum. Técnicos vão explicar como funciona o sistema e serão comercializados legumes e folhagens para cultivo em casa, além de oferecidas saladas prontas para consumo no local.

No dia 7 de julho, às 16h, será lançado o livro “Que boneca é essa? Corte e recorte de mestras Brasileiras”, de autoria da escritora Macao Goés e a fotógrafa Graça Seligman. A autora vai falar sobre sua pesquisa a respeito das mulheres que ganham a vida criando brinquedos Brasil afora.

A programação artística e cultural será divulgada no balcão de informações. Além disso, um grande mapa estará exposto na entrada da Feira. Dois telões, além de TV’s, irão transmitir os jogos da Copa do Mundo.

Oficinas

As bonequeiras Edjane Ferreira e Edineléia Gomes vão ensinar a criar bonecos. Também será possível aprender modelagem e pintura em cerâmica, com Viviane da Fonte; brinquedos populares, com Moacir Rodrigues; A marca de aviamentos Pinguim ministrará aulas com linhas e bordados. Todas as oficinas são gratuitas e acontecem no mezanino.

Leia a Íntegra:

saiba mais

* Fonte: G1/Pernambuco

Movimento Cultural/Belo Jardim: Vejam a Programação da Festa das Marocas de 2014 *

Belo Jardim jardim da entrada 2

PROGRAMAÇÃO OFICIAL

FESTA DAS MAROCAS

 

Sexta-feira (27)

05h – Café da manhã das Marocas
Começa na Jorge Aleixo e termina na Siqueira Campos.

Palco Nivaldo Jatobá

Forrobodó (Belo Jardim)
Vitor e Léo (MG)

Polo da Sanfona

20h – Gerson Sanfoneiro e o Trio Bitury (Belo Jardim)
22h – Chapéu de Couro (Belo Jardim)

Sábado (28)

Palco Nivaldo Jatobá

Ricardo França (Caruaru)
Alexia Morenato (Belo Jardim)
Brucelose (Gravatá)

Matinê
16h – Projeto mulheres em ação
17h – Apresentação da Quadrilha do PET

Polo da Sanfona

20h – Galego da Tapera (Belo Jardim)
22h – Xote Universitário (Pesqueira)

Domingo (29)

Palco Nivaldo Jatobá

Helton Silva (Belo Jardim)
Hélder e Rodrigo (Arcoverde)
Forró da Pegação (RN)

Matinê
15h – Programação Infantil
16h – Apresentação de Ciranda
17h – Festival de Quadrilhas

Polo da Sanfona

20h – Zé de Sidrônio e o Trio Rojão (Belo Jardim)
22h- Sandro Meneses (Belo Jardim)

Segunda-feira (30)

Palco Nivaldo Jatobá

Pegada Top (Belo Jardim)
Arreio de Ouro (Custódia)
Calypso (PA)

Polo da Sanfona

20h – Banda de Pífano Zé do Estado (Caruaru)
22h – Chicote de Couro (São Bento do Una)

Terça-feira (01)

17h – Levada do Trio com a Banda Asas da América
saída do Pátio de Eventos Nivaldo Jatobá

 

* Fonte: PMBJ/Imprensa

Pesqueira/Movimento Cultural: A Velha Praça da Estação e suas Lembranças… – Por Reginaldo Maciel Almeida *

Praça da Estação – Pesqueira

 

Pesqueira praça da estação foto antigaestaçao ferrea de pesqueira visão lda praça em frente 091

(Pátio onde surgiu a atual praça Manuel Caetano de Brito – Praça da estação) 

 

De uns tempos para cá resolvi escrever sobre Pesqueira pois vendo as gerações passando e certos causos e fatos caírem no esquecimento procuro provocar àqueles que vivenciaram ou foram testemunhas de fatos antes considerados bobagens mas hoje tão significativos.

Em visita à terrinha fui rever a Praça da Estação. Caminhando recordei que naqueles anos era considerada muito distante, isolada e que agora fica bem próxima do centro. Procurei lembrar o seu nome e não consegui , sempre foi conhecida como Praça da Estação. Depois amigos me lembraram que é Praça Manuel Caetano de Brito.

