Tag Archives: Turismo

TURISMO E HISTÓRIA : 3 lugares Famosos, com Fama de Dar Sorte *

3 monumentos que prometem dar sorte

(e a história por trás deles)

 

Eles prometem ser mais poderosos que trevo de quatro folhas, figas e pé de coelho. Pudera: a jornada para conhecê-los não é acessível para qualquer um, pois estão espalhados pelos 4 cantos do mundo. De qualquer forma, papel e caneta na mão: o História Sem Fim selecionou três monumentos da sorte e conta, agora, a origem de cada um deles. Caso alguma dessas cidades esteja nos seus próximos roteiros de viagem, não perca a chance de dar um empurrãozinho para a sorte!

1. The Charging Bull

Charging Bull, ou o Touro de Wall Street.

Charging Bull, ou o Touro de Wall Street.

Se visitar Nova York, programe uma parada na Wall Street – além de conhecer um dos principais centros comerciais e financeiros do mundo, você ainda pode visitar o Charging Bull, ou o Touro de Wall Street.

O ícone, símbolo de otimismo financeiro, é uma criação do artista italiano naturalizado americano Arturo di Modica. Dizem que ele deixou a estátua (detalhe: ela pesa mais de três toneladas!) como um presente, em frente à bolsa de valores de NY, no natal de 1989. O touro seria um símbolo dos novos e bons tempos para os americanos e para o mundo depois da quebra da bolsa de NY dois anos antes.
Na época a prefeitura nova-iorquina não gostou muito do presente e a escultura chegou a ser removida pela polícia por certo tempo, até ser reinstalada na Broadway Green Park, no final da Broadway Avenue. Atualmente, é um dos pontos turísticos mais visitados da cidade.

Onde encontrar? Em Nova York, perto da estação de metrô Bowling Green, da linha verde.

Sorte: Acredita-se que quem toca o chifre, o focinho ou os testículos do animal terá sorte e prosperidade financeira.

2. Julieta Capuletto, em Verona

...varanda onde Julieta teria se encontrado com seu amado e uma estátua de bronze da Srta. Capuletto no jardim.

…varanda onde Julieta teria se encontrado com seu amado e uma estátua de bronze da Srta. Capuletto no jardim.

Em Verona, no norte da Itália, fica a casa que teria pertencido à família Capello, que por sua vez teria inspirado Shakespeare a criar a família Capuletto na peça Romeu e Julieta. Independentemente da veracidade da história (até hoje não se sabe se o dramaturgo inglês teve alguma inspiração real), o certo é que atualmente a casa abriga um museu com objetos do século XIII, com direito à varanda onde Julieta teria se encontrado com seu amado e uma estátua de bronze da Srta. Capuletto no jardim.

Nos muros que cercam a residência é possível encontrar declarações apaixonadas de casais do mundo todo. Dentro da casa, afrescos e trechos do livro completam o ambiente. Aos apaixonados, Giulietta Capuletto responde cartas e e-mails com dilemas amorosos através do Clube da Julieta, uma associação composta de moradoras de Verona que trabalham como voluntárias respondendo aos dilemas amorosos enviados para lá.

Onde encontrar? Via Cappello, 23, a poucos metros da central Pazza delle Erbe, em Verona, na Itália.

Sorte: Quem deseja encontrar o verdadeiro amor deve passar a mão sobre o seio direito da estátua da Julieta.

3. Touro da Galleria Vittorio Emanuelle II

Um dos pontos turísticos mais famosos de Milão é a Piazza Del Duom...

Um dos pontos turísticos mais famosos de Milão é a Piazza Del Duom…

Um dos pontos turísticos mais famosos de Milão é a Piazza Del Duomo onde, além da Catedral Gótica (a maior do mundo nesse estilo), encontra-se a Galleria Vittorio Emanuelle II. Lá, é possível gastar bastante os olhos nas lojas das grifes mais famosas e caras do mundo todo, bem como visitar os famosos cafés e restaurantes.

