Tag Archives: Desenvolvimento

DESENVOLVIMENTO : AUDIÊNCIA PÚBLICA DEFINE RUMOS DA ADUTORA DO AGRESTE. Pesqueira, Sanharó e Belo Jardim serão os primeiros beneficiados.

ADUTORA DO AGRESTE TERÁ

EDITAL LANÇADO ATÉ O

DIA 15 DE MARÇO

 

 

O edital para licitação da primeira etapa da Adutora do Agreste será publicado até o dia 15 de março. Essa foi a previsão anunciada hoje (23) pelo presidente da Compesa, Roberto Tavares, durante a audiência pública para apresentação do empreendimento realizada, esta manhã, na sede da empresa, na Avenida Cruz Cabugá. O evento é uma exigência da Lei 8666, que rege as licitações, cujo artigo 39 prevê que obras com investimento superior a R$ 150 milhões sejam precedidas de escuta da sociedade.

“Este foi o primeiro passo para tornar a Adutora do Agreste uma realidade”, afirmou o presidente Roberto Tavares, ao informar que a ata da audiência será o documento que dará início ao processo formal de contração do projeto, que vai construir 1.300 quilômetros de adutoras e produzir 4 mil litros de água por segundo para 68 municípios e 80 localidades do Agreste. A adutora beneficiará 2 milhões de pessoas na região do Agreste, que possui o pior balanço hídrico do Nordeste e do País.

Com investimentos previstos de R$ 2 bilhões, a Adutora do Agreste será o maior empreendimento hídrico da história da Compesa e um dos maiores sistemas integrados do mundo. A água a ser transportada pela Adutora do Agreste será proveniente do Ramal do Agreste, que é uma derivação do Eixo Leste do Projeto de Transposição do Rio São Francisco. “Pelo volume de investimentos e alcance social do projeto, a adutora será uma das mais importantes obras hídricas do País”, prevê Roberto Tavares.

Ainda durante a apresentação do projeto, que reuniu mais de 100 pessoas, entre prefeitos, políticos, empresários e representantes da sociedade, o presidente da Compesa lembrou que a Adutora do Agreste será um marco para a companhia e demonstra o compromisso assumido pelo governador Eduardo Campos de resolver a questão da falta de água em Pernambuco. “Um projeto dessa magnitude é um indicativo da força do governo para soerguer a Compesa, de devolver a companhia aos pernambucanos, para que ela seja forte e se transforme numa das maiores empresas do País”, frisou.

O edital que será publicado em março se refere à primeira etapa do projeto, que foi dividido em três lotes, e vai contemplar 12 municípios. O volume de investimentos dessa etapa é de R$ 821 milhões. A previsão é iniciar as obras no segundo semestre de 2012, com prazo de conclusão de dois anos a partir da assinatura da ordem de serviço.

O primeiro lote será o maior em termos de recursos. Vai custar R$ 537 milhões e vai beneficiar as cidades de Pesqueira, Sanharó e Belo Jardim. Nessa fase, serão construídos dois reservatórios, uma estação elevatória (sistema de bombeamento), 63 Km de adutoras e uma estação de tratamento de água.

O segundo lote contemplará os municípios de Arcoverde, Alagoinha, Venturosa, Pedra e Buíque, onde serão aplicados R$ 143 milhões e prevê a construção de 118 Km de adutora de água tratada e uma estação elevatória, além das derivações para os municípios supramencionados. O terceiro e último lote contemplará as cidades de Tupanatinga, Itaíba, Águas Belas e Iati, com investimento de R$ 141 milhões e a construção de 99, 1 Km de adutoras de água tratada e as derivações para as cidades de Tupanatinga, Itaíba, Águas Belas e Iati. Ainda nesta fase, serão licitados mais dois lotes: uma para automação do sistema e outro para implantação de todo o sistema elétrico.

A expectativa do secretário de Recursos Hídricos e Energéticos de Pernambuco, Almir Cirilo, é de que a Adutora do Agreste fique pronta no final de 2014, mesmo prazo estimado para conclusão do Ramal do Agreste, da transposição do Rio São Francisco. A grandiosidade e a importância da obra também foram referenciadas pelo secretário, que considerou o empreendimento uma marca do governo estadual na área de recursos hídricos.

