Tag Archives: Vitória

POLÍTICA ; AS CAUSAS DA DERROTA DO PT EM SALVADOR.* – Colaboração de ZéJulio Arruda.

Sobre a derrota do PT em Salvador

Texto do Prof. Deco Duarte*

Pois bem, aí está. O martelo foi batido, e ACM Neto é o novo prefeito de Salvador.

ACM Neto e o prêmio do Congresso em Foco 2012.

 

Após uma campanha em que só faltou Deus dar as caras em Salvador, pois os semideuses Lula e Dilma aqui vieram, após uma campanha em que todos os candidatos derrotados para prefeito – Marinho, Kertész e Da Luz – apoiaram Pelegrino, o PT sai derrotado. Estranho, não? Seria Salvador um caso patológico?

É uma derrota histórica. Se em São Paulo, a criação de Lula (Haddad) foi a superação de José Serra e uma velha política (?), o que foi então ACM Neto em relação a Pelegrino? A mesma coisa? Acho que não. Foi o desejo masoquista de Salvador em retroceder aos tempos de ACM avô, de ditadura e truculência? Improvável. Foi a ilusão de que o DEM é o partido da honestidade e da reputação imaculada? Óbvio que não também.

Salvador-BA não se deixou “guiar” pelos semideuses – Lula e Dilma.

Salvador rejeitou a prepotência do PT, a empáfia de um ex-presidente que se acha no direito de dizer em quem devemos votar, num populismo descarado. Salvador reprovou a falta de compostura de uma presidente que se mete em campanhas e esquece que governa para o Brasil e não para um partido.

Salvador disse não a um partido que se corrompeu e perdeu a sua ideologia. A cidade rejeitou a chantagem de que as verbas só virão se for feita uma parceria com o Governo Federal e o Estadual. E eu disse não a um partido que cria no país um clima de rivalidade entre brancos e negros, pobres e ricos, entre bairros nobres e bairros pobres. Ou como me disse uma militante na hora da votação: “A favela é 13, e o branquelo é 25”.

Pois aí está. Quase 100 mil votos de diferença. Não foi muito, mas foi. Não adianta agora amaldiçoar a cidade nos próximos quatro anos. É hora de repensar. Que os militantes do PT reflitam sobre os métodos que usam para se manter no poder; que o PT reveja suas políticas
populistas e a manipulação sobre as massas; que o PT não use o ódio social e racial como bandeira para angariar votos junto aos mais humildes.

E que ACM Neto consiga fazer um bom governo, não pelo bem de Salvador apenas, mas pelo bem do Brasil, porque um país sem oposição é uma país que caminha para uma ditadura.

*O Prof. Deco Duarte possui graduação em Direito pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), tendo a posteriori ingressado na graduação em Letras Vernáculas também pela UFBA, de onde partiu para a especialização em Letras, mais uma vez pela Universidade Federal da Bahia. Desde cedo, manifestou inclinação para a área de ensino, mostrando que não iria seguir a carreira jurídica. Ainda em 1996, já começava sua precoce vida profissional, como monitor no curso Gregor Mendel, de onde é ex-aluno. De lá até hoje, sua experiência só aumentou, com passagem por diversas escolas, tendo sido, por várias vezes, entrevistado por periódicos (Folha Dirigida e Correio) e programas televisivos (TVE e Aprovado) sobre a importância da Língua Portuguesa e das obras literárias nos vestibulares. Professor do Colégio Gregor Mendel desde 2000, lançou, em 2006, o livro “Arquétipo – análise das obras para o vestibular da UFBA”, livro que vendeu mais de 4 mil exemplares, tornando-se material de referência no estudo dos títulos indicados ao maior vestibular da Bahia.

ELEIÇÃO 2012 : PSB AVANÇA COM TUDO SOBRE O PT DAS CAPITAIS. *

PSB avança em capitais

desafiando o PT

 

Socialistas podem dobrar nº de prefeitos de capitais.

Partido de Eduardo Campos tende a passar o de Lula.