Mesmo que fazer compras não esteja entre em seus planos, vale a pena visitar a galeria por sua arquitetura. No centro do local há um octógono formado pelo cruzamento das vias do local. É lá que se encontra o brasão central, que representa a Casa Savóia, uma dinastia europeia. Ao lado da imagem, seguindo na direção de cada uma das saídas, encontram-se quatro mosaicos que representam cidades que uma vez foram capitais do reino da Itália: Roma, Milão, Florença e Turim.

É nessa última que os supersticiosos devem apostar suas fichas – os milaneses acreditam que pisar na genitália do touro que representa a cidade trás sorte. Originalmente a tradição deveria ser feita dia 31 de dezembro para trazer sorte para o ano seguinte, mas ao longo do tempo a crença se tornou válida para os turistas que visitam o local ao longo do ano.

Onde encontrar? Piazza del Duomo, 20121, em Milão, na Itália.

Sorte: Pise com o calcanhar do pé direito sobre a genitália do touro representado no mosaico e dê um giro sobre ele.

*Super Interessante / Por Júlia Matravolgyi

CRÔNICA: BUENOS AIRES, onde todo cuidado ainda é pouco…

Cartas de Buenos Aires:

A capital dos pequenos trambiques

 

Buenos Aires. Alinda capital da Argentina.

 

“Eles estão, mas você não os vê. Estão, mas não estão. Fique de olho na sua bolsa, na bagagem, na porta, na janela e no carro. Cuide do próprio rabo. Porque eles estão aqui, vão sempre estar aqui. Não são ladrões comuns. São picaretas, trombadinhas, trapaceiros, malandros, bandidos, arrebatadores, batedores de carteira, vigaristas, larápios, gatunos, vagabundos, pixotes, golpistas, tapeadores, embusteiros, pivetes, trapaceiros...”

O trecho acima é extraído do filme argentino “Nove Rainhas”, de 2001, que já virou um clássico no que diz respeito ao mundo dos picaretas locais, e retrata a Buenos Aires cheia de trambiques que em geral continua a mesma.

Um dos principais destinos de turistas brasileiros, Buenos Aires, ainda que mais segura que muitas das grandes capitais brasileiras, pode causar muitos dissabores aos desatentos.

O problema aqui, pelo menos no diz respeito ao turismo, é a abundancia de pequenos golpes que, normalmente, não envolvem armas nem agressões físicas.

Entre os crimes mais comuns está a troca de notas verdadeiras por falsas. O problema ficou tão grave que impulsionou o consulado brasileiro a alertar turistas no ano passado, enquanto o governo local faz vista grossa para não admitir que perdeu totalmente o controle.

Em 2010, até velhinhos chegaram a denunciar o pagamento da aposentadoria com notas de dinheiro falsas retiradas dos bancos.

O truque é velho e simples: o turista paga com uma nota de cem pesos, o garçom ou taxista aceita a nota, trocando, a pretexto de que não possui troco, por outra falsa.

Segundo a Defensoria do Turista, são pelo menos 500 queixas formais por dia. A Associação Argentina de Direito Turístico (ADETUR) informa que, só no ano passado, os crimes contra viajantes cresceram cerca de 50%. Nos pontos turísticos, a malandragem rola solta.

Em Palermo, um bairro de classe media da capital, e no centro, proliferam os motochorros, ladrões de moto que são capazes de puxar uma bolsa e desaparecer com ela em questão de segundos.

Como são os golpes e trambiques ao redor do mundo é o tema da nova série “Scam City” (A capital do delito), da National Geographic. Um dos primeiros capítulos contempla nada menos do que Buenos Aires.

Nele, o aventureiro e apresentador Conor Woodman (foto abaixo) mostra em detalhes os truques e armadilhas mais comuns que podem acometer um turista em visita à capital.

O programa vai ao ar no Brasil nesta segunda-feira (dia 29) às 14h20, segundo a grade de programação do canal. Vale a pena conferir e se precaver para que a visita a Buenos Aires não se transforme em um tango. Malandro é malandro e mané é mané, muchachos.