No evento, Almir Cirilo fez uma retrospectiva da história da Adutora do Agreste. Lembrou que, em 2007, o então governador Miguel Arraes foi contra o projeto original porque não contemplava Pernambuco. “Ele entendia que o povo pernambucano também merecia receber água do Rio São Francisco e fez disso uma bandeira para mudar a concepção do projeto”, lembrou.

Ainda na audiência pública de hoje, a Compesa também apresentou as características da segunda etapa do projeto, que vai atender mais 12 municípios e cujo edital deverá ser lançado em maio deste ano. Nesta fase, serão beneficiadas as cidades de Tacaimbó, São Caetano, Caruaru, Bezerros, Gravatá, Brejo da Madre de Deus, São Bento do Una, Lajedo, Cachoeirinha, Toritama e Santa Cruz do Capibaribe, através da construção de 250 Km de adutora de água tratada. O custo estimado da segunda etapa é de R$ 524 milhões.

Além dessas duas etapas, a Adutora do Agreste terá, ainda, mais duas. Nestas duas, serão atendidas as cidades de Poção, Jupi, Jucati, Calçados, Garanhuns, Caetés, Capoeiras, Paranatama, Saloá, Canhotinho, Angelin, Palmerina, Brejão, Terezinha, Bom Conselho, Lagoa do Ouro, Correntes, Ibirajuba, Jurema, Panelas, Altinho, Agrestina, Barra de Guabiraba, Bonito, Camocim de São Felix, Cupira, Lagoa dos Gatos, Sairé, São Joaquim do Monte, Riacho das Almas, Cumaru, Salgadinho, Passira, Taquaritinga do Norte, Vertentes, Frei Miguelinho, Santa Maria do Cambucá, Surubim, Vertentes do Lério, Casinhas, Orobó, Bom Jardim, João Alfredo e Machados.

A Adutora do Agreste é uma parceria do governo de Pernambuco com o governo federal, por meio do Ministério de Integração Nacional.

PREFEITOS – Prefeitos de várias cidades do Agreste pernambucano compareceram à audiência. Para o prefeito de São Caetano, Jadiel Braga, os projetos que contemplaram o município, como a Adutora da Taquara e agora a Adutora do Agreste, são muito importantes para o desenvolvimento da região. “O projeto também se destaca por contemplar distritos que antes eram abastecidos apenas por carros-pipa”, destacou.

A prefeita de Bezerros, Bete Lima, afirmou que a Adutora do Agreste acabará com o sofrimento da falta de água no município. “Parabenizamos o governador Eduardo Campos pela audácia em realizar uma obra tão extensa e importante como a Adutora do Agreste”, disse. Já o prefeito de Águas Belas, Genivaldo Menezes, se mostrou muito satisfeito com a execução do projeto. “Acredito que outros prefeitos da região também estejam, pois essa obra gigante vai resolver o problema de racionamento que afeta o Agreste”.

 

Fonte : Portal da Compesa

GESTÃO AMBIENTAL : GOVERNO DE PERNAMBUCO FIRMA CONVÊNIO PARA REVITALIZAR O RIO IPOJUCA.

Eduardo firma parceria com BID para

saneamento da bacia do Rio Ipojuca

 

(O Ipojuca quando chega a Caruaru recebe, ainda mais, uma grande carga de resíduos poluentes) Foto Google. 

 

A visita do governador Eduardo Campos ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) rendeu mais que a apresentação de palestras para a diretoria-executiva e gerentes de gestão do Banco.

 

Em reunião com o presidente do BID, Luis Alberto Moreno, o governador conseguiu acertar a liberação de US$ 200 milhões (cerca de R$ 355 milhões) para as obras de saneamento da bacia do Rio Ipojuca. O Estado vai entrar com uma contrapartida de US$ 130 milhões. A ação vai melhorar a qualidade da água do manancial do rio, um dos mais poluídos do estado.

Cerca de 80% dos recursos serão utilizados nas ações de saneamento para evitar que o esgoto das cidades vá para o rio. Os 20% restantes serão empregados em ações socioambientais, educadoras e de apoio na elaboração dos 13 planos municipais de saneamento das cidades contempladas pelo projeto.