 

O rompimento com o PT em algumas disputas municipais relevantes deu ao PSB mais competitividade. Nas capitais de Estado isso fica bem visível conforme indica levantamento do Blog com as pesquisas eleitorais mais recentes.

A sigla de Eduardo Campos, governador de Pernambuco e possível candidato a presidente em 2014 ou em 2018, controla hoje só 3 das 26 capitais (Belo Horizonte, Curitiba e Boa Vista), mas poderá dobrar esse nº após as eleições deste ano de 2012. Isso só é possível porque os socialistas decidiram enfrentar o PT. Os partidos são adversários em todas as capitais em que o PSB está no páreo.

Foram consideradas no levantamento só as 22 capitais para as quais estavam disponíveis pesquisas realizadas no mês de setembro (até a manhã desta 3ª feira, 18.set.2012).

Dos 6 candidatos competitivos do PSB, 3 estão em 1º lugar nas pesquisas –petistas ocupam o 2º lugar. Os outros 3 socialistas competitivos concorrem com petistas por 1 vaga no segundo turno.

Em BH, o líder é Márcio Lacerda (PSB) e o 2º é Patrus Ananias (PT). No Recife, Geraldo Júlio (PSB) está à frente de Humberto Costa (PT). Em Cuiabá, Mauro Mendes (PSB) está em 1º, mas empatado com o 2º, Lúdio Cabral (PT).

Em Curitiba, Luciano Ducci (PSB) tem disputado vaga no segundo turno com outros 2 candidatos. Um é Ratinho Jr. (PSC). O outro é o candidato apoiado pelo PT, Gustavo Fruet (PDT).

Em Fortaleza, Roberto Cláudio (PSB) concorre com Elmano Freitas (PT) –estão tecnicamente empatados em 2º lugar. Se as pesquisas estiverem corretas, 1 deles enfrentará Moroni Torgan (DEM) na segunda etapa.

O mesmo ocorre em Porto Velho: Mauro Nazif (PSB) e Fátima Fátima Cleide (PT) estão tecnicamente empatados e têm chances de ir para o 2º turno contra o 1º colocado, Lindomar Garçon (PV).

Ranking

 Acesse pesquisas eleitorais em 22 capitais.

O PT é o partido que mais controla prefeituras entre as 22 analisadas: tem 6 desses prefeitos. Mas essa liderança não se traduz em força para o partido. O PSDB, com só 1 prefeito, tem mais candidatos competitivos que o PT (10 contra 8). São competitivos os políticos em 1º lugar nas pesquisas ou que estão em 2º e têm chances de disputar segundo turno.

O quadro abaixo mostra a situação dos partidos nas 22 capitais incluídas no levantamento: quantos prefeitos e quantos competitivos cada um tem na atual fase da campanha

.http://fernandorodrigues.blogosfera.uol.com.br/?p=1934

 

 

 

Jornalista Fernando Rodrigues.

 

 

*Fonte : Blog do Fernando Rodrigues.

ARTIGO : A MAIOR NOTÍCIA DO SÉCULO.* – Por Dorrit Harazim.**

POLÍTICA

 

A maior notícia do século,

O famoso beijo do marinheiro na enfermeira comemorando o final da 2ª Guerra Mundial, em plena Times Square em Nova York.

Benito Mussolini havia sido enforcado dez dias antes e Adolf Hitler tinha se suicidado na semana anterior; os russos estavam em Berlim e as tropas nazistas já haviam se rendido em Itália, Dinamarca, Noruega e Países Baixos.

A Segunda Guerra Mundial estava por um fio, com Winston Churchill, Josef Stalin e Harry Truman prontos para fazer seus discursos de vitória. Faltava, porém, um comunicado oficial atestando o final da carnificina que já durava seis anos.