*Fonte;blogdonoblat

Gabriela G Antunes – Jornalista.

 

* Autora – Gabriela G. Antunes é jornalista e nômade. Cresceu no Brasil, mas morou nos Estados Unidos e Espanha, antes de se apaixonar por Buenos Aires. Na cidade, trabalhou no jornal Buenos Aires Herald, mantém o blog Conexão Buenos Aires e não consegue imaginar seu ultimo dia na capital argentina. Estará aqui todos os sábados.

HOJE NA HISTÓRIA : 81 ANOS DO CRISTO REDENTOR. *

12 de outubro de 1931:

A inauguração do Cristo Redentor

 

 

 

“A maior, a mais imponente de todas as demonstrações de fé que a população brasileira já realizou, entre quantas já temos assistido, será sem dúvida a de amanhã, com a inauguração do monumento de Christo Redemptor no Corcovado. Toda a cidade se movimentará hoje e amanhã para participar das grandes festas numa expressiva manifestação do seu espírito religioso“.Jornal do Brasil

A matéria da edição de 11 de outubro de 1931 do Jornal do Brasil, véspera da inauguração do monumento, traduzia a expectativa em torno da edificante epopeia: uma estátua art decó de 38m, com mais de mil toneladas em concreto armado e pedra sabão, erguida no topo de um morro de mais de 700m de altitude.

Incentivada por uma campanha nacional que arrecadou fundos com doações da comunidade, a realização do ousado projeto do engenheiro Heitor da Silva Costa contou com a participação do artista plástico Carlos Oswald e do estatuário Paul Landowski.

A ideia da construção do Cristo Redentor surgiu em 1921 para fulgurar entre as comemorações do Centenário da Independência do Brasil no ano seguinte. O projeto de Heitor da Silva Costa foi escolhido num concurso realizado em 1923. A pedra fundamental foi lançada em 1926. O empreendimento foi executado em cinco anos.

A festa da fé

Conduzida pelo episcopado, na figura maior do Cardeal Arcebispo Sebastião Leme, a inauguração suscitou uma onda de fé jamais vista no país. Peregrinos chegavam de todas as partes para reunir-se em cortejos, orações e missas ministradas em diferentes pontos da cidade.

Cardeal Dom Sebastião Leme: ” a inauguração suscitou uma onda de fé jamais vista no país”.

Uma liturgia pela reafirmação de Cristo como rei do Brasil, condição coibida logo após a proclamação da República, quando, com a decretação da separação entre a Igreja e o Estado, garantiu-se a liberdade religiosa.

Escrevia-se, assim, as primeiras linhas da história de um dos mais visitados e reconhecidos cartões-postais do turismo internacional.

 

Assistam o video alusivo ao evento;

 

 

*Fonte: JB – Hoje na História

AEROPORTO EM MARAGOGI-AL, SERÁ OBRA DE DOIS GOVERNOS. (*)

Governos de AL e PE vão

construir aeroporto

 

Theo Viela de Alagoas e Eduardo Campos de Pernambuco. Juntos construirão um novo aeroporto em Maragogi-(divisão AL/PE)

 

O primeiro compromisso firmado entre o governador Teotonio Vilela e o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, é o de assinar um convênio específico para efetivar a implantação do aeroporto de forma conjunta. O encontro foi realizado nesta quinta-feira (26) e contou com a participação do secretário de Estado da Infraestrutura, Marco Fireman, e do secretário adjunto de Transporte da Seinfra, Manoel Messias Costa.

Os governadores marcaram para a próxima quinta-feira (3) uma viagem a Brasília a fim de buscar mais recursos para a obra junto ao Governo Federal, que defende a importância da ampliação do número de aeroportos regionais, para que a malha aeroportuária brasileira alcance a eficiência pretendida, estimulando o turismo e o desenvolvimento regional.

“Essa é mais uma parceria que fazemos com o governo de Pernambuco e que mostra que os dois estados estão focados no desenvolvimento do Nordeste. A construção desse aeroporto abre várias oportunidades para o crescimento da economia de Alagoas e de Pernambuco e só temos a agradecer a Eduardo Campos essa forma de trabalharmos conjuntamente pelos nossos Estados”, avalia o governador Teotonio Vilela.