“Vamos beneficiar cerca de 2,3 milhões de pernambucanos que vivem em 13 cidades que margeiam o Rio Ipojuca. É uma grande intervenção, que visa evitar a degradação do nosso meio ambiente com obras definitivas e ações socioeducativas”, afirmou Eduardo.

O projeto também prevê o fortalecimento institucional da Compesa através da implantação de um sistema de gestão ambiental da empresa. Com a medida espera-se reduzir e controlar os impactos de seus processos e serviços no meio ambiente.

O contrato será assinado dentro de 60 dias. A ação vai beneficiar os municípios de: Belo Jardim, Bezerros, Caruaru, Chã Grande, Escada, Gravatá, Ipojuca, Poção, Primavera, Sanharó, São Caetano, São Lourenço da Mata e Tacaimbó.

CASE DE SUCESSO – Em seu primeiro dia de agenda administrativa em Washington, o governador atendeu o convite do BID para mostrar o modelo de gestão implantado em Pernambuco e as mudanças em curso na economia do estado.

“Convidamos o senhor aqui por entender que o Governo de Pernambuco é um exemplo de sucesso, pois alcança a verdadeira concepção de um governo democrático ao utilizar modernas ferramentas de gestão”, disse Moreno.

Foram duas palestras: uma para o presidente e para a diretoria-executiva e outra para os gerentes de gestão do Banco. Em quase duas horas, Eduardo discorreu sobre o Todos por PE, o Mapa da Estratégia e os resultados obtidos nos investimentos feitos em saúde, educação, segurança pública e outras áreas.

PortalPE

BRASIL MELHORA O IDH. ESTÁ NA 84° POSIÇÃO.

 

Brasil avança no ranking do IDH, mas

alta desigualdade persiste.

 

 

Desigualdade. Exclusão. Fome. O lado triste do Brasil.

 

Embora o Brasil tenha aumentado ligeiramente seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) neste ano e subido uma posição no ranking global do indicador, o país mostrou resultados piores quando considerada a desigualdade social e a de gênero, segundo o Relatório de Desenvolvimento de 2011 do Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento).

Em 2011, o IDH brasileiro chegou a 0,718 ponto, valor 0,003 ponto superior ao de 2010. O desempenho fez o país ultrapassar a nação caribenha de São Vicente e Granadinas e alcançar a 84ª posição entre 187 países.

Com isso, o Brasil permaneceu no grupo de países com IDH elevado, uma categoria abaixo das nações com IDH muito elevado e acima das nações com IDH médio ou baixo.

O IDH, que varia entre zero e um (quanto mais próximo de um, maior o nível de desenvolvimento humano), leva em conta as realizações médias de um país em três dimensões: a possibilidade de usufruir uma vida longa e saudável, o acesso ao conhecimento e um padrão de vida digno.

Como em 2010, o ranking deste ano é liderado por Noruega (0,943), Austrália (0,929) e Países Baixos (0,910).

Na América do Sul, o Brasil obteve um índice superior aos da Colômbia (0,710), Suriname (0,680), Paraguai (0,665), Bolívia (0,663) e Guiana (0,633). Já Chile (0,805), Argentina (0,797) – ambos na categoria de IDH muito elevado –, Uruguai (0,783), Venezuela (0,735), Peru (0,725) e Equador (0,720) ficaram à frente do Brasil.

Desigualdade social

Ainda que tenha evoluído neste ano, o IDH brasileiro despenca para 0,519 (desvalorização de 27,7%) quando são considerados indicadores que medem a desigualdade social.

O IDHAD (Índice de Desenvolvimento Humano Ajustado à Desigualdade) combina o IDH com dados que levam em conta a equidade no acesso à saúde, educação e renda. Em situação de igualdade perfeita, o IDH e o IDHAD são iguais; quanto maior a diferença entre os dois, maior a desigualdade.

Por esse cálculo, publicado pela primeira vez neste ano, o Brasil obtém a 73ª posição entre 134 países.

O IDHAD brasileiro é inferior ao de muitas nações que estão atrás do país no ranking do IDH, como Gabão (com IDHAD de 0,543), Sri Lanka (0,691) e Uzbequistão (0,549).