Eram 3h24m da tarde de 7 de maio de 1945 quando o escritório da agência de notícias Associated Press (AP) em Londres recebeu o telefonema que acabou com a guerra antes do combinado. A ligação chegara através de um canal militar não sujeito à censura, e tinha o chefe do escritório de Paris da AP no outro lado da linha. “Aqui é Ed Kennedy. A Alemanha capitulou incondicionalmente. Repito, capitulou incondicionalmente. É oficial. Coloque Reims, França, como procedência e solte a notícia, já.”

Não discutiu sua decisão com nenhum chefe. O texto tinha perto de 300 palavras. “Agora é esperar para ver o que acontece”, comentou, após desligar.

Dois minutos mais tarde, Londres transmitia a bomba para a central em Nova York, que ainda segurou a notícia por oito minutos antes de colocá-la no ar.

Instantaneamente rádios por toda a América interromperam suas programações para dar a grande nova, edições extras de jornais inundaram as ruas e o furo tinha tudo para ser o momento de maior triunfo profissional e pessoal de Edward Kennedy, já consagrado como um dos grandes nomes de sua geração.

Os fatos seguiram outro roteiro. Passadas menos de 24 horas, Kennedy fora suspenso por tempo indeterminado e seria demitido mais tarde, sem alarde. No mesmo dia, o presidente do Conselho da AP divulgava um comunicado lamentando “profundamente” o monumental furo obtido pelo jornalista.

Perto de 50 correspondentes de guerra do front europeu recomendaram a revogação de sua credencial. Kennedy acabou expulso da França pelo Comando Supremo das Forças Aliadas e teve de retornar aos Estados Unidos.

Faria tudo de novo”, declarou apenas, ao desembarcar. Conseguiu emprego como redator-chefe num pequeno jornal da Califórnia, o “Santa Barbara News-Press”, fez uma tentativa como publisher do “Monterrey Peninsula Herald” e morreu num acidente de automóvel aos 58 anos de idade. Seu pecado capital foi ter desafiado a censura e atropelado um embargo de notícia.

Passaram-se 67 anos desde então. Somente agora, três semanas atrás, a Associated Press admitiu oficialmente que Edward Kennedy fizera o certo.

Foi um dia negro para a Associated Press, que administrou o fato da pior maneira possível”, desculpou-se em nome da empresa Tom Curley, atual diretor executivo da agência noticiosa e coautor do prefácio do livro, de onde foram tiradas as informações para este artigo.

O pedido póstumo de desculpas veio junto com a chegada às livrarias do livro de memórias do jornalista — “Ed Kennedy’s War: V-E Day, Censorship and the Associated Press”, disponível na Amazon.

Recomenda-se a leitura a todo jornalista, uma vez que o dilema que se apresentou para Kennedy, além de universal, é atualíssimo.

“Se você dá a alguém uma caneta e a autoridade de um censor, estranhas coisas acontecem”, costumava dizer Kennedy, que seguiu à risca a demarcatória definida por Franklin D. Roosevelt: a censura só é justificada se estiver a serviço da proteção das forças aliadas em combate.

Na noite da rendição, Kennedy integrava o grupo de 17 correspondentes de guerra reunidos às pressas pelo comando aliado para testemunhar o momento. Todos tiveram de assinar um termo de sigilo a bordo do avião militar que os levou de Paris para Reims, no nordeste da França, onde o general Dwight Eisenhower havia instalado seu QG avançado. Só divulgariam o que veriam quando autorizados pelo comando Aliado.

Em princípio, o embargo acordado duraria apenas algumas horas, mas logo os jornalistas foram informados de que ao fim da Segunda Guerra Mundial só poderia ser noticiado 36 horas depois, às três da tarde do dia seguinte.

Só que passadas doze horas da capitulação, uma pequena rádio alemã da cidade de Flensburg vazara a informação e Kennedy procurou dobrar os censores americanos. Nada feito.

O general Eisenhower até desejaria que a notícia seja divulgada de imediato para que vidas sejam salvas, mas suas mãos estão atadas por esferas políticas superiores”, respondeu-lhe à época o porta-voz do comandante.