O governador Eduardo Campos aprovou o projeto apresentado pelo Governo de Alagoas. “É maravilhoso ver um projeto elaborado com a preocupação com a própria sustentabilidade. Vamos unir forças para concretizá-lo e, assim, trazer o desenvolvimento que com certeza beneficiará toda a região”, reconhece Eduardo Campos.

A consolidação da integração entre os dois estados visa garantir a sustentabilidade do empreendimento. Para o secretário Marco Fireman, é fundamental pensar no aeroporto como um projeto que vai além das obras físicas.

“Implantar o aeroporto não significa apenas construí-lo, mas também pensar em como ele será utilizado de forma sustentável, para não transformá-lo em um elefante branco e gerar prejuízos para o Estado. Pela localização estratégica ele pode atender, inclusive, ao Porto de Suape, no litoral Sul de Pernambuco”, explicou Marco Fireman.

O projeto

As obras de implantação do aeroporto de Maragogi estão orçadas em cerca de R$ 70 milhões. O Governo de Alagoas já firmou convênio com o Ministério do Turismo, por meio do Programa de Desenvolvimento do Turismo no Nordeste (Prodetur), garantindo R$ 15 milhões para o início das obras.

(*) Fonte: Alagoas 24 horas/Nordeste.com

BRASIL : GOVERNO DIVULGA DATAS DE FERIADOS NACIONAIS.

Governo divulga datas de

feriados nacionais

Feriado é bom para descansar...Ninguém é de ferro...

 

 

O governo federal divulgou hoje os dias de feriados nacionais e de ponto facultativo do ano de 2012 para cumprimento pelos órgãos e entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo. O primeiro feriado nacional é dia 1º de janeiro. Já os dias 20 e 21 de fevereiro (segunda e terça-feira de Carnaval) é considerado ponto facultativo, assim como a quarta-feira de Cinzas (22 de fevereiro) até às 14 horas.

Dia 6 de abril, sexta-feira em que celebra-se a Paixão de Cristo, também será ponto facultativo. O dia 21 de abril, é feriado nacional, dia de Tiradentes, e o dia 1º de maio, Dia Mundial do Trabalho.

O dia 7 de junho, dia de Corpus Christi, é considerado também ponto facultativo. Os outros feriados são o dia 7 de setembro, dia da Independência do Brasil; 12 de outubro, dia de Nossa Senhora Aparecida; 28 de outubro, dia do Servidor Público (feriado da categoria); 2 de novembro (Finados); 15 de novembro (Proclamação da República); 25 de dezembro (Natal). Os dias 24 de dezembro e 31 de dezembro são ainda considerados ponto facultativo.

As datas dos feriados foram publicadas no Diário Oficial da União de hoje, em portaria do ministério do Planejamento.

SANDRA MANFRINI – Agência Estado

A MINHA VIAGEM (04) NEW YORK – Por Maria do Carmo Leite Calado. (Final)

EEUU – New York

THE BIG APPLE!

 

 

Central Park - A beleza do verde se contrasta com com o entorno cheio de prédios.

 

Lembrando do Brasil, comparei-a ao Rio de Janeiro. Esta, destacando-se pelas belezas naturais. Nova Iorque, pela produzida pelo homem.

Simbolizou, para mim, o certificado da inteligência humana, do poder econômico, da avançada tecnologia e de um convívio social baseado no prazer do consumo e da diversão: parece ter sido construída para isso.

Passei apenas 52 horas, tempo suficiente, apenas, para ver pontos principais e observar as pessoas que transitam diuturnamente por ruas largas, sinalizadas, limpas, seguras e à noite muito iluminadas, que nos fazem nem sentir falta da luz do sol.

