Tag Archives: Respeito

HOMENAGEM: 20 DE AGOSTO – DIA DO MAÇOM – Colaboração de Jozinaldo Viturino de Freitas.

Uma Mensagem a todos os Maçons no

dia 20 de agosto – Dia do Maçom.

 

 

QUE GENTE É ESSA?

 

Que gente é essa? É gente de conteúdo interno que transcende a compreensão medíocre, simplória.

É gente que tem idealismo na alma e no coração, que traz nos olhos a luz do amanhecer e a serenidade do ocaso.

Tem os dois pés no chão da realidade.

É gente que ri, chora, se emociona com uma simples carta, um telefonema, uma canção suave, um bom filme, um bom livro, um gesto de carinho, um abraço, um afago.

É gente que ama e curte saudades, gosta de amigos, cultiva flores, ama os animais, admira paisagens, escuta o som dos ventos.

É gente que tem tempo para sorrir bondade, semear perdão, repartir ternura, compartilhar vivências e dar espaço para as emoções dentro de si.

É gente que gosta de fazer as coisas que gosta, sem fugir de compromissos difíceis e inadiáveis, por mais desgastantes que sejam.

Gente que semeia, colhe, orienta, se entende, aconselha, busca a verdade e quer sempre aprender, mesmo que seja de uma criança, de um pobre, de um analfabeto.

É gente muito estranha os Maçons.

Gente de coração desarmado, sem ódio, sem preconceitos baratos ou picuinhas.

Gente que fala com plantas e bichos, dança na chuva e alegra-se com o sol.

Eh! Gente estranha esses Maçons.

Falam de amor com os olhos iluminados como par de lua cheia.

Gente que erra e reconhece. Gente que ao cair, se levanta, com a mesma energia das grandes marés, que vão e voltam.

Apanha e assimila os golpes, tirando lições dos erros e fazendo redentores suas lágrimas e sofrimentos. Amam como missão sagrada e distribuem amor com a mesma serenidade que distribuem pão. Coragem é sinônimo de vida, seguem em busca dos seus sonhos, independentes das agruras do caminho.

Essa gente, vê o passado como referencial, o presente como luz e o futuro como meta.

São estranhos os Maçons!

Cultuam e estudam as Sagradas Tradições como formas de perpetuar as leis que regem o Universo, passam de geração para geração a fonte renovadora da sabedoria milenar. São fortes e valentes, e ao mesmo tempo humildes e serenos.

Com a mesma habilidade que manuseiam livros codificados de sabedoria, o fazem com panelas e artefatos.

São aventureiros e ao mesmo tempo criam raízes, inventam o que precisa ser inventado. Criam raízes, inventam suas próprias histórias.

Falam de generosidade em exercício constante.

Ajudam os necessitados com sigilo e discrição.

Conduzem a prática desinteressada e oculta da caridade e do amor ao próximo.

Interessante essa gente, esses Maçons.

Obrigam-se nas tarefas, de estudar a Arte Real, de evoluir, de amar e dividir.

Partilham da mesa do rei e de um amigo montanhês com mesmo sorriso enigmático de prazer e sabedoria que iluminava a face de seus ancestrais.

Degustam um pão artesanal, com a mesma satisfação que o fazem em um banquete cinco estrelas.

Amam em esteiras e em grandes suítes, desde que estejam felizes, pois ser feliz e levar felicidade, é sempre a única condição dessa gente estranha.

É gente que compra briga pela criança abandonada, pelo velho carente, pelo homem miserável, pela falta de respeito humano.

É gente que fica horas olhando as estrelas, tentando decifrar seus mistérios, e sempre conseguem.

Agradecem pelas oportunidades que a vida lhes dá. Aliás, essa gente estranha agradece por tudo, até pela dor, que tratam como experiência.

Reúnem-se em Escolas Iniciáticas que chamam de Lojas, para mutuamente se bastarem, se protegerem, se resguardarem, para resgatar valores, e estudar muito.

Interessantes são os Maçons.

Mas interessante mesmo é a fé que os mantêm vivificados ao longo de séculos juntos e unidos.

Abençoada essa estranha gente.