Pesqueira maria fumaça na estação foto antigaPesqueira Construção da Estação e montagem dos trilhos

(Velha locomotiva estacionada na estação. E a construção no início do século XX)

Ali chegando constatei que pouca coisa mudara. Cada banco sombreado por uma árvore convidando a sentar; um caramanchão no centro, canteiros arborizados conservando o mesmo formato. Dirigindo-me à Estação de Trem que em minha memória parecia maior, recordei-a apinhada de pessoas que iam viajar ou que estavam a esperar alguém , sendo identificadas nas feições de alegria ou tristeza. Observei que haviam retirado os trilhos, como que a dizer: Trem passar por aqui, nunca mais!

Pesqueira o trem chegando trazendo e levando progresso...Vinha abastecer na caixa d'água da estação.

Pesqueira o trem chegando trazendo e levando progresso…Vinha abastecer na caixa d’água da estação.

O trem chegando, apitando naquela curva e fazendo tremer os trilhos parava na caixa d’água. Naquele momento a rapaziada que havia gazeado aula no Colégio Cristo aproveitava para pegar carona até a estação.

Voltando à praça, sentei e lembrei com saudade de tantos colegas à época adolescentes que tomaram rumos tão diversos e que de alguns jamais tivemos notícias.

pesqueira predio da antiga FordHotel-Estação-Cruzeiro-Pesqueira6

(Novos “habitantes” da velha praça da estação)
 

Pessoas desconhecidas agora por ali passavam, mas a serra com aquele grande lajedo parecia dizer: Eu permaneço aqui! Quantos pesqueirenses viveram fatos marcantes nesta praça. Refleti: Será que esta saudade é da praça ou da minha juventude. Ouvi então uma música que parecia triste, mas talvez fosse o meu estado de espírito e não a música.

Desloquei-me para a Praça D. José Lopes porque ali, facilmente conseguiria novas amizades. A terrinha pode estar diferente, mas os habitantes conservam a mesma cordialidade.

Paulinho, este novo cronista para o Abelhudo chama-se Reginaldo Maciel Almeida, reside em Recife é economista e apaixonado pela terrinha Pesqueira. Gratos pela publicação , a família inteira e demais amigos vão curtir bastante.

Reginaldo Maciel Almeida Pesqueira

* Autor: Seu Regi – Reginaldo Maciel Almeida é pesqueirense, economista, servidor do estado de Pernambuco aposentado. É irmão da ilustre colaboradora Margarida Maciel que é quem o apresenta.

 

 

 

 

 

Caruaru/Evento: Fundação de Cultura lança a Programação Junina 2014 *

Confira programação oficial

do São João de Caruaru, 2014

 

Alceu Valença e Dorgival Dantas vão abrir a festa junina no Pátio de Eventos. Festejo vai de 31/05 a 29/06;

Alceu Valença e Dorgival Dantas vão abrir a festa junina no Pátio de Eventos. Festejo vai de 31/05 a 29/06;

Alceu Valença e Dorgival Dantas vão abrir a festa junina no Pátio de Eventos. Evento terá ainda Luan Santana, Margareth Menezes e Jorge & Matheus.

A Fundação de Cultura e Turismo de Caruaru lançou nesta terça-feira (20) a programação da festa junina do município, localizado no Agreste pernambucano, que nesta edição tem o mote “Juntos, Fazemos o Maior e Melhor São João do Mundo”. Estão confirmados 367 shows musicais em sete polos, sendo 82% deles com artistas locais, segundo a prefeitura. Os homenageados são os músicos João do Pife, Carlos Fernando e Regis Pietro e o empresário João Luiz do Forrozão.

A abertura ocorrerá no dia 31 de maio com os cantores Azulão, Alceu Valença e Dorgival Dantas, além da banda Brucelose no Pátio de Eventos Luiz Gonzaga. A lista tem ainda Mestre Camarão, Amazan, Targino Gondim, Cristina Amaral, Nando Cordel, Maciel Melo, Santanna, Renilda Cardoso, Eliane, Elba Ramalho, Zé Ramalho, Vicente Nery, Jorge de Altinho, Jorge & Matheus e Luan Santana. Há também outros ícones da terra, como Erisson Porto, Valdir Santos e Flor de Mandacaru.

Detalhes

O palco terá 20m em formato retangular e a organização pretende dispor telões em 3D. São esperados 1,5 milhão de visitantes nos dias do evento e estima-se que sejam movimentados mais de R$ 200 milhões nos dias do evento que gera seis mil empregos (diretos e indiretos). A Polícia Militar deve disponibilizar aproximadamente dois mil homens.