O primeiro impacto foi pegar o trem nas estações do metrô – o maior do mundo. Lá, no subterrâneo estava um calor absurdo. A sensação era de que iríamos torrar um pouco. Acho que isso não acontecia porque a espera é pequena, dado a rapidez com que os trens passam. Aliás, fica à disposição dos usuários um mapa com todas as linhas o os horários previstos, que são rigorosamente cumpridos, o que contribui para a ausência de filas de espera. O emaranhado de trilhos, trens em todas as direções, barulho das máquinas, que poderiam me assustar, pelo contrário me encantaram, talvez por imaginar o gigantismo daquelas construções e a perfeição com que funcionam.

A Ponte do Brooklyn e a luminosidade by nigth noviorquina

Ao pisar o solo do centro da cidade a sensação foi de extremo prazer. Os arranhas céu, belíssimos, compõem a paisagem , quebrada apenas pelas águas que a cercam e pelo verde do Central Park ( um oásis no deserto).

A subida no Edifício Empire State é uma aventura assustadora. Aqui enfrentamos fila, o afluxo de turistas é permanente. De uma altura de mais de 200mts tem-se uma vista panorâmica de toda a cidade. Um encanto. Sucessão de torres de Edifícios que é impossível dizer qual o mais bonito.
Na 5ª Avenida tivemos que parar para observar o vai e vem das pessoas. De todas as raças, de todas as idades. Multinacionalidades. Não dava pra saber se turistas ou se residentes, apenas que um povo bem cuidado, bem vestido, educado, contente.

O Central Park é de um verde impressionante. Árvores gigantes, em terrenos gramados, permeados por recantos de flores, fontes, pistas, lagos, arcos construídos como se fossem pontes, lanchonetes, coretos, etc, formam um conjunto planejado para o descanso, para o lazer de gente de todas as idades, em todas as horas do dia.

Time Square. O neon dos luminosos causam um encanto aos olhos...

O Times Square é outro lugar mágico. Os letreiros e figuras que enfeitam as paredes dos edifícios, como se fossem outdoors luminosos, além de serem muito bem produzidos, a dinâmica das luzes que se acendem e apagam, intermitentemente, prendem a atenção de tal forma que nos fazem perder a noção do tempo, do espaço, do corpo. “Coisa de cinema, de ficção”, pareceu-me…

Outro ponto obrigatório para um visitante é pegar um barco, atravessar o rio Hudson e conhecer a Estátua da Liberdade. Além das águas límpidas, de um vento forte, durante o trajeto observa-se vários prédios, construções, incluindo a da torre que está sendo levantada, no terreno das antigas torres gêmeas, tornam o passeio muito agradável e enriquecedor. Sem contar com a emoção que é ver a Estátua de perto, símbolo máximo da cidade. Um sonho!

Valeu! Ora se valeu!

NOTA DO BLOGO OABELHUDO agradece a gentileza da prima e conterrânea Ducarmo Leite Calado, também emérita colaboradora do blog, em em transportar  às nossas páginas pequenos e proveitosos fragmentos vividos tão  intensamente nessa viagem que nos foi tão bem relatada em quatro agradáveis capítulos.

A VIAGEM AO CANADÁ (03) – Por Maria do Carmo Leite Calado.

VISITANDO O CANADÁ (MONTREAL)

 

 

Montreal - Canadá

 

 

A cidade de Montreal

 

 