As esferas políticas superiores chamavam-se Stalin, Truman e Winston Churchill. Os três haviam concordado em bloquear a notícia da capitulação por um dia para dar tempo ao marechal russo de também preparar a cerimônia de rendição que presidiria em Berlim.

Assim, todos fariam comunicados simultâneos a seus povos, pontualmente às 3 horas da tarde do dia 8 de maio de 1945.

Kennedy tomou a decisão de furar unilateralmente o acordo ao constatar que não estaria colocando em risco a vida de nenhum soldado. Pelo contrário, abreviaria a matança em algumas horas, o que já era muito.

De fato, naquele mesmo 7 de maio, um submarino alemão afundara duas embarcações na costa da Escócia e os combates prosseguiram na Checoslováquia e na Iugoslávia. Ademais, com a assinatura da rendição, a própria função dos censores militares perdia validade, a seu ver.

Duas vozes contundentes saíram em sua defesa à época. A primeira foi a de A. J. Liebling, na revista “New Yorker”, em artigo intitulado “A rendição da AP”. A segunda foi a de Wes Gallagher, despachado pela Associated Press para substituir Kennedy no escritório de Paris.

Por ocasião de seu primeiro encontro com Eisenhower, o repórter comentou com o general que no lugar do antecessor teria feito a mesma coisa, acrescentando: “Apenas teria lhe telefonado antes.”

Ike retorquiu que, nessa hipótese, teria ordenado sua prisão. Resposta de Gallagher: “Mas isso não teria abortado a notícia.”

 

 

* Fonte: O Globo

** Autora : Dorrit Harazim é jornalista

SANTA CRUZ FUTEBOL CLUBE – O TIME DA SUPERAÇÃO É CAMPEÃO PERNAMBUCANO 2012.

O TRICOLOR DO ARRUDA É O

CAMPEÃO DE PERNAMBUCO 2012

 

 

 

Campeão contra o Sport tem muito mais alegria...

 

Santa Cruz - O CAMPEÃO (foto FolhaPE)

 

Em jogo emocionante, Santa Cruz é bicampeão na Ilha do Retiro

Com gols de Branquinho, Dênis Marques e Luciano Henrique, equipe coral bateu o Leão e levantou a taça na casa do adversário

 

Sem ser brilhante o Santa jogou pelo resultado. Amansou o Leão na sua "toca" (Foto DiárioPE)

 

Os PARABÉNS do blog a toda a família tricolor, exaltando aqui e agora, alguns dos seus tradicionais torcedores: Lídio Maciel, João Pessoa, Vavá Frazão, Erivaldo e Gel Monteiro, Bebé Caraciolo, Rico Muniz, Benito e Augusto de João pessoa, Lindberg Leite, Flávio e Lúcio Foerster, Evandro, Edvaldo e Evanildo, Thiago, todos Valença, Chico de Adelino, Coca e Edinho Soares,  Lidinho Cintra, Marco Polo e Marco Aurélio, ambos Soares, Junior de Estende, vereador Dezo Almeida, Clovão Cavalcanti, Zé Ivan (vice-prefeito de Belo jardim), Laetson Silva Zé Antonio, João Capri, Zélia e Evandro de Pesqueira, Geraldo Amaro, Leomilton, Arthur e Milton, todos Guimarães…Depois a gente lembra outros, a exemplo do que fizemos em 15 de maio de 2011, quando comemoramos nosso campeonato.

Paulinho Muniz

Somente Tricolor.

ARTIGO: REFLEXÃO POLÍTICA: Eleição e Candidatos – Por Jozinaldo V. de Freitas.

A ELEIÇÃO E OS

CANDIDATOS

 

 

 

Estamos, mais uma vez, em um ano eleitoral. Os Partidos Políticos já iniciam suas articulações. Os políticos traçam suas alianças, com o fito de alcançarem vagas no Legislativo e Executivo Municipal. Cabe a cada cidadão exercer o direito de voto de maneira consciente e escolher candidatos que realmente representem o povo e que defendam os interesses da sociedade de maneira democrática, ética e transparente.