Além de ações no Pátio de Eventos, a prefeitura programa outras como o Desfile de Bacamarteiros no dia 24 de junho, com mil participantes, e a queima da “Maior Fogueira Ecológica do Mundo” no dia 28.

PROGRAMAÇÃO DO PÁTIO DE EVENTOS LUIZ GONZAGA
DIAS ATRAÇÕES
Sábado (31 de maio) Azulão, Alceu Valença, Dorgival Dantas e Brucelose
Domingo (1º de junho) Mestre Camarão, Amazan e Brasas do Forró
Sexta-feira (6) Didi Caruaru, Sirano & Sirino, Forró de Griff e Cavaleiros do Forró
Sábado (7) Forró das Coleguinhas, Novinho da Paraíba, Caru Forró e Bonde do Brasil
Domingo (8) Elifas Júnior, Pinga Fogo e Arreio de Ouro
Quinta-feira (12) Fabiana Pimentinha, Targino Gondim, Ferro na Boneca e Limão com Mel
Sexta-feira (13) Gean Mota, Josildo Sá, Mastruz com Leite e Cristina Amaral
Sábado (14) Gabriel Diniz, Nando Cordel, Flávio Leandro e Saia Rodada
Domingo (15) Flor de Mandacaru, Calango Acesa e Forró do Muído
Sexta-feira (20) Forró da Mídia, Santanna, Maciel Melo e Forró Pegado
Sábado (21) Luan Santana, Forró da Curtição, Magníficos e Israel Filho
Domingo (22) Renilda Cardoso, Eliane, Elba Ramalho e Margareth Menezes
Segunda-feira (23) Garota Safada, Petrúcio Amorim, Geraldinho Lins e Valdir Santos
Terça-feira (24) Erisson Porto, Zé Ramalho e Vicente Nery
Sexta-feira (27) Forró Quentão, Luan Estilizado, Capim com Mel e Gatinha Manhosa
Sábado (28) Aviões do Forró, Jorge de Altinho, Jailson Rossete e Forró dos Plays
Domingo (29) Benil, Jorge & Matheus e Solteiros do Forró

 

* Fonte: G1/Fundação de Cultura e Turismo de Caruaru

Crônica/Homenagem: O Paço do Frevo – um Lugar de Encantos – Por Carlos Sinésio *

Paço do Frevo,

um encanto de lugar

 

 

Um Museu, um Resgate, uma História - Paço do Frevo em Recife

Um Museu, um Resgate, uma História – Paço do Frevo em Recife

 

 

 

 

Paço do frevo estandartes em exposiçãoPaço do frevo Recife antigo

 

O Paço do Frevo, monumento à cultura pernambucana instalado num antigo prédio no Bairro do Recife, é desses lugares que nos deixam orgulhosos. Não só como pernambucanos, mas também como brasileiros. É um centro cultural na acepção da palavra, que não só encanta pela beleza, mas pelo acervo que ele reúne nos seus quatro pisos.

O autor/curioso foi ver de perto os encantos do Paço do Frevo

O autor/curioso foi ver de perto os encantos do Paço do Frevo

Maria eduardo filha de sinesioCarlos sinesio e a filha no paço do frevo

 

 

Tivemos a oportunidade de visitar o Paço do Frevo nesse final de semana, na companhia de minha filha Maria Eduarda, de apenas 8 anos, que, como nós, também ficou deslumbrada com o que viu e ouviu. Fomos no sábado à tarde, após uma ida a um shopping, uma passeada no dique do Porto do Recife (entrando e saindo por Brasília Formosa) e uma caminhada pelo próprio Cais do Porto, no Marco Zero.

O prédio do Paço do Frevo, situado na bela Praça do Arsenal da Marinha, quase em frente a Torre Malakoff, tem quatro pavimentos, que foram totalmente recuperados com recursos públicos e privados. Já no térreo, além da recepção/bilheteria e de um café/ lanchonete limpo e organizado, o visitante se depara com salas bem instaladas, onde se tem uma introdução do que significa a arte do frevo.

Nos pisos superiores, estão ambientes com seus monitores atenciosos, onde se pode ouvir o frevo, assistir vídeos, obter aulas de frevo e da cultura pernambucana. Há também ambientes apropriados para o aprendizado de música e da dança, dos passos do frevo.