Foi essa a cidade que passei mais dias. Onde mora Renata. (minha filha). Adorável: calma, espaçosa, poucos habitantes., As moradias são lindas, estilo europeu. Cada rua tem um conjunto de casas iguais. As cores usadas são neutras: cinza claro, bege ou tijolos aparentes. Vi prédios construídos para idosos, com todo espaço planejado para facilitar a locomoção e a convivência entre eles. Inclusive no hall ficam disponibilizados balanços em filas duplas, uma de frente para a outra, sendo prática diária entre eles, sentarem-se de frente uns para os outros para conversarem.
Nas varandas sempre tem floreiras de cores vibrantes e variadas. Aliás, em toda a cidade existem recantos, jardins, parques, onde a predominância é de flores, lindas, que parecem felizes com o verão, com o sol que é uma bênção para os moram lá.
O primeiro passeio na cidade foi à noite. Fomos assistir ao espetáculo Totem, do circ Du Soleil, que dispensa qualquer comentário, tamanha é a perfeição com se apresentam. E tivemos a oportunidade de conhecer o Montreal Velho (como se fosse o Recife Antigo ) à noite. Uma belíssima paisagem. As ruas e os edifícios são tão iluminados que parece dia. O reflexo das luzes nas águas dos rios completa o espetáculo.
Nos demais dias passeamos bastante. O dia lá, no verão, é muito longo. O sol nasce às 6:00 e se põe ás 21:00, o que favoreceu nossas saídas diárias.
Conhecemos as cidades subterrâneas, cujo início coincide com o fim da linha do metrô. É a forma para a sobrevivência do comércio no frio intenso, no inverno (-40ºC). Os shoppings subterrâneos têm vários andares, talvez por isso parecem mais espaçosos ou com pouca gente, sempre. Os preços são dos produtos. No caixa é que se paga o imposto, no caso do Canadá 13,5%. Já nos Estados Unidos é de 8,5%. Fomos também aos outlets, onde os produtos têm reais descontos. Percebi que as pessoas vestem tudo de marca. São produtos bons. Mas, com elegância e sobretudo, conforto. Mulheres usam roupas leves, folgadas e confortáveis.Nos trens um fato curioso: a maioria dos passageiros leva um livro e lê, quer sentado quer em pé.

Conhecemos a Igreja de Notre Dame. Por fora, duas torres altas ladeiam o monumento, que fica na parte alta do Montreal Velho. Para ter acesso ao seu interior paga-se um valor, mas vale a pena. Belíssima, muito bem cuidada, tudo impecavelmente brilhando. O altar mor tem uma iluminação que destaca pontos dourados que refletem igual ouro. Um silêncio enorme. Não se escuta nem um susurro, apesar da presença de muitos.
Outro ponto de oração L’oraitorie de Saint Joseph, num monte (sobe-se uns 60 degraus), donde tem-se uma vista completa da cidade. O interior desse oratório é imenso, tem vitrais lindos e também convida todos à oração. Aqui tive uma das maiores emoções de todo o passeio. Um momento de recolhimento, agradecimento e fé.
As plantas e jardins do Jardim Botânico impressionam pela forma como são planejados e cultivados. No parque Jean Drapeau, na ilha de Sante Hélène, que surgiu da terra que foi jogada no rio Saint Lawrence, quando da construção da Vila Olímpica para sediar as Olimpíadas de 1975. Esta Vila permanece super bem cuidada e serve para treinamento dos atletas. Neste parque também visitamos a Biosfera.
Ainda conhecemos o chamado bairro chinês, a famosa rua Sainte Catherine e o bairro Gay onde casais homo vivem e convivem traquila e normalmente, com todo o respeito e garantia da liberdade que é o marco dessa sociedade canadense.

A VIAGEM AO CANADÁ (02) – Por Maria do Carmo Leite Calado.

VISITANDO O CANADÁ (Toronto)

 

 

 