Sei que encontrar um candidato comprometido com a causa pública é bastante difícil, uma vez que o sistema político em voga é bastante desfavorável ao eleitor, pois ele tem que escolher entre candidatos pré-estabelecidos, escolhidos pura e simplesmente, por aqueles que se utilizam do sistema apenas para se perpetuar no poder e fazer da política uma profissão e com isso tirar proveito da ingenuidade do eleitor que ainda acredita em promessas e vendem seu voto como se ele fosse uma mercadoria qualquer.

Repito, o eleitor brasileiro na sua grande maioria é ingênuo. Não sabe, ou finge não saber, que o ambiente político possui dois lados. Existe o lado que todos veem e este se revela nas promessas de campanhas, nas inaugurações de obras, nos programas assistencialistas, nas festas e outros mais. O lado que o eleitor não vê é aquele a que chamo de bastidores. Neste é que se forja o espetáculo político e somente os caciques dos partidos políticos participam. O lado oculto, mesmo para aqueles que com unhas e dentes defendem seus candidatos, não é revelado.

Na verdade, o lado bom da política, é reservado à poucos. Podemos dizer que a parte boa do prato é para os políticos e a parte ruim, ou a banda podre, fica para o povo, o ingênuo eleitor. Quando se fala em uma reforma política, não confundir com reforma eleitoral, os interesses dos políticos profissionais são intocáveis e o projeto de reforma só recebe emendas e proposições favoráveis aos políticos.

Uma reforma séria, e que certamente ajudaria em muito, seria aquela que limitasse a reeleição dos cargos do Legislativo. Os deputados e senadores só poderiam ser reeleitos uma vez, do mesmo modo que é estabelecido para o executivo. Que os cargos de vereadores, além de limitar sua reeleição, fossem transformados em conselheiros municipais e que estes não sejam remunerados. Assim aqueles que assumissem o múnus público seriam voluntários e, acredito, trabalhariam mais em benefício da sociedade.

Enquanto a coisa não muda, procuro viver a meu modo, respeitando a opinião alheia e a posição política de cada um. Se os candidatos não me impressionam. Se não os acho preparados para os cargos que pleiteiam; se não são dignos do meu voto; simplesmente não voto.

Não me importo se me acham ou me chamam de analfabeto político.

Vivo feliz, sem bajular ninguém.

Autor: Jozinaldo Viturino de Freitas. Colaborador do blog.

FUTEBOL – BELO JARDIM DEU UM SHOW NO NÁUTICO. Atancante do Calango faz gol de letra…

Belo Jardim vence por 2 a 0 e tira

Náutico da co-liderança do Estadual

 

Calango foi superior jogando em casa, marcou golaço e não deu espaços para o Timbu.

BJ está isolado na sexta posição. Vejam os gols em video da ABTV/Globo.


(Basta clicar na seta e aguardar carregar)

O favoritismo do Náutico diante do Belo Jardim não se confirmou em campo na noite desta Quarta-feira de Cinzas. O Timbu foi até o Agreste e perdeu do Calango por 2 a 0 com gols de Tiago Santos e Alenilson em jogo realizado no estádio Mendonção diante de 5.002 espectadores. O Alvirrubro continua com 22 pontos e deixou escapar a chance de terminar o primeiro turno na co-liderança junto com o Salgueiro, agora sozinho na ponta com 25 pontos.

Além de perder a oportunidade de ficar no topo da tabela, o Náutico viu o Petrolina (agora com 21 pontos) encostar na classificação e ainda por cima pode ser ultrapassado pelo Sport após o fim da rodada, nesta quinta-feira. Se o Timbu não honrou a tradição de sua camisa, melhor para o Belo Jardim. Antes da rodada começar, o Calango tinha 12 pontos e ocupava a sétima colocação na zona intermediária da tabela. Agora, o time tem 15 pontos e começa a enxergar a possibilidade de brigar pelo G-4.

