Tag Archives: Negócios

BRASIL: Parlamentares Lucram com Contratos Milionários do Minha Casa, Minha Vida *

Minha casa, meu negócio

 

Num claro conflito de interesses, parlamentares lucram com contratos milionários do maior programa habitacional do governo. Políticos são beneficiados na venda de terrenos e ao colocar suas próprias empreiteiras para tocar as obras

Os deputados Augusto Coutinho, Inocêncio Oliveira e os senadores Wilder Moraise Lobão Filho (da esq. para a dir.) têm sido favorecidos pelo programa Minha Casa, Minha Vida

Os deputados Augusto Coutinho, Inocêncio Oliveira e os senadores Wilder Morais
e Lobão Filho (da esq. para a dir.) têm sido favorecidos pelo programa Minha Casa, Minha Vida. (A CASA É NOSSA)

De vitrine do governo Dilma Rousseff à vidraça para os órgãos de controle, o programa Minha Casa, Minha Vida se tornou uma fonte de problemas e fraudes. Nas últimas semanas, o jornal “O Globo” denunciou que ex-servidores do Ministério das Cidades integrariam um esquema para ganhar contratos de habitação destinados às faixas mais pobres da população. Os antigos funcionários das Cidades não são, porém, os únicos que lucram com um dos principais programas sociais do governo. Levantamento feito por ISTOÉ indica que a política habitacional criada para ajudar os mais pobres enriquece também deputados e senadores. Os parlamentares se aproveitam de um filão imobiliário que já movimentou R$ 36 bilhões em recursos públicos para a construção de 1,05 milhão de casas e apartamentos para famílias de baixa renda. Os dados do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR) – reserva financeira composta por recursos do FGTS e gerenciada pela Caixa Econômica Federal – mostram que parlamentares de diferentes partidos têm obtido vantagens financeiras com o programa de duas maneiras: na venda de terrenos para o assentamento das unidades habitacionais e na obtenção de contratos milionários para obras que são realizadas por suas próprias empreiteiras. Entre eles, os senadores Wilder Morais (DEM-GO) e Edison Lobão Filho (PMDB-MA), filho do ministro de Minas e Energia e presidente da Comissão de Orçamento do Senado, e os deputados Inocêncio Oliveira (PR-PE), Augusto Coutinho (DEM-PE) e Edmar Arruda (PR-PR).

No Recife, o deputado federal Augusto Coutinho (DEM) também tenta tirar proveito do programa Minha Casa, Minha Vida, seguindo o exemplo de Inocêncio Oliveira. O governo negocia com o parlamentar a compra de uma área de 2.400 metros localizada no bairro de Campo Grande para construção das casas populares. As terras estariam registradas em nome de sua construtora, a Heco. Os valores precisos da negociação não foram divulgados. Coutinho já declarou que não aceita menos de R$ 300 mil para ceder o terreno para o Minha Casa, Minha vida. O caso, no entanto, deve parar na Justiça. A prefeitura, nas mãos do PSB, alega que a área é de propriedade da Marinha.

LEIA A ÍNTEGRA:

Minha casa, meu negócio

* Fonte: Revista IstoÉ / por Josie Jeronimo

Do blog do Magno:

“O parlamentar Inocêncio Oliveira esclareceu que no total foram vendidos 234 hectares de terreno, sendo 93 hectares do loteamento Poço da Cruz e 141 hectares do loteamento Estrelinha, para a construção de 1.594 casas. A soma é de 4.500 lotes com dimensão de 12 m 30 m. Recebeu R$ 1 milhão de reais pela venda dos terrenos à Construtora Duarte, sendo a transação feita através do engenheiro Rômulo Menezes e do empresário Gilson Freitas, de Pesqueira”.

 

ECONOMIA/NEGÓCIOS: Pesqueira Recebe Investimento de 17 mi do Abatedouro Alvorada – Colaboração de Hugo Torres (*)

 

Pesqueira ganha abatedouro de aves de R$ 17 milhões

Empreendimento está sendo construído às margens da BR-232 e deve ser inaugurado em abril.

Empreendimento está sendo construído às margens da BR-232 e deve ser inaugurado em abril.