No Brasil, a desigualdade de renda também é a principal responsável pela perda de pontos no IDHAD, seguida pela desigualdade na educação e na expectativa de vida.

O Brasil também tem seu desempenho prejudicado quando a desigualdade entre homens e mulheres é levada em conta. Nesse quesito, o país fica na 80ª posição entre 146 nações. O ranking é liderado por Suécia, Países Baixos e Dinamarca e tem, nas últimas posições, Iêmen, Chade e Níger.

Destaques

Embora revele a disparidade social e de gênero no país, o relatório elogia práticas adotadas pelo Brasil nos últimos anos, como a expansão no acesso à água e a criação do Bolsa Família, programa de transferência de renda que beneficia famílias mais pobres.

O documento afirma que o programa custa apenas 0,4% do PIB (Produto Interno Bruto) do país e pode estar por trás da diminuição do fosso de renda entre os trabalhadores de alta e baixa especialização nos últimos anos.

O Pnud também atribui a diminuição na desigualdade de renda à expansão da cobertura do ensino básico nas últimas décadas, mas alerta que dificuldades no acesso ao ensino universitário enfrentadas pelos mais pobres podem impor obstáculos a essa tendência.

O relatório cita ainda melhorias promovidas por Curitiba nos setores de planejamento urbano e transportes para enfrentar o crescimento demográfico rápido. “A cidade tem agora a mais elevada taxa de utilização de transportes públicos do Brasil (45% de todas as viagens) e uma das mais baixas taxas de poluição do ar do país.”

Também merecem elogios o desenvolvimento, pelo governo federal, de sistemas de esgotos residenciais mais baratos, e a implantação, desde os anos 1960, de um sistema nacional de distribuição de gás de cozinha – ambos os fatores, diz o relatório, contribuíram com o avanço do IDH brasileiro nos últimos anos.

 

João Fellet

Da BBC Brasil em Brasília

ECONOMIA/NEGÓCIOS : SÃO CAITANO (PE) VAI GANHAR UMA FÁBRICA DE MOTOS.

 

Agreste vai abrigar fábrica de motos

 

deputado Jorge Côrte Real e o governador Eduardo Campos, entre outros...(foto A.Moreira/SEI)

 

 

Diretores da Sazaki Motors do Brasil estiveram com o governador Eduardo Campos na tarde desta quinta-feira (13/10) para anunciar a instalação de uma montadora na cidade de São Caitano, no Agreste do Estado. A companhia chinesa vai investir cerca de R$ 40 milhões na unidade e gerar 400 empregos diretos.

De olho no aumento do mercado consumidor brasileiro, sobretudo do nordestino, a empresa investe para aumentar a sua linha de produção que hoje funciona na Paraíba e monta cerca de mil motos por mês. “Queremos chegar a 180 mil motos por ano”, explicou o diretor-presidente da Sazaki do Brasil, Rodrigo Dantas.

O executivo explicou que o planejamento da empresa prevê a nacionalização da sua produção que hoje é feita com 30% de itens nacionais. “Vamos iniciar nossas atividades em Pernambuco com um CKD, mas, dentro de um ano, queremos chegar ao índice de 65% de componentes fabricados no Brasil”, disse.

“A Sazaki anuncia a sua chegada a Pernambuco em um momento especial, de consolidação do seu polo automotivo, um sonho antigo do nosso estado”, afirmou Eduardo, durante a reunião no Palácio do Campo das Princesas. O governador lembrou que além da Fiat e da Shineray, que já estão em Pernambuco, a Volkswagen pode ser a próxima empresa do ramo a se instalar no estado.

A Sazaki escolheu Pernambuco por questões de logística e de tributárias. Todas as peças utilizadas nas motos hoje vêm da China e a importação é feita pelo Porto de Suape. A duplicação da BR-104 e a proximidade com a Ferrovia Transnordestina também foram decisivos, segundo relataram os diretores da empresa.

Em São Caitano serão produzidos sete modelos de motocicletas, voltados para as classes “C” e “D”. A motorização vai de 50 a 250 cilindradas e os preços variam entre R$ 3,5 mil e R$ 8 mil reais. A fábrica deve ocupar uma área de cinco hectares e 10 mil metros quadrados de área construída.