A busca do Náutico pela reabilitação ocorrerá diante do próprio Belo Jardim. Os dois times voltarão a se enfrentar no próximo domingo, às 16h, nos Aflitos. O jogo marcará a abertura do segundo turno do Campeonato Pernambucano

Belo Jardim marca golaço

 

Tiago Santos fez um dos gols mais bonitos do Estadual (Foto: Reprodução / TV Globo)

 

O Náutico entrou em campo motivado pela busca da co-liderança do Estadual e aos três minutos mostrou suas credenciais com Eduardo Ramos. O meio-campo invadiu a área, mas chutou sem força para a defesa do goleiro do Belo Jardim. Porém quem quase solta o grito de gol primeiro foi a torcida dos donos da casa quando aos sete minutos, Rogério Manaus e Junior Borracha, em dois lances seguidos, arriscaram da entrada da área e quase surpreendem Gideão, que retornou ao time após se recuperar de uma lesão.

Depois desse lance, o jogo fico equilibrado com as duas equipes se alternando nos bons momentos. Com um esquema 3-5-2 e bem postado em campo, o Belo Jardim, inclusive, chegava a ser ligeiramente melhor que o Náutico sem se importar com a tradição da camisa alvirrubra. Aos 17 minutos, por exemplo, Candinho e Fernadinho perderam duas boas chances para o Calango.

 

A resposta do Náutico veio um minuto depois. O atacante Siloé foi derrubado e na cobrança o lateral alvirrubro Jefferson assustou o goleiro Delone. Aos 23 minutos, no entanto, o Belo Jardim abriu o placar em uma bela jogada de Tiago Santos. O jogador invadiu a área, driblou a zagueiro Gustavo, se livrou do goleiro Gideão duas vezes e fez um dos mais belos gols deste Campeonato Pernambucano.

Apesar de estar atrás no placar, o Náutico não se entregou e foi para cima. Aos 25 minutos, o TImbu quase empatou com Souza. No rebote do goleiro Delone, Derley ainda teve a chance de empurrar a bola para as redes, mas desperdiçou o lance. Os visitantes só voltariam a chegar com perigo novamente aos 35 minutos com Souza novamente em outra cobrança de falta que obrigou o camisa 1 do Belo Jardim a mostrar eficiência outra vez.

Antes do fim primeiro tempo, o Náutico ainda teve a chance de empatar com Berger, aos 38 minutos, e Souza, aos 39. O Belo Jardim soube se segurar e saiu em vantagem no primeiro tempo.

Vitória garantida aos nove minutos

No segundo tempo, o Náutico voltou com mudanças no time com as saídas de Gustavo e Berger para a entrada de Dorielton e Marquinho respectivamente. A alteração de jogadores, no entanto, não alterou a postura do Timbu na partida. Quem também veio da mesma forma, com sede de jogo, goi o Belo Jardim. E aos nove minutos o Calango foi premiado por sua aplicação tática em campo. Em uma bola alçada na área, Alenilson mandou a bola para o fundo das redes.

Com a derrota por 2 a 0, o técnico Waldemar Lemos foi para o tudo ou nada e trocou o lateral Jefferson por Philip, numa tentativa de dar mais mobilidade ao setor ofensivo. A terceira substituição também não surtiu efeito e o Náutico seguiu desorganizado em campo, ao contrário dos donos da casa. O Belo Jardim tocava a bola com tranquilidade e se, por um lado, deixava de arriscar, por outro, também não dava espaços para a equipe alvirrubra.

Em uma prova de que a noite não era mesmo do Náutico, nem as bolas paradas, que vinham sendo bem aproveitadas pelo Timbu com Souza, surtiram efeito. A partida seguiu até os 49 minutos e terminou mesmo 2 a 0 para o Belo Jardim. Aos torcedores do Alvirrubro, restou a resignação de que, após os festejos de Momo, esta foi de fato uma “quarta-feira ingrata” como diz a música de carnaval.