O município de Pesqueira, no Agreste, ganha em abril um novo empreendimento industrial. Trata-se do Frigorífico Alvorada (Frigal), um abatedouro de aves que está sendo construído numa área de mais de 7 mil metros quadrados, às margens da BR 232, e deve atender tanto a Pernambuco quanto aos estados de Alagoas e da Paraíba. O investimento é de R$ 17 milhões, sendo R$ 6,3 milhões financiados pelo Banco do Nordeste. O restante será bancado com recursos próprios e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Cerca de 300 empregos diretos devem ser gerados com a inauguração do empreendimento, cuja capacidade instalada prevê 6,5 milhões de aves abatidas por ano. A expectativa da empresa é produzir 16,4 mil quilos anuais de produtos com a marca própria “Frango do Dia”, desde frango inteiro a cortes especiais, já embalados, além de embutidos (linguiça de frango) e subprodutos para alimentação animal, como farinhas (vísceras, ossos, pena e sangue) e óleos.

No momento, o Frigorífico Alvorada está cadastrando supermercados populares nos três estados que pretende atender, para, em seguida, procurar grandes redes de varejo. A empresa também já adquiriu um ponto no Ceasa para virar fornecedores de restaurantes, galeterias, hotéis e domésticos.

“Nossa pretensão é atender o público de todas as classes sociais, produzindo desde o filé de peito até a canjinha de galinha. E como a nossa capacidade de armazenagem frigorífica será de 1 mil toneladas, há a possibilidade de extensão futura da produção com mais um turno de oito horas por dia”, adianta um dos sócios, Tarciso Oliveira Silva.

Atualmente, o empreendimento funciona em área arrendada da Agropecuária Serrote Redondo, em Afogados da Ingazeira, e atende a Região Metropolitana do Recife, o litoral, as Matas Sul e Norte e o Agreste do estado.

(Com informações do Banco do Nordeste do Brasil)

(*) Fonte: DiárioPE

ECONOMIA MUNDIAL : APESAR DAS DIFICULDADES BRASIL CONSEGUE AVANÇAR A SUA ECONOMIA.*

Brasil foi única economia dos Bricsa a

vançar em ranking de competividade,

diz pesquisa

 

 

Montadoras de automóveis – Brasil voltou a subir cinco posições no ranking e ultrapassou África do Sul entre os Brics.(Reuters)

 

O Brasil foi a única economia do chamado bloco dos Brics (formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) que cresceu no Relatório de Competitividade Global 2012-2013, elaborado pelo Fórum Econômico Mundial.

O país teve um aumento de cinco posições em relação ao ano anterior, passando para a 48ª colocação e ultrapassou a África do Sul, assumindo a segunda posição entre os Brics. Em 2011, o Brasil também já havia subido no ranking na mesma proporção em relação a 2010, passando da 58ª para a 53ª colocação.

Apesar de ter caído três posições na classificação geral, a China, que ocupa a 29ª colocação, ainda lidera o grupo. Os demais países do grupo também registraram quedas em relação ao ano passado.
A Índia caiu três posições passando para 59ª colocação, a África do Sul passou da 50ª para a 52ª colocação e a Rússia desceu uma posição no ranking, passando para o 67º lugar.
O ranking de competitividade é elaborado a partir de pesquisas de opiniões e percepções com 14 mil empresários em 144 países no mundo.

Brasil

O relatório de Competitividade Global destaca que o Brasil aparece agora entre as 50 economias mais competitivas do ranking, e que a melhora de posição acontece “apesar do índice de inflação de quase 7%”.

O estudo afirma que o Brasil melhorou nas suas condições macroeconômicas e tira proveito de ter o sétimo maior mercado interno do mundo.
O país também é elogiado por seu uso cada vez maior de tecnologias da informação e comunicação e no acesso a financiamentos para projetos de investimentos.

No entanto, o Brasil ocupa posições baixas na avaliação de empresários sobre eficiência do governo e confiança em políticos.

Apesar destes pontos fortes, o país também enfrenta desafios importantes. A confiança em políticos é baixa (121º no ranking específico para o tema), assim como a eficiência do governo (111º), por causa de excesso de regulação governamental (144º) e desperdício em gastos (135º).”
“A qualidade da infraestrutura de transportes continua como um desafio de longo prazo que não foi abordado, e a qualidade da educação não condiz com a necessidade cada vez maior de força de trabalho qualificada.”