PortalPE

FÁBRICA DE CAMINHÕES : PERNAMBUCO DISPUTA COM ESTADO DE GOIÁS.

Foton Motors, a maior fabricante de

caminhões do mundo, avalia fábrica

até 2014 em Goiás ou em Pernambuco.

 

 

 

Caminhões da Foton Motors. PERNAMBUCO poderá ganhar mais esse investimento.

 

 

 

Montadora chinesa investe US$ 500 milhões

 

A Foton Motors, maior fabricante de caminhões do mundo, definiu investimento de US$ 500 milhões na construção de uma fábrica no Brasil. Será a primeira do grupo fora da China, onde há 11 unidades voltadas para a construção desses veículos.

Executivos da empresa estiveram no início da semana em Goiás, onde observaram possíveis locais para receber a unidade fabril.

Os chineses avaliam também, neste momento, se instalar em Pernambuco.

A previsão é que a fábrica comece a operar em 2014. Além de caminhões, a Foton produz ainda picapes, ônibus e vans.

A Foton quer seguir o rastro das montadoras chinesas no Brasil, que chegaram em 2007 e cujas vendas não param de crescer.

O investimento inicial, no entanto, será em outro segmento. A Foton vai focar na venda de caminhões semileves -de 3, 6 e 9 toneladas.

De acordo com Marcio Vita, diretor financeiro da empresa, o mercado desses veículos ainda é incipiente, com produtos de baixa qualidade. Ele afirma que esses veículos serão voltados para deslocamentos mais curtos, e com cargas mais leves.

“Nossos caminhões terão, por exemplo, ar-condicionado e vidros com trava elétrica“, afirma.

A companhia deve iniciar, a partir de outubro, a venda de 200 unidades. Os modelos da Foton estão em fase final de homologação. A promessa da empresa é oferecer produtos com boa qualidade, e de 10% a 15% mais baratos do que a média do mercado.

Para o ano que vem, a previsão é que sejam vendidos 2.000 caminhões semileves. Modelos mais pesados chegarão ao país a partir de 2012.
Em cinco anos, a Foton planeja vender 15 mil veículos por ano. “É uma previsão pessimista. O mercado de semileves é relativamente novo, e vamos oferecer coisas que as outras marcas não possuem”, afirma Vita. Ele lembra que, somente no ano passado, a Mercedes vendeu 18 mil unidades.

A filial brasileira da Foton é comandada pelo ex-ministro das Comunicações Luiz Carlos Mendonça de Barros, colunista da Folha.

Inicialmente, está prevista a abertura de três concessionárias em São Paulo, que estarão funcionando a partir do final deste ano. Ao fim de 2012, o planejamento prevê dez lojas. Em cinco anos, serão 80 pontos de revenda.

O secretário de Indústria e Comércio de Goiás, Alexandre Baldy, embarca neste mês para a China. Segundo ele, além da Foton, o Estado negocia a instalação de outras três montadoras chinesas. Uma delas é a JAC Motors, que prevê investimentos de US$ 600 milhões na sua primeira fábrica no país.

“Conversamos com muitas empresas, mas as chinesas são maioria. Estamos oferecendo incentivos e linhas de financiamento“, afirma.

Vita destaca que o Brasil é um mercado “extremamente estratégico” para os chineses. A Foton exporta somente 5% do que produz.

“A empresa precisa ir para outros mercados, e com vendas de valor agregado. Há poucas opções”, afirma.

 

Na Folha de São Paulo

ATIVIDADE LEITEIRA : Fábrica da CEMIL se instala em Caruaru com incentivo fiscal.

PE atrai indústria e fortalece

bacia leiteira do Agreste

 

 

CARUARU GANHA UMA GRANDE INDÚSTRIA DE LEITE

Fortalecer os velhos arranjos produtivos locais através do desenvolvimento da pecuária leiteira. Com este objetivo, o governador Eduardo Campos assinou nesta terça-feira (06/09), a ordem de serviço para as obras de implantação da Cooperativa Central Mineira de Laticínios (Cemil), em Caruaru. A unidade será construída ao lado do Centro de Abastecimento de Caruaru (Ceaca), num terreno 18,9 hectares doado pela prefeitura do município.