Passei dois dias visitando essa cidade. Bem maior do que Montreal. A vida é mais agitada, a cidade é mais povoada. Ao lado de prédios antigos, também existem os modernos, a maioria de vidros espelhados.
As estradas em todos os percursos são largas, muito bem sinalizadas e conservadas. Os carros, todos com os faróis acesos sem excessão, e na maioria, são grandes e, nos fins de semanas, transportam a família. Vi muitos pais levando suas crianças em carrinhos, cujas cadeiras são em fila: criança maior atrás e menor na cadeira da frente. Uma raridade ver um pai ou mãe com a criança no braço ou no colo. Até nos parques as crianças sempre estão nos seus carrinhos. Aos domingos os parques e lugares turísticos ficam lotados de pais e filhos. Ficam na relva que mais parece tapete verde, entremeados de mesas e cadeiras para grupos fazerem seus piqueniques. Impressiona a limpeza permanente das praças e parques. Ninguém ousa deixar o menor vestígios de suas passagens.
No trajeto de Montreal para Toronto, entre as cidades de Kingston e Brockville, visitamos a região das 1000 ilhas, nome dado a um lugar mágico, um paraíso a céu aberto. Dizem que são quase 2.000 ilhas e ilhotas num lago do rio St. Lawrence, do lago Ontário do rio Niágara e do lago Erie.
Esse tour é feito num catamarã, por cerca de duas horas e a paisagem que surge diante dos olhos é de paralisar a respiração. Cada ilha é propriedade privada, com construções de casas belíssimas e até castelos, tipo medievais. O turista fica perdido, sem saber prá onde olhar, tamanha beleza, a natural e a ousada pelo homem: mistura perfeita.
Ainda Toronto, visitamos a CN Tower, a segunda maior torre do mundo, com 553 metros de altura. Subimos num elevador panorâmico, tão rápido que dá um zumbido nos ouvidos e frio na barriga. Do alto têm-se uma visão de toda a cidade, num observatório que fica a 342 metros de altura. Espantoso, incrível o cenário que se apresenta aos olhos. Experimentei uma emoção indescritível, parecia estar numa obra humana e muito perto de Deus!

Niágara Falls

No último dia nessa cidade fomos escalar uma outra torre, mais modesta, mas de onde podemos observar as cataratas do lago Niágara – O Niágara Falls – que fica na fronteira entre a província canadense de Ontário e o estado de Nova Iorque nos EEUU.
Fizemos um tour num cataramã e chegamos bem perto da queda d’água. Deslumbrante espetáculo, disponível 24 horas por dia. Uma sensação de espanto e medo. Passamos debaixo daquele véu que se forma pela força da água ao cair no lago. Estávamos protegidos por capas plásticas que só deixava de fora o rosto, parte do corpo que ficou molhado.

SANHARÓ – COMÉRCIO DE LATICÍNIOS CONQUISTA OS CONSUMIDORES.

S A N H A R Ó

 


SANHARÓ - A VACA E O TIRADOR DE LEITE. Símbolos da pecuária leiteira. Principal atividade econômica do município.

Queijo caseiro conquista o consumidor

 

NEGÓCIOS Às margens da BR-232, pequenos comerciantes de

Sanharó atraem cada vez mais clientes.

Pecuária também ganha.

 

SANHARÓ! Quem passa pela BR-232, no município de Sanharó, no Agreste, pode notar o crescimento do comércio que surgiu às margens da rodovia, nos últimos anos. Embalados principalmente pela venda de queijo, carne de sol e produtos regionais, como doces e linguiças, pelo menos dez estabelecimentos surgiram no local, que se tornou ponto de parada de quem viaja pela região. O aumento da demanda aqueceu também a produção de leite, movimentando a pecuária, principal atividade econômica da cidade.

Um dos primeiros a descobrir a potencialidade da área foi o comerciante Evanildo Manoel Valença Batista, 38 anos. Ele tinha uma pequena loja na entrada da cidade e, há cerca de oito anos, se mudou para as margens da BR-232. “Aqui, fomos aumentando a estrutura e a quantidade de mercadorias. Hoje nem sei dizer quantos produtos vendemos“, conta.

No local, também funciona uma lanchonete, dirigida pela esposa dele, Silvana Bezerra Calado Batista, 32 anos. Ela lembra que antes o casal trabalhava com apenas um funcionário. Atualmente são nove.No começo não vendíamos nem dez por cento dos produtos que vendemos hoje. A maioria dos compradores passa pela rodovia, tanto do Sertão para o Recife, como no sentido inverso“, diz.

O casal vende cerca de 2,5 mil quilos de queijo e, em média, mil quilos de carne de sol por semana. Entre os produtos comercializados estão linguiças de vários tipos, doces, manteiga de garrafa e farofa de queijo.