Fonte: GloboEsporte.com

OPINIÃO : A VITÓRIA DA FICHA LIMPA – (*)

VITÓRIA DA FICHA LIMPA –

 

Decisão do STF considera lei aprovada em 2010 constitucional e põe fim aos questionamentos que cercavam sua aplicação

 

 

Proposta por iniciativa popular, a Lei da Ficha Limpa foi aprovada pelo Congresso após obter mais de 1,3 milhão de assinaturas.
O diploma determina a inelegibilidade por oito anos de políticos condenados criminalmente em segunda instância, dos cassados ou dos que tenham renunciado para evitar a cassação. Foi promulgado em junho de 2010, já em meio ao processo eleitoral.

Era previsível que essa circunstância gerasse turbulências e provocasse controvérsias sobre quem estaria apto a se candidatar e a ser eleito naquele ano. A Constituição, em seu artigo 16, prevê que leis destinadas a alterar regras eleitorais só podem ser aplicadas nos pleitos que ocorram um ano após a data de sua vigência.

Com as votações concluídas e a confusão instaurada, o Supremo Tribunal Federal pronunciou-se no início de 2011 sobre a aplicação da Ficha Limpa, determinando que a legislação só valeria a partir das eleições municipais de 2012.

Restavam, porém, outros aspectos por elucidar. O principal dizia respeito à constitucionalidade da norma que torna inelegíveis os condenados em segunda instância.

Esse dispositivo suscitou questionamentos -inclusive por parte desta Folha- por contradizer o princípio constitucional da presunção da inocência, pois trata-se de casos em que a Justiça ainda não deu a última palavra. Seria mais recomendável restringir a proibição às condenações já transitadas em julgado.

Anteontem, depois de mais de dez horas de discussões, o Supremo decidiu que a lei é constitucional. Sete ministros, contra quatro, votaram nesse sentido. E seis desses sete entenderam que as regras se estendem aos que foram condenados ou que recorreram ao expediente da renúncia antes de 2010.

Prevaleceu, assim, a ideia de que a Ficha Limpa não impõe sanções, apenas condições de elegibilidade. Ou seja, não se trataria de um atentado contra direitos individuais (do possível candidato), mas de tutela sobre um bem maior, o interesse difuso da sociedade em aperfeiçoar sua própria representação nos órgãos de poder.

A decisão vem, com efeito, ao encontro de um justo desejo por mais moralidade na política brasileira. O recorrente uso da vida pública como plataforma para o enriquecimento ilícito, propelido pela impunidade, tem alcançado proporções calamitosas no país.

Não se pode ignorar, contudo, um aspecto paradoxal: a Ficha Limpa pretende atuar como prevenção contra escolhas duvidosas do eleitor. Além do laivo paternalista, não dá garantia alguma de progresso real, pois nem só de criminosos se faz a má política.

 

(*) Editorial da Folha de São Paulo

 

SANHARÓ : FERA APROVADO NO VESTIBULAR 2011.

Guilherme Caraciolo. O novo fera de computação!

 

 

O fera GUILHERME VENTURA CARACIOLO, filho dos amigos Gorete e Leonides Caraciolo, foi APROVADO no vestibular da Universidade Católica de Pernambuco, no curso de Ciências da Computação.

Guilherme. Com a sua turma na porta do Colégio Santa Dorotéa de Pesqueira. (O 3° na última fila de baixo pra cima)

 

Tal qual seu irmão Gustavo que já concluiu o mesmo curso, o estimado colaborador desse blog Leonides cumpre a sua meta de encaminhar seus filhos de forma competente e alvissareira.

Guilherme Caraciolo - Já disse a que veio. Passou de primeira...

 

Ao futuro doutor da Ciências da Computação, os parabéns da Família OABELHUDO!!!

 

P.S – O blog se coloca à disposição de todos os estudantes e familiares para divulgar aqui os seus feitos.

FUTEBOL : NÁUTICO EMPATA E FICA COMO VICE-CAMPEÃO.