A Cemil está investindo R$ 50 milhões na implantação da unidade industrial que vai gerar 142 empregos diretos e ainda trabalhar em regime de cooperativa com os pequenos produtores locais, através da Cooperativa do Agronegócio do Leite (Cooleite). Como contrapartida, o Governo do Estado investiu R$ 1,48 milhão na terraplenagem do terreno – que deve ser concluída em 90 dias – e concedeu 90% de crédito presumido de ICMS através do Programa de Desenvolvimento de Pernambuco (Prodepe).

“Não podemos tirar os olhos e descuidar do que já existe, dos nossos velhos arranjos produtivos, que geram emprego e ocupação”, defendeu o governador Eduardo Campos, durante a assinatura da Ordem de Serviço realizada no centro administrativo da Prefeitura de Caruaru.

A expectativa da empresa, que produzirá leite longa vida, é fornecer 200 mil litros de leite/dia no início da operação e alcançar um faturamento de R$ 120 milhões/ano. Em cinco anos, a Cemil espera triplicar essa produção e o faturamento. A unidade industrial pernambucana atenderá o mercado nordestino, que representa cerca de 15% do faturamento anual da Cemil.

CEMIL

 

A Cooperativa mineira tem quase 20 anos no mercado de laticínios e tem fábrica na cidade de Pato, em Minas Gerais. Atualmente, a Cooperativa atua em Minas, Rio de Janeiro, Espírito Santo e interior paulista. A Cemil produz basicamente leite longa vida, creme de leite, achocolatados e sucos à base de soja.

 

PortalPE

PERNAMBUCO: PRESIDENTE DILMA E O GOVERNADOR EDUARDO ASSINAM O TERMO DE COMPROMISSO DA ADUTORA DO AGRESTE.

 TEM INÍCIO A ADUTORA DO

AGRESTE

 

 

A Adutora do Agreste beneficiará cerca de 78 localidades entre cidades, distritos, vilas e povoados. Inicialmente somente 24 municípios.

 

 

Um dos compromissos da presidente Dilma Rousseff (PT) nesta terça-feira (30) em Pernambuco é a assinatura de um termo de compromisso no valor de R$ 1,385 bilhão para a primeira parte das obras da adutora do Agreste, empreendimento que garantirá água para a população de 68 municípios. O valor total da adutora está estimado em R$ 2 bilhões e, segundo o presidente da Compesa, Roberto Tavares, será o maior empreendimento do Brasil nos próximos quatro anos, numa extensão de 1.300 quilômetros.

O termo de compromisso garantirá verba federal para contemplar os primeiros 24 municípios, beneficiando 940 mil habitantes. Essa primeira etapa está dividida em duas partes. Até o dia 10 de outubro será publicado o edital para o trecho que atenderá Arcoverde, Pesqueira, Alagoinha, Venturosa, Pedra, Buíque, Tupanatinga, Itaíba, Águas Belas, Iati, Sanharó e Belo Jardim, num investimento de R$ 862 milhões. As obras devem começar até o início de 2012, beneficiando 280 mil pessoas.

Num segundo momento serão feitas as obras nos municípios de Tacaimbó, São Caetano, Caruaru, Bezerros, Gravatá, Brejo da Madre de Deus, São Bento do Una, Lajedo, Cachoeirinha, Toritama, Santa Cruz do Capibaribe e Poção. A licitação deve acontecer até o início do próximo ano, beneficiando 660 mil habitantes.

O termo assinado vai garantir execução de 320 quilômetros dos 1.300 totais. Com a parceria também será possível fazer uma estação de tratamento de 4 mil litros por segundo, no município de Pesqueira. “A água será tratada já na partida”, salientou o presidente Roberto Tavares.

A obra está sendo detalhada na Compesa desde o ano passado, mas a ideia é antiga. Começou a ser pensada em 1997. A adutora está integrada ao Eixo Leste da Transposição do Rio São Francisco. A água deve começar a passar pelo empreendimento no início de 2014. “Não precisamos que a Transposição esteja integralmente pronta para começarmos a funcionar“, ressaltou o secretário-executivo de Recursos Hídricos, Almyr Cirilo

JConline

CUBA DESCOBRE QUE PRECISA INCREMENTAR SUA ECONOMIA.