O mais surpreendente e belo está no último piso. Ali, além de duas bem estruturadas salas para vídeo, com climatização e iluminação adequadas pra ninguém botar defeito, está uma exposição de estandartes de antigas e novas agremiações carnavalescas, muitas tão tradicionais que se confundem com o próprio carnaval pernambucano.

Os visitantes podem caminhar sobre pisos de vidro, onde a apenas algumas dezenas de centímetros estão os maiores tesouros, descansam solenemente os estandartes preciosos, relíquias de tantos carnavais e de tantas histórias e glórias.

Imaginávamos que o Paço do Frevo seria um lugar muito bom, mas podemos constatar que é mais do que isso, é maravilhoso. Um passeio e um mergulho na nossa cultura que sai por apenas R$ 6,00 (inteira) ou R$ 3,00 (meia entrada). Valor irrisório, se levarmos em conta o patrimônio que temos a obrigação de preservar, se deliciando com seus sons e suas imagens.

 

Carlos Sinésio de Araújo Cavalcanti de camisa em foto boa

 

 

* AUTOR: Carlos Sinésio – Especial para o OABELHUDO Carlos Sinésio de Araújo Cavalcanti é pesqueirense, jornalista, cronista e poeta.

Garanhuns: “Viva Dominguinhos” Três de dias de Shows só de Forró *

 

Nando Cordel e Petrúcio Amorim,

Maciel Melo, Jorge de altino e

outros artista, se apresentam no

“Viva Dominguinhos”

 

 

Jorge de Altinho, Santana e Liv Moraes também farão shows no festival. Evento ocorre entre os dias 25 e 27 (sexta, sábado e domingo) e deve atrair público de 60 mil pessoas.

 

GARANHUNS RELÓGIO DE FLORES

dominguinhos  divulgacaoSantana o cantadorjorge de altinho ao violaopetrucio e maciel post

 

 

Programação
Festival Viva Dominguinhos
Acesso: gratuito

>>> Polo Praça Cultural Mestre Dominguinhos

Endereço: Bairro São José

– Sexta-feira (25), 21h

Atrações: Mourinha do Forró, Liv Moraes, Maciel Melo e Santana

– Sábado (26), 21h –

Atrações: Nando Cordel, Petrúcio Amorim, Lucy Alves e Os Valvulados

– Domingo (27), 20h –

Atrações: Jorge de Altinho, Waldonys e Zezinho de Garanhuns

>>> Polo “Canta, Dominguinhos”

Local: Espaço Colunata
Endereço: Avenida Santo Antônio, no Centro
Horário: 10h às 18h

Atrações: Bill do Forró, Coroas do Forró, Grupo de Xaxado Cabras de Lampião, Juliano do Acordeon, Michelly dos Anjos, Nando Azevedo e Gena de Altinho.

 

 

A primeira edição do Festival Viva Dominguinhos começará nesta sexta-feira (25) em Garanhuns, no Agreste de Pernambuco. O evento irá reunir músicos em tributo ao cantor e compositor Dominguinhos, que morreu em 2013. Dois polos serão palcos das apresentações.

A estrutura do festival contará com praça de alimentação, área de artesanato e banheiros químicos. Um esquema de segurança também será montado. Oito agentes da Autarquia Municipal de Trânsito e Transporte (AMTT) de Garanhuns estarão fiscalizando o trânsito. A partir das 18h da sexta-feira (25), será interditada a Rua Afonso Pena, que fica localizada no Bairro São José, próxima ao Centro Cultural Alfredo Leite Cavalcanti. A interdição segue até o semáforo da Rua Nilo Peçanha e inclui a parte baixa da Praça Dom Moura. As vias serão liberadas após os shows e voltam a ser fechadas às 18h de cada dia do evento, de acordo com a assessoria de imprensa da prefeitura.

Ainda de acordo com o departamento, a comemoração será realizada anualmente na Praça Mestre Dominguinhos (antiga Guadalajara). A iniciativa será promovida no mês de abril porque é quando a temperatura na ‘Cidade das Flores’ começa a ficar bem mais amena. O evento compõe a grade de festivais do município. É esperado um público de 60 mil pessoas e a economia do comércio deve aumentar em 10%, segundo a assessoria.