Os esforços do Brasil para incentivar micro e pequenas empresas são reconhecidos, mas o país ainda é visto como um dos mais difíceis para novos empreendedores, com percepção de que os impostos são altos demais e provocam distorções na economia.

O relatório diz que algumas percepções dos empresários não refletem necessariamente a realidade brasileira.
Sobre competitividade sustentável, “o desempenho geral relativamente bom do Brasil mascara uma série de preocupações ambientais, como desmatamento da Amazônia, com o país registrando um dos maiores índices de desmatamento do mundo. E apesar de o Brasil demonstrar um desempenho geral razoável na área de sustentabilidade social, a desigualdade enorme do país segue preocupante”.

América Latina

Na América Latina, o Chile, em 33º lugar, manteve a sua liderança mesmo tendo caído duas posições e vários países latino-americanos registram avanços, como o Panamá, que foi do 49º lugar para o 40º, o México, que foi do 58º para o 53º e o Peru, que passou da 67ª para a 61ª colocação.

 

Ranking da competitividade 2012-2013

1. Suíça (1º no ranking anterior)

2. Cingapura (2)

3. Finlândia (4)

4. Suécia (3)

5. Holanda (7)

6. Alemanha (6)

7. EUA (5)

8. Grã-Bretanha (10)

9. Hong Kong (11)

10. Japão (9)

29. China (26)

48. Brasil (53)

52. África do Sul (50)

59. Índia (56)

67. Rússia (66)

 

*Fonte: BBCBrasil

BRASIL; GOVERNO RESOLVE PRORROGAR A REDUÇÃO DO IPI DE AUTOMÓVEIS. – Colaboração de Carlos Henrique Soares Muniz.

Governo vai prorrogar IPI menor

para carro por mais dois meses

 

 

Montadoras vão respirar aliviadas por pelo menos mais dois meses…

 

O governo decidiu prorrogar por mais dois meses a alíquota menor de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para produção veículos. O benefício, que vigora desde maio, terminaria na próxima sexta-feira. A avaliação da equipe econômica é que, apesar do recorde de vendas em julho (364 mil unidades), o setor ainda mantém estoque elevados e, retirar a medida agora poderia levar a um retrocesso, com impactos negativos nos empregos.

Para evitar prejuízos para as vendas no fim de semana, o anúncio oficial da prorrogação somente deverá ocorrer na próxima semana. As montadoras estão fazendo campanhas publicitárias para alertar o consumidor que o benefício está acabando.

De acordo com dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), com o IPI reduzido, as vendas diárias subiram de 12 mil em maio para 16 mil em agosto. No mês passado, a medida foi bastante questionada, depois que a GM anunciou que demitiria funcionários em uma das fábricas de São José dos Campos.

A notícia irritou a presidente Dilma Rousseff, que cobrou como contrapartida a manutenção dos empregos. Depois de intensas reuniões entre representantes da empresa, do governo (Ministérios da Fazenda e do Trabalho) e o Sindicato dos trabalhadores no local, as demissões foram adiadas.

*Fonte; O Globo.

PERNAMBUCO : REFINARIA ABREU E LIMA em Suape, SOFRERÁ ATRASO E AUMENTO NO ORÇAMENTO. *

Refinaria de Pernambuco

sofrerá novo atraso

 

Continua esticando o prazo e o preço da Refinaria Abreu e Lima da petrobrás.

 

PRESIDENTE DA PETROBRAS, GRAÇA FOSTER, ANUNCIOU QUE O CUSTO DA REFINARIA ABREU E LIMA TAMBÉM AUMENTOU, A PARTIR DO NOVO CRONOGRAMA; EMPREENDIMENTO, INICIADO EM 2005, ESTÁ APENAS 57% CONCLUÍDO E ACUMULA AUMENTO DE 87% SOBRE O ORÇAMENTO INICIAL

O cronograma vai se alastrar mais uma vez e o custo da Refinaria Abreu e Lima aumentou. Essas foram as constatações da presidente da Petrobras, Graça Foster, durante uma entrevista coletiva, em São Paulo, sobre o empreendimento. Em construção desde setembro de 2005, a obra deve ser concluída somente em novembro de 2014, com três anos de atraso. Além disso, as informações dão conta de que a intervenção está orçada em R$ 48.62 bilhões. O valor inicial previsto era de R$  26.0 bilhões, um aumento de 87%.