O sucesso dos pioneiros levou a abertura de novas lojas de produtos regionais. João da Silva Soares, 50 anos, deixou de ser caminhoneiro para se dedicar ao comércio. Há dois anos, ele aproveitou o quintal da casa para abrir um estabelecimento, onde vende até galinha de capoeira e doces feitos em casa. “Deixei de ser caminhoneiro e agora sirvo os amigos da estrada”, brinca.

A diversidade e a qualidade dos produtos tornaram a área ponto de parada para quem quer fazer lanches ou levar produtos para casa. Um dos que já se acostumaram com a parada foi o vendedor Airon de Souza Torres, 46 anos, que esta semana fazia compras com a família, quando viajava de Custódia, no Sertão, para o Recife. “Sempre paro aqui, o preço é quase o mesmo dos outros locais, mas gosto da qualidade dos produtos”, diz.

O comércio de queijo às margens da BR-232 no município, entretanto, não começou nessa área. O comerciante José Alves da Costa, 53 anos, conhecido como Zezinho do Queijo, já vende seus produtos há cerca de 20 anos, mas sua loja fica antes da entrada do município. Os estabelecimentos que estão aparecendo mais na frente, entre eles, uma casa de ordenhadeiras, surgiram nos últimos oito anos.

O aumento das vendas de queijo e de produtos derivados do leite estimulou o número de fabricas, beneficiando os pecuaristas da cidade, que agora têm mais opções para vender o leite. De acordo com a Secretaria de Agricultura de Sanharó, são pelo menos dez fábricas de queijo com boa capacidade de produção.

O queijo é produzido artesanalmente nas fazendas. Também temos pelo menos duas fábricas de doces na cidade e a venda de muitos doces caseiros, diz o secretário de Agricultura, Hermógenes Monteiro Galvão. Segundo ele, parte do queijo produzido é comercializada no município e outra parte segue para o mercado de cidades como Recife.

 

Fonte: JC/Economia-pág.8

Pedro Romero
promero@jc.com.br

TURISMO : VEJA AS CIDADES CONSIDERADAS AS MAIS CARAS DO MUNDO.

 

Cidade de Luanda(Angola) Considerada a mais cara do mundo.

 

 

 

A cidade de São Paulo entrou para a lista das 10 cidades mais caras do mundo para os estrangeiros viverem, segundo aponta a Pesquisa Global Mercer de Custo de Vida, divulgada nesta terça-feira (12).

A capital paulista deu um salto de 11 posições, desde a elaboração do ranking anterior, em março de 2010, quando estava na 21ª posição. Nesta edição, São Paulo ainda permeceu mais cara do que Nova York, nos Estados Unidos, a qual ficou em 32° lugar.

A pesquisa também mostrou que a cidade do Rio de Janeiro não fica muito de distante de São Paulo em termos de custos, já que a capital fluminense se posiciona em 12° lugar no ranking das cidades mais caras do mundo. Em 2010, ela estava em 29° lugar.

Valorização do Real

 

Com os avanços mencionados, São Paulo e Rio de Janeiro são atualmente as capitais mais caras, para os estrangeiros residentes no País, tanto na América do Norte quanto na do Sul.

Na avaliação da Mercer, a intensa valorização do real frente ao dólar é o principal motivo que justifica as posições das cidades brasileiras no ranking. As valorizações das moedas em países como Chile e Costa Rica também fizeram que algumas de suas cidades subissem significativamente na lista de cidades mais caras.

Apesar de estar na 33ª posição na lista, Brasília também se destaca no ranking, principalmente pelo fato de ter subido 37 posições em apenas um ano.

 

Mais caras do mundo

No ranking das cidades mais caras do mundo, Luanda, em Angola, mantém a primeira colocação, de uma lista com 214 cidades.

Observe na tabela a seguir as 10 cidades mais caras para os estrangeiros:

 

 

1ª Luanda Angola
2ª Tóquio Japão
3ª Ndjamena Chade
4ª Moscou Rússia
5ª Genebra Suíça
6ª Osaka Japão
7ª Zurique Suíça
8ª Singapura Singapura
9ª Hong Kong Hong Kong
10ª São Paulo Brasil

 

MSN