Líder cubano vai rever economia e

implementar reformas.

 

La Bodeguita del Medio. Ponto turístico na capital cubana. Bar frequentado por Ernest Hemingway

 

HAVANA – O presidente cubano, Raul Castro, começa seu sexto ano no poder nesta segunda-feira com uma reunião com o Parlamento para discutir a implementação de reformas que vão permitir que pequenos empresários operem em países comunistas.

Mas de 600 deputados devem comparecer à segunda sessão anual com o presidente de 80 anos que assumiu o lugar de seu irmão Fidel Castro, cinco anos atrás.

Membros do Parlamento têm se encontrado desde a última quinta-feira para rever as condições do País. Resultados econômicos pobres, planejamento ruim e burocracia desordenada são os principais assuntos em discussão, segundo informou a imprensa cubana.

Embora não tenha havido um anuncio oficial, espera-se que Castro trate dos progressos feitos por seus planos para eliminar milhões de empregos no setor público e criar novos empregos ao permitir que pequenos empresários operem legalmente.

Nos últimos meses, o número de trabalhadores no setor privado passou de 148 mil para 326 mil, enquanto outras 146 mil pessoas receberam permissão para plantar em terras do Estado com o objetivo de eliminar a falta de abastecimento de alimentos. Entretanto, Cuba ainda continua a importar 80% dos alimentos consumidos pela população este ano, a um custo de US$ 1,5 bilhão.

Os pequenos empresários, entretanto, reclamam que é difícil obter oferta porque em Cuba não existem mercados atacadistas. Em resposta, o governo alocou US$ 500 milhões para a importação de equipamentos e outros materiais para atender a demanda dos empresários privados.

O governo também suspendeu a proibição de venda ao consumidor de produtos em vigor desde 2003, para satisfazer a demanda dos empresários por itens como forno, aparelhos de ar condicionado, tostadeiras, cafeteiras e outros equipamentos.

O presidente do Banco Central cubano, Ernesto Medina, prometeu no Parlamento melhorar o acesso dos pequenos empresários e fazendeiros ao crédito e financiar a reformas de residências e a construções de residências.

 

AE – Agencia Estado/As informações são da Dow Jones

SINAL DE BONS TEMPOS : GRÃ-BRETANHA TENTA ATRAIR UNIVERSATÁRIOS BRASILEIROS

Grã-Bretanha tenta atrair 10 mil

brasileiros para universidades.

 

LONDRES - Uma das cidades mais bonitas da europa.

 

 

Autoridades do meio universitário britânico estão sendo acusadas de tentar sanar um rombo no financiamento de instituições britânicas atraindo 10 mil alunos brasileiros para universidades particulares locais, segundo reportagem publicada neste domingo pelo jornal The Observer.

Segundo o Observer, a tentativa de acordo entre Grã-Bretanha e Brasil foi iniciada no mês passado, quando o ministro das Universidades britânico, David Willetts, esteve no Brasil. O jornal diz que o plano é de que o governo brasileiro destinasse um total de 18.700 libras para cada estudante (cerca de R$ 47 mil).

Ensino superior britânico

 

De acordo com o jornal, o projeto recebeu críticas por parte da secretária-geral do Sindicato de Universidades e Faculdades, Sally Hunt.

Em entrevista ao Observer, Sally Hunt afirmou que a Grã-Bretanha ”se beneficia enormemente com a vinda de estudantes e funcionários de todo o mundo. Mas o governo não deveria usar estudantes estrangeiros como ‘vacas leiteiras’ e como forma de pagar pelo seu fracassado plano de financiamento universitário”.

O jornal lembra que o Brasil não possui nenhuma instituição de ensino no tradicional ranking publicado anualmente pelo jornal britânico The Times, o Times Higher Education Supplement, que lista as 200 mais importantes universidades mundiais.

O Universities UK, órgão que representa universidades britânicas, elogiou o plano, dizendo que ele promete “beneficiar estudantes dos dois países e suas economias” e que as bolsas destinadas a brasileiros seriam para períodos de estudos inferiores a um ano.

Um porta-voz do governo britânico informou ao Observer que as conversas com o Brasil ainda estão em estágio inicial.