De acordo com reportagem do jornal Diario de Pernambuco, as obras deveriam estar com 94% de execução, porém estão apenas em 57%. O que justificaria a morosidade seria as chuvas correntes, as greves dos operários e a demora na assinatura de alguns contratos ainda em execução.

Outro fator para o atraso no andamento da refinaria é a retardamento em confirmar a parceria com a empresa venezuelana PDVSA, que entraria com 40% de participação no negócio. Mas ambas as empresas estão na análise de consulta prévia. Porém, com os sucessivos aumentos no custo, tal questão segue indefinida.

A assessoria de imprensa da Petrobrás informou ao Pernambuco 247 que não se sabe quando a primeira fase da obra entrará em operação nem fixação de valor total até o momento. Todos esses problemas foram apontados no Plano de Negócios e Gestão 2012-2016, divulgado ontem pela empresa.

Canteiro da obra de construção Refinaria Abreu e Lima. início em 2005 e término previsto para 2014. (?) (Foto Daniel Marenco/Folhapress)

A Refinaria Abreu e Lima, a primeira a ser construída pela Petrobrás desde 1980, terá capacidade para a produzir 230 mil barris de petróleo por dia e conta com cerca de 40 mil operários atualmente. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) já liberou R$ 10 bilhões ao empreendimento.

A reportagem do Pernambuco 247 entrou em contato com a assessoria da Refinaria Abreu e Lima, mas não teve retorno sobre a possibilidade de um pronunciamento do presidente Marcelino Guedes sobre as declarações de Graça Foster.

 

*Fonte; Pernambuco247/Leonardo Lucena

CARTÕES DE CRÉDITO : CUIDADO! VOCÊ DEVE ESTAR SENDO “ROUBADO” E NÃO SABE.

Juros de cartões de loja atingem

mais que o dobro dos cartões de

crédito comuns

 

 

Cartão de Crédito - Paraíso da agiotagem oficial. CUIDADO!(charge de Humberto)

 

As taxas de juros dos cartões de loja, conhecidos como “private labels”, chegam a atingir mais do que o dobro daquelas cobradas pelos cartões de crédito comuns – que já são bastante altas –, de acordo com levantamento da Proteste – Associação de Consumidores.

Segundo a entidade, a taxa de juros anual do crédito rotativo pode chegar a até 621,38% no caso de cartões de supermercados e alcançar 549% ao ano nos cartões de postos de combustível. Já a taxa média do rotativo do cartão de crédito é de 238,3% ao ano, segundo dados da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade).

“O consumidor deve fugir do rotativo dos cartões de crédito oferecidos por lojas, supermercados e postos de gasolina, os chamados private labels, e pagar sempre o valor total da fatura à vista. Caso não tenha condições, é melhor contratar um empréstimo bancário e quitar a dívida”, aconselha a Proteste.

De acordo com a entidade, além de cobrar taxa de juros bem acima da média, os cartões de fidelidade também podem cobrar outras taxas, mesmo que estejam isentos de anuidade”.

“Elas podem vir ‘disfarçadas’ em outros custos”, diz a Proteste. Entre estes custos, a maioria das redes avaliadas pela Proteste cobra para que a fatura seja gerada.

Risco de endividamento

A Proteste alerta o consumidor para o risco das contas fugirem do controle ao se adquirir cartões de diversos estabelecimentos. “Há o risco de endividamento por conta da grande variedade de cartões que são oferecidos. Antes de optar por este serviço, é bom avaliar se ele se adequa ao seu perfil de uso”, aconselha a entidade.

De acordo com a entidade, é importante olhar os seguintes pontos antes de adquirir um cartão deste tipo:

taxa de juros;
limite mínimo de compras ou utilização;
CET (Custo Efetivo Total) das compras parceladas;
formas de pagamento da fatura;
limite de pagamento mínimo;
datas de vencimento da fatura;
abrangência do cartão.
Também é importante ter atenção com os custos que podem estar disfarçados na “cortesia”:

taxa de manutenção;
tarifa para a emissão da fatura;
cobrança pela emissão do cartão;
tarifa para a emissão de extrato;
cobrança de anuidade a partir do segundo ano;
cobrança de emissão de cartões adicionais ou segunda via.
Relação custo-benefício
Ainda de acordo com a Proteste, a relação custo-benefício entre o valor do desconto e o custo do cartão, pode não ser tão benéfica para o consumidor. “O abatimento nas compras só compensa se as tarifas forem inferiores a ele”, ressalta.