 

Recife/Vida: O Renascimento da Rua da Glória * – Colaboração de Jacques Ribemboim

 

Recife »

O renascimento da Rua da Glória

 

Imóveis do endereço estão sendo reformados e transformados em locais de confluência cultural e convivência

 

A rua que convida traz vida. Essa é a filosofia de um movimento, ainda tímido, que começou a despontar na Rua da Glória no final do ano passado

A rua que convida traz vida. Essa é a filosofia de um movimento, ainda tímido, que começou a despontar na Rua da Glória no final do ano passado

 

A rua que convida traz vida. Essa é a filosofia de um movimento, ainda tímido, que começou a despontar na Rua da Glória no final do ano passado. Formado por intelectuais e artistas, o grupo tem a proposta de resgatar a história da via – e de outras adjacentes a ela, como a Rua Velha e a Rua da Alegria – através da ocupação residencial e artística da área. Inicialmente, essas pessoas buscam devolver a dignidade da Rua da Glória a partir da recuperação dos seus espaços privados. As casas abandonadas, muitas delas de posse da Santa Casa da Misericórdia, começaram a ser alugadas e reformadas para serem transformadas em locais de convivência e confluência cultural, numa tentativa solidária e ainda solitária de resistir ao abandono e à depredação do patrimônio.

Quando o ator e designer de móveis antigos, Jorge Clésio, chegou à casa de número 300, em setembro do ano passado, o imóvel parecia um cenário de guerra. “Houve uma invasão e o morador que se instalou conseguiu destruir tudo.

O telhado estava quebrado, não existia quintal e tinha muito lixo e sujeira por toda parte”, lembra. De uma energia azul, segundo sua própria definição, a casa hoje tem vida. “Desde que vim morar aqui fiz várias reformas. Levantei uma parede, reestruturei o telhado, pintei. Agora estou recuperando os azulejos da fachada, boa parte deteriorados, e refazendo o mezzanino, que já nem existe mais. Quero devolver a essa casa a dignidade que ela teve outrora”, pontua Clésio.

Ele não chegou à Rua da Glória por acaso. Veio através de vivências na residência de número 310, de um casal de amigos: o artista plástico Rinaldo Silva e a jornalista Germana Accioly. Foram eles, aliás, os precursores desse “movimento” e os responsáveis por “apresentar” a Glória a outros artistas. No dia em que a reportagem apurava a matéria, um grafiteiro alemão trabalhava no ateliê de Rinaldo e um grupo capturava imagens para ilustrar um CD.

 

“Compramos essa casa para ser um ateliê há 14 anos..." - A jornalista Germana Accioly é a uma das precussoras do movimento que pretende mudar o cenário da rua. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

“Compramos essa casa para ser um ateliê há 14 anos…” – A jornalista Germana Accioly é a uma das precussoras do movimento que pretende mudar o cenário da rua. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

 

 

 

“Compramos essa casa para ser um ateliê há 14 anos. Após avaliarmos se valeria a pena morar aqui, decidimos habitar um imóvel que era nosso, apesar de todos os problemas existentes na rua, e também para encontrar o nosso modo de viver. No começo, percebíamos que os outros moradores estranhavam. Mas hoje, quando toco piano, vizinhos param na janela para ouvir”, conta Germana. Outras cinco casas foram ocupadas por artistas e algumas transformadas em ateliê. “Numa militância cidadã, queremos humanizar essa rua aos poucos, restaurá-la, convidar as pessoas a visitá-la e a conhecer sua história. A Glória tem muita coisa a nos dizer”, ressalta Germana.

Foi inspirado no saudosismo e na arquitetura das muitas casas abandonadas e invadidas, que o artista plástico Giuliano Calife montou seu ateliê na Rua da Glória. A sua relação com o lugar, aliás, vai bem mais além de uma simples admiração: lá também abriga a história de sua família. “A casa onde hoje funciona o ateliê foi um dia a casa do meu avô e tem um apelo emocional”, confessa. Calife, no entanto, ainda não se apoderou do local enquanto moradia, apesar de desejar isso. “Ao lado da minha casa tem uma caindo. A minha também estava quando cheguei lá. Tinha sido invadida e estava com o telhado no chão. Quando meu avô morava aqui, essa rua era linda. Hoje só tem lixo e esgoto estourado. E nós queremos mudar essa realidade.”

* Fonte: Rosália Vasconcelos/Diário de PE