A BBC Brasil tentou contato com o Ministério da Educação brasileiro e com a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) neste domingo, sem sucesso.

 

Cortes nas verbas do ensino superior desencadearam uma onda de protestos estudantis na Grã-Bretanha no final do ano passado.

“Ainda que os brasileiros não vão ocupar lugares que, de outra forma, estariam disponíveis para estudantes britânicos e europeus, a preocupação é de que o modelo de financiamento do governo para a educação superior fique cada vez mais dependente de atrair (estudantes) estrangeiros que, se tivessem nascido na Grã-Bretanha, talvez tivessem dificuldades em obter uma vaga na universidade”, afirma o Observer.

 

BbcBrasil

ECONOMIA: Grande Jornal destaca PERNAMBUCO e a sua Revolução Industrial.

Pernambuco vive sua revolução industrial

O helicóptero decola do heliponto do Centro Administrativo de Suape. A 200 metros do chão, é possível ter a dimensão da revolução econômica que a injeção de R$ 46 bilhões em investimentos públicos e privados previstos até 2014 está promovendo em Pernambuco, a nova locomotiva do Nordeste.

Não é o único canto do Estado que avança ligeiro e que tem mudado não só a vida dos 8,7 milhões de pernambucanos, mas sobretudo permitido a volta dos retirantes que um dia caíram no mundo atrás de uma vida melhor.

Investimento público cresce 2,5 vezes em 4 anos
Setor privado forma polos industriais
‘Pagamos até passagem aérea para candidato a vaga’
Veja o especial sobre a Revolução Pernambucana

No interior, duas obras gigantes (a transposição do rio São Francisco e a construção da Ferrovia Transnordestina) ajudam a desenhar uma nova paisagem na vida do morador do agreste e do sertão.

LITORAL

No litoral, onde pode-se observar a síntese da nova dinâmica econômica, o complexo industrial-portuário de Suape, erguido a 40 quilômetros ao sul do Recife, brota a velocidade impressionante.

“Cento e vinte empresas já estão instaladas, outras 30 estão em construção e mais 20 irão surgir até 2014”, enumera Frederico Amâncio, vice-presidente de Suape. Do alto é possível avistar obras em todos os cantos dos 13,5 mil hectares do complexo.

Justo ali, onde há 380 anos invasores holandeses que acharam de tomar uma fatia do Brasil colônia indicaram como ponto mais propício à criação de um porto.

E foi nessa região, após romperem pequena porção da parede dos arrecifes que protege o litoral do Atlântico, que os holandeses criaram uma passagem para que os barcos de açúcar alcançassem os navios em alto-mar.

A visão dos invasores ganhou forma quase quatro séculos depois. Investimentos de mais de US$ 3 bilhões nos últimos dez anos criaram a infraestrutura básica para o atual ciclo de expansão do porto de Suape, e converteram a região no principal polo de atração de negócios do Nordeste brasileiro.

A APOSTA PRIVADA

Agora, o PIB pernambucano demonstra vigor e o combustível é Suape. Em 2010, o PIB estadual foi de R$ 87 bilhões _expansão de 15,78% num só ano. Os velhos engenhos de cana e as usinas de açúcar e álcool pouco a pouco deixam de ser predominantes na matriz econômica de Pernambuco.

A aposta do poder público em Suape ao longo de 40 anos desde o plano original de 1960 começou a seduzir o capital privado. O complexo industrial-portuário, um modelo inédito no Brasil, está fazendo surgir um novo Estado industrial no país.

Não tínhamos indústria de petróleo e gás, nem indústria naval ou automobilística. Agora há uma nova perspectiva para o Estado”, diz Geraldo Júlio, presidente de Suape e secretário de Desenvolvimento Econômico.

ACIMA DO NORDESTE

A forte expansão econômica elevou a renda per capita do Estado a quase R$ 10 mil, acima da média do Nordeste, de R$ 7.488, mas ainda inferior à renda nacional, de R$ 15.990.

A criminalidade caiu 25% em quatro anos, mas ainda é de 40 homicídios por 100 mil habitantes, quatro vezes mais que no Estado de São Paulo, e superior à média nacional, de 24,5 por 100 mil.

Fonte: Folha.com