É dessa estranha gente, que o Supremo Arquiteto do Universo precisa para o todo sempre.

É a essa estranha gente, de que sou parte, que desejo DE TODO MEU CORAÇÃO, as mais ardorosas congratulações admiração e agradecimentos.

 

(Autor desconhecido)

Mensagem do Três Vezes Poderoso Mestre da Respeitável e Augusta Loja de Perfeição Ir. João Antonio Cordeiro de Lucena – Belo Jardim/PE, Ir. Jozinaldo Viturino de Freitas.

Obs: Neste dia 20 de agosto é comemorado o Dia do Maçom. o Senado Fedral no dia 19 fez uma homenagem com uma Sessão Especial, atendendo a proposta do Senador Maçom Mozarildo Cavalcanti.

 

Jozinaldo V. de Freitas – Mestre Maçom
RALP Ir. João antonio Cordeiro de Lucena – TVPM
ARLS Vale do Ipojuca nº 45 – Secretário

 

NOTA DO BLOG – O OABELHUDO se irmana aos digníssimos maçons e, em particular, aos amigos pertencentes a Loja Vale do Ipojuca da nossa querida  Sanharó.

ARTIGO: AS RELAÇÕES HUMANAS NO TRABALHO/Max Gehringer. – Colaboração de Lourdinha Avelino.

O Sucesso consiste em não fazer

Inimigos.

Nas relações humanas no trabalho, existem

apenas 03 regras:

 

Regra número 1:

 

Colegas passam, mas inimigos são para sempre. A chance de uma pessoa se lembrar de um favor que você fez a ela vai diminuindo à taxa de 20% ao ano. Cinco anos depois, o favor será esquecido. Não adianta mais cobrar. Mas a chance de alguém se lembrar de uma desfeita se mantém estável, não importa quanto tempo passe. Exemplo: Se você estendeu a mão para cumprimentar alguém em 1999 e a pessoa ignorou sua mão estendida, você ainda se lembra disso em 2009.

 

Regra número 2:


A importância de um favor diminui com o tempo, enquanto a importância de uma desfeita aumenta. Favor é como um investimento de curto prazo. Desfeita é como um empréstimo de longo prazo. Um dia, ele será cobrado, e com juros.

 

Regra número 3:


Um colega não é um amigo. Colega é aquela pessoa que, durante algum tempo, parece um amigo. Muitas vezes, até parece o melhor amigo. Mas isso só dura até um dos dois mudar de emprego. Amigo é aquela pessoa que liga para perguntar se você está precisando de alguma coisa. Ex-colega que parecia amigo é aquela pessoa que você liga para pedir alguma coisa, e ela manda dizer que no momento não pode atender.

Durante sua carreira, uma pessoa normal terá a impressão de que fez um milhão de amigos e apenas meia dúzia de inimigos. Estatisticamente, isso parece ótimo. Mas não é! A ‘Lei da Perversidade Profissional‘ diz que, no futuro, quando você precisar de ajuda, é provável que quem mais possa ajudá-lo é exatamente um daqueles poucos inimigos.

Muito cuidado ao tentar prejudicar um colega de trabalho; Amanhã ou depois você pode depender dele para alguma coisa!

Portanto, profissionalmente falando, e “pensando a longo prazo, o sucesso consiste, principalmente, em evitar fazer inimigos. Porque, por uma infeliz coincidência biológica, os poucos inimigos são exatamente aqueles que têm boa memória”.

 

“Na natureza não existem recompensas nem

castigos. Existem consequências!”

05 de Junho – Dia Mundial do Meio Ambiente – Colaboração de Davi Calado(*).

05 de Junho Dia Mundial do Meio Ambiente…

 

Caatinga Nordestina e seus habitantes naturais. Em franca decandência...

 

 

 

A Lei 6938/81 define o meio ambiente, como: ”o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas”.