Náutico empata com Ponte Preta

e é vicecampeão

 

Com acesso garantido, equipes duelaram por melhor colocação na tabela e ficaram no 2 a 2

 

CLUBE NÁUTICO CAPIBARIBE - HEXA É LUXO

 

No confronto direto pelo vice-campeonato da Série B, o Náutico fez valer a vantagem conquistada nas 37 primeiras rodadas da competição, empatou com a Ponte Preta por 2 a 2, neste sábado, 26, em Recife, e assegurou a segunda colocação do torneio. Exatos seis anos depois da “Batalha dos Aflitos”, o estádio voltou a ver um jogo emocionante até o fim, mas o gol de Gérson, aos 48 minutos do segundo tempo, deixando tudo igual no placar, não atrapalhou a festa pernambucana.

Ao contrário daquele fatídico 26 de novembro de 2005, o tropeço não custou caro ao Náutico. Pelo contrário. Se há seis anos o Grêmio venceu por 1 a 0 e subiu à elite, desta vez, os pernambucanos já estavam com o acesso garantido e confirmaram o vice-campeonato. Com 64 pontos, o time se manteve à frente da própria Ponte, que terminou com 63 pontos, e também já estava garantida na Série A de 2012.

Com suas situações definidas, os dois times fizeram um jogo bem movimentado. A Ponte saiu na frente com o atacante Ricardo Jesus, de cabeça, aos 17 minutos. Após o gol, porém, o time paulista recuou demais e viu o Náutico pressionar até a virada. Aos 30 minutos, o zagueiro Marlon empatou de cabeça, após falta de Eduardo Ramos.

A virada veio em chute de fora da área do meia Lenon, que acertou o canto esquerdo do goleiro Júlio César, aos 20 minutos do segundo tempo. Os visitantes, contudo, continuaram lutando mesmo com a expulsão do volante Josimar, quando o jogo estava empatado. O segundo gol, porém, saiu apenas aos 48 minutos, em chute da entrada da área do volante Gérson.

Nada, porém, impediu a festa do Náutico que começou antes do jogo e prometia vara a madrugada. A programação era de 10 horas de festa pelo acesso. Os torcedores alvirrubros terão a companhia dos rubro-negros, uma vez que o Sport também subiu.

Estadão.

EDITORIAL : O MILAGRE ACONTECEU – O SANTA CRUZ AGORA É SÉRIE “C”.

A torcida tricolor representada pelos soldados finca a Bandeira do Santa Cruz na série 'C'.

 

 

 

 

 

 

 

 

Mais de 60 mil pagantes e outros milhares de sócios, assistiram o SANTA CRUZ FUTEBOL CLUBE  se classificar para a série ‘C’ do campeonato brasileiro 2012.

Depois de penar feito um judas… Ou um penitente. Graças, exclusivamente,  a sua torcida que praticamente levou o time no grito e na emoção a humilhação vai sendo excluída e o santinha vai retornar, passo a passo, aos grupos que aliam os melhores times do Brasil.

O blog faz uma saudação aos grandes tricolores sanharoenses nos nomes de Lídio e Ivanildo Maciel, Rico Muniz, Gonzaga Leite, Tota e Duda Alves Souza, João Pessoa, Bebé, Benito e Augusto Caraciolo, Edvaldo e Evanildo Valença, Junior e João Auguto Caraciolo, Laminha, Coca Soares de Freitas, Milton, Arthur, Airton e Breno Guimarães, Gominha, Lindberg Leite, Edinho Soares, Geraldo Amaro,Vavá Frazão,  Flávio e Lucio Foerster, Laurentino Magno, Goga, Erivaldo e Gel Monteiro da Costa, Marquinho e Marco Polo Soares, Lidinho Souza Cintra e muitos outros que a emoção do momento faz eu esquecer. Ah, lembrei-me de mim, que mesmo não acreditando, muito, estou tão feliz quanto qualquer um fiel torcedor.

ABRAÇO FAMÍLIA TRICOLOR!

 

PAULINHO MUNIZ

 

Camisa n° 9 uma homenagem a Ramon em 1975.