Por isso, a entidade aconselha que o consumidor compare os preços entre os supermercados e os postos de combustíveis.

“Você pode fazer parte de suas compras em uma rede e o restante em outra, dispensando a aquisição do cartão da loja. É claro que há outros fatores que devem ser levados em conta,como o custo com a locomoção de um estabelecimento a outro”, conclui a Proteste.

Fonte: Uol/Economia-Proteste.

ECONOMIA : BRASIL- Somos a 6ª economia do mundo. O que fazer com a nossa miséria? (*)

Brasil surpreende, passa

Inglaterra e é o 6º PIB

 

Brasil. Economia maior do que os ingleses. Como vencer a grave diferença social?

 

 

Pela primeira vez na história um país

sul-americano produz mais riqueza

do que o Reino Unido; previsão do FMI

vai sendo confirmada por diferentes

institutos europeus; gringos ainda não

digeriram bem a notícia

 

 

A notícia foi chegando aos poucos, de fora para dentro. Circulou, primeiro, na Europa, onde os cálculos sobre o crescimento das economias nacionais são feitos por diferentes institutos oficiais e privados. Na Inglaterra, o Centro para a Pesquisa Econômica e de Negócios (CEBR) registrou nesta terça-feira 6 que a economia brasileira produziu mais riqueza, no ano passado, do que a do Reino Unido, configurando a primeira vez na história em que um país sul-americano superou a economia britânica. Previsão neste sentido já havia sido feita pelo Fundo Monetário Internacional.

Abaixo, texto a respeito produzido no escritório da BBC em Brasília. Dá para perceber que os ingleses ainda não digeriram muito bem essa ultrapassagem:

João Fellet, da BBC Brasil, em Brasília – O crescimento de 2,7% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro em 2011, anunciado nesta terça-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), confirmou uma previsão feita por analistas recentemente: de que no ano passado a economia brasileira ultrapassaria a britânica e se tornaria a sexta maior do mundo. No entanto, a ultrapassagem ocorreu por margem menor que a esperada.

Segundo cálculo do Centro para a Pesquisa Econômica e de Negócios (CEBR), um instituto britânico, o PIB brasileiro alcançou US$ 2,469 trilhões (cerca de R$ 4 trilhões) em 2011, ante US$ 2,420 trilhões do britânico.

“A diferença foi menor do que havíamos previsto antes. A economia brasileira tropeçou, mas a economia do Reino Unido foi ainda pior no ano passado, então não foi o suficiente para mudar o cenário”, diz o analista Tim Ohlenberg, do CEBR.

O Produto Interno Bruto é a soma de todos os bens e serviços produzidos pelo país ao longo do ano. Agora, somente Estados Unidos, China, Japão, Alemanha e França estão à frente do Brasil no ranking, que leva em conta os PIBs nominais, medidos em preços correntes.

Outros dois institutos econômicos ouvidos pela BBC Brasil confirmam que a ultrapassagem ocorreu. Segundo cálculos da Consultoria Tendências, o PIB brasileiro alcançou US$ 2,477 trilhões em 2011. O britânico, por sua vez, chegou a US$ 2,421 trilhões.

Em 2010, de acordo com o FMI (Fundo Monetário Internacional), o PIB brasileiro valia US$2,09 trilhões, comparado a US$ 2,25 trilhões da Grã-Bretanha.

Para comparar os PIBs, deve-se converter suas quantias (medidas nas moedas locais) em dólares, usando como base a cotação média do real e da libra para a moeda americana em 2011. É a primeira vez que o PIB brasileiro aparece à frente do britânico.

A ultrapassagem se explica em grande parte pelos desempenhos das duas economias no ano passado: enquanto o Brasil cresceu 2,7%, a Grã-Bretanha teve expansão de 0,8%.

A economia britânica tem sofrido com os prolongados efeitos da crise econômica na Europa.

Segundo analistas, outro fator que teve peso no resultado foi a acentuada apreciação do real no período, superior à valorização da libra.

O Instituto Nacional de Pesquisa Econômica e Social (NIESR, na sigla em inglês) também confirmou que o PIB brasileiro ultrapassou o britânico. Nas contas do instituto, que faz a comparação com base em dados do FMI e em taxas de câmbio atuais, o PIB brasileiro hoje vale US$ 2,52 trilhões, enquanto o britânico vale US$ 2,48 trilhões.

Apesar do resultado, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que é mais importante ter uma economia dinâmica, com crescimento sustentável, do que ter o sexto maior PIB global.

Consumo das famílias

Segundo o IBGE, ao crescer 2,7% em 2011, o PIB brasileiro alcançou R$ 4,143 trilhões.

Ainda que bem inferior à projeção do governo no início do ano passado, de expansão de 5%, o resultado de 2011 evidencia o relativo bom momento da economia brasileira num momento em que a Europa e os Estados Unidos enfrentam graves dificuldades para voltar a crescer.

No entanto, apesar do resultado anual, os dados indicam que houve uma desaceleração da economia no fim do ano passado. De acordo com o IBGE, a economia cresceu 0,3% nos últimos três meses de 2011 em relação ao trimestre anterior.

Ainda segundo o Instituto, o desempenho da economia em 2011 foi puxado pelo consumo das famílias, que teve expansão de 4,1% em relação a 2010. Também tiveram bons resultados o setor agropecuário, com crescimento de 3,9%, e o de serviços, com 2,7%.

(*) Fonte Brasil247

PETRÓLEO : 2011 O BRASIL BATEU RECORDE DE PRODUÇÃO.

Produção de petróleo no Brasil

bate recorde em 2011

 

A produção de petróleo e gás natural foi recorde no Brasil em 2011, segundo dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo).

 

Durante todo o ano passado foram produzidos 768 milhões de barris de petróleo e 24 bilhões de metros cúbicos de gás natural.

A média diária de petróleo também foi recorde, em 2,104 milhões de barris de petróleo, alta de 2,4% em relação ao ano anterior, quando foram produzidos em média 2,054 barris diários.

Somando o petróleo e o gás natural, a produção foi de 919 milhões de barris de óleo equivalente, com uma média de produção diária de 2,52 milhões de barris de óleo equivalente, contra os 2,45 milhões registrados em 2010, acréscimo de 2,8%.

Segundo os dados da ANP, a bacia de Campos (RJ) perdeu espaço de um ano para outro, passando de 85,5% da produção total em 2010 para 83,4% em 2011. Em contrapartida, a bacia de Santos (SP) ganhou destaque com o início da produção do campo de Lula, saindo de uma participação de 2,7% em 2010 para 5,8% em 2011 sobre o total da produção do país.

Dois poços localizados no campo de Lula, no pré-sal da bacia de Santos, fecharam o ano como maiores produtores brasileiros. O poço 9BRSA716RJS teve produção diária de 26,3 mil barris, e o 3BRSA496RJS, de 25,4 mil b/d. Com isso, o Estado de São Paulo fechou o ano em quinto lugar entre os maiores produtores, duas posições a mais do que há um ano.

A ANP infomou ainda que a queima de gás natural teve uma redução de 27% em 2011 contra 2010. Em média foram queimados 4,8 milhões de metros cúbicos diários em 2011, contra média de 6,6 milhões de metros cúbicos de 2010.

 

Plataforma em alto mar. Município de Campos-RJ. A maior produção nacional. (Foto Sayão efe)

DEZEMBRO

 

A produção de petróleo e gás natural também foi recorde em dezembro de 2011, atingindo média de 2,663 milhões de barris de óleo equivalente diários, sendo 2,214 milhões de barris de petróleo e 71 milhões de metros cúbicos de gás natural.

Em comparação com dezembro do ano passado, o crescimento da produção de petróleo foi da ordem de 1,6% e de gás natural de 3,1%, informou a ANP.

Em dezembro do ano passado, 25 empresas estavam produzindo no país, em 306 concessões, sendo 78 concessões marítimas e 228 terrestres.

Fonte: Folha.com/DENISE LUNA
DO RIO

IMPORTAÇÃO : FINALMENTE, DEVOLVIDOS OS CONTÊINERES COM LIXO HOSPITALAR DOS EUA.

GRANDE RECIFE // EMBARQUE

Contêineres com lixo hospitalar

voltam aos Estados Unidos

]e66f16adaa3f41d14e0ed3347144d52e.jpg

 

Pouco antes das 7h deste sábado (21), dois contêineres contendo lixo hospitalar foram colocados no navio Cap. Irene, de bandeira liberiana, no Porto de Suape. Com 46 toneladas de lençóis, batas, seringas e toalhas usadas com identificação de hospitais norte-americanos, o material chegou ao Recife em outubro passado e agora retorna aos Estados Unidos.

De acordo com o chefe da polícia de migração de alfândega dos Estados Unidos no Brasil, Gabriel Gonzalez, que acompanhou o embarque dos contêineres, ao chegar aos Estados será feita uma nova perícia para constatar que o material se trata de lixo hospitalar. Apenas depois da avaliação, será definido o futuro da carga.

O navio cap. Irene deve zarpar do Porto de Suape às 15h deste sábado. Segue para o Porto de Santos, para na Argentina e apenas em fevereiro chega ao Porto de Charleston, na Carolina do Sul, de onde veio a mercadoria.

Outros 2800 contêineres, de cargas variadas, estão em uma área separada do navio.

MERCADORIA – A irregularidade estava registrada na divergência entre o conteúdo declarado – “tecidos de algodão com defeito” – e a mercadoria importada, lençóis sujos com manchas características de sangue e dejetos biológicos com logomarca de vários hospitais norte-americanos em meio aos quais se encontravam seringas, cateteres e luvas usadas. Como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) em Pernambuco exigia a devolução da mercadoria, o dono da Na Intimidade, Altair Teixeira de Moura, que importava a carga para ser utilizada como forro de bolso na fábrica sediada em Santa Cruz do Capibaribe, foi notificado.

do NE 10

ARTIGO – A FÁBULA DO ÁLCOOL, por Célio Pezza – Colaboração de Tonico Araújo.

Uma fábula a álcool

 

Era uma vez, um país que disse ter conquistado a independência energética com o uso do álcool feito a partir da cana de açúcar.

Seu presidente falou ao mundo todo sobre a sua conquista e foi muito aplaudido por todos. Na época, este país lendário começou a exportar álcool até para outros países mais desenvolvidos.

Alguns anos se passaram e este mesmo país assombrou novamente o mundo quando anunciou que tinha tanto petróleo que seria um dos maiores produtores do mundo e seu futuro como exportador estava garantido.

A cada discurso de seu presidente, os aplausos eram tantos que confundiram a capacidade de pensar de seu povo. O tempo foi passando e o mundo colocou algumas barreiras para evitar que o grande produtor invadisse seu mercado. Ao mesmo tempo adotaram uma política de comprar as usinas do lendário país, para serem os donos do negócio.

Em 2011, o fabuloso país grande produtor de combustíveis, apesar dos alardes publicitários e dos discursos inflamados de seus governantes, começou a importar álcool e gasolina.

Primeiro começou com o álcool, e já importou mais de 400 milhões de litros e deve trazer de fora neste ano um recorde de 1,5 bilhão de litros, segundo o presidente de sua maior empresa do setor, chamada Petrobras Biocombustíveis. Como o álcool do exterior é inferior, um órgão chamado ANP (Agência Nacional do Petróleo) mudou a especificação do álcool, aumentando de 0,4% para 1,0% a quantidade da água, para permitir a importação. Ao mesmo tempo, este país exporta o álcool de boa qualidade a um preço mais baixo, para honrar contratos firmados.

Como o álcool começou a ser matéria rara, foi mudada a quantidade de álcool adicionada à gasolina, de 25% para 20%, o que fez com que a grande empresa produtora de gasolina deste país precisasse importar gasolina, para não faltar no mercado interno. Da mesma forma, ela exporta gasolina mais barata e compra mais cara, por força de contratos.

A fábula conta ainda que grandes empresas estrangeiras, como a BP (British Petroleum), compraram no último ano várias grandes usinas produtoras de álcool neste país imaginário, como a Companhia Nacional de Álcool e Açúcar, e já são donas de 25% do setor.

A verdade é que hoje este país exótico exporta o álcool e a gasolina a preços baixos, importa a preços altos um produto inferior, e seu povo paga por estes produtos um dos mais altos preços do mundo.

Infelizmente esta fábula é real e o país onde estas coisas irreais acontecem chama-se Brasil…sil…sil…sil…!!!

 

Celio Pezza