 


Muitos ainda não tem a noção que “nós” seres humanos também somos parte dste meio ambiente no qual a lei discreve. É graças a nós “seres humnos” que nos julgamos racionais por autoridade, que o nosso planeta (meio ambiente) encontra-se em calamitosa situação. É interesante observar que no ciclo natural da vida não há perda de recurso, pois quando um ser morre ele torna-se vida para outro serde outra especie, dando assim continuidade a esse circulo, sem o consumo de recurso ou desiquilibrio natural. Com o ser humano é totalmente o inverso, nosso consumo dos recursos naturais tem nos custado um preço muito auto para nossa geração, e certamente bem maior para as que virão depois, nas ultimas 3 decadas nós consumimos um terço de todos os recursos naturais da terra. Em se tratando de Brasil, já consumimos em torno 93 de bela Mata Atlantica, mais de 50% da Caainga e quanto a Amazonia nem se fala. Segundo A Organização Mundial da Saude (OMS), o ser humano consome de fato 10% da água que usa e o restante polui e joga de volta ao meio ambiente, e mais de 1/3 desse total não tem nenhum tipo de tratamento adequado, a Agencia Nacional das Aguas (ANA), diz que em 25 anos o Brasil terá escassez de água para mais de 55% da população nacional. No entanto o que temos feito de fato, para eu não digo nem reverter, mas amenizar essa situação urgente que se apresenta?. Ainda segunda a ANA o agreste pernambucano é região com a menor disponibilidade hidrica do Brasil demograficamente. E o que temos feito nós para amenizar ou melhorar esse problema?. Estamos simplesmente de olhos fechados à situação, estamos desmatando nossas poucas matas serranas e a caatinga que ainda temos em nossa região, para usarmos como matriz energetica na atividade de panificação ou carvoarias, ou ainda por meros capricho de latifundiarios que fazem uso desta pratica para criação extensiva de animais. Nossas nascentes de riachos e rios, estão simplismente a bandonadas a propria sorte, nosso Rio Ipojuca simbolo de um periodo de fartura (como fonte de renda) e belaza natural, tornou-se um esgoto a ceú aberto por mais de 2/3 dos seus 322 km de percusso, e estamos assistindo a tudo isso passivamente. Acabamos com nossas matas ciliares que são cruciais para sobrevivencia e evitar o assoriamento do rio, acabando com isso os “belos banhos” que eram constante em tempos passados, a famosa “pedra de Lálai, o poço Dantas no sítio lajeiro, os belos poços do Cajá com abundância em traíras, carítus, curimatans e jundiás” e em tantas outras atividades de recreção que eram praticadas no leito do nosso Rio Ipojuca, que hoje agoniza sem que niguem faça absolutamente nada para estancar essa dor. Dor essa, que é todos que defendem a preservação de um maio ambiente sustentavel porem saudavel, para nós e para os que nos sucederem. O Rio Ipojuca, é só um pequeno exemplo citados dos muitos casos que evidenciamos no dia-a-dia, o desmatamento, a caça de animais silvestres como: o peba-tatu, o tejú, a inhambú, a codorna campestre, a rolinha branca, cafofa, (pomba rola), e tantos outras aves e animais que estão sendo abatidos, engaiolados, sem que nenhuma providêncica seja tomada. milhares de mortes de aves que se alimentam das sementes dessa ervas, sem nenhum controle por parte dos orgãos competentes.
Precisamos fazer algo, e fazer logo, ou não teremos quase nada de tudo tão belo que a natureza nos deixou para deixamos como herança às próximas gerações.

 

Davi Calado

(*) (Gestor Ambiental)

PARANÁ: VEJAM QUE BELO EXEMPLO DE RESPEITO AO MEIO AMBIENTE. – Colaboração de Roberto Peçanha.

A bituca do cigarro é um grande problema nos centros urbanos.

Em Curitiba, 8 milhões desses resíduos são descartados por dias.

O PROGRAMA BITUCA ZERO, criado pela empresa curitibana ECOCITY Soluções Ambientais, é uma importante ferramenta contra o problema.
A empresa atende todo o ciclo do resíduo: a implantação de coletores especialmente desenvolvidos, a coleta semanal dos resíduos e a reciclagem.
Todo o processo é 100% paranaense e atende toda a legislação em vigor.
Após a reciclagem, os subprodutos voltam para a natureza, utilizados em áreas ambientalmente degradadas.

Informações: ecocitybrasil@